Curiosidades » Personagem

As 10 mortes mais bizarras da História

Alguns deixam sua marca pela vida; outros, pela forma como se vão

Fabio Marton Publicado em 26/04/2019, às 14h00

Algumas mortes aconteceram de forma tão estranha que são difíceis de acreditar
Getty Images

Ao longo da História, foram documentadas mortes tão incomuns que são até difíceis de acreditar.

Conheça algumas delas:


10. Langley e Homer Collyer (1947)

Crédito: Reprodução

No pior caso de acumuladores da História, Langley passou 19 anos trazendo coisas da rua e nunca jogando nada fora. Seu irmão, cego, vivia confinado em meio ao lixo, que se acumulava até o teto no edifício de quatro andares em Nova York. Com medo de tentarem levar seu tesouro, Langley criou armadilhas. Terminou vítima de uma delas. Homer, dependente e preso, pereceu dias depois.


9. Alexandre da Grécia (1920)

Crédito: Reprodução

Aqui se vê toda a gravidade da expressão “macacos me mordam!”. Um dia, num passeio pelo Palácio de Tatoi, o rei viu seu cachorro se estranhar com um macaco-de-gibraltar. Acabou levando múltiplas dentadas e morrendo de infecção. Não existem macacos nativos da Grécia. Nem o rei era fã deles: o primata regicida era o bicho de estimação do caseiro.


8. Frederico Barbarossa (1190)

Crédito: Reprodução

O maior de todos os imperadores do Sacro Império Romano-Germânico estava em marcha acelerada para retomar Jerusalém dos islâmicos, na Terceira Cruzada. Em seu caminho, havia um rio. A batalha não podia esperar. O imperador liderou o avanço entrando na água, todo paramentado. A correnteza tirou o cavalo de sob suas pernas e Frederico fez o contrário de flutuar.


7. Adolf Frederick (1771)

Crédito: Reprodução

Após uma suntuosa refeição com lagosta, caviar, chucrute, arenque e champanhe, o rei da Suécia decidiu arrematar com semlas, um tipo de pão doce sueco parecido com o sonho. Catorze delas, acompanhadas por creme de leite. Morreria na mesma noite de obstrução intestinal ou talvez intoxicação alimentar – ninguém ousou fazer uma grotesca autópsia.


6. Ésquilo (455 a.C.)

Crédito: Reprodução

É irônico uma morte tão cômica ter acometido um dos maiores autores de tragédias da Grécia. Apreciando a paisagem da cidade de Gela, na Sicília, o dramaturgo foi atingido letalmente por uma tartaruga vinda dos céus. As águias da ilha matam suas presas deixando-as cair sobre as pedras. Concluiu-se que a ave confundiu sua careca com uma rocha.


5. Tycho Brahe (1601)

Crédito: Reprodução

 

O dinamarquês foi um dos maiores astrônomos de seu tempo, mestre de Johannes Kepler. Durante um banquete, recusou-se a deixar a mesa, porque considerava isso falta de cortesia. Não se sabe se sua bexiga explodiu ou foi seriamente avariada, mas ele morreu 11 dias depois. Pediu para escreverem em seu epitáfio: “Viveu como um sábio, morreu como um tolo”.


4. Clement Vallandigham (1871)

Crédito: Reprodução

Ele estava defendendo um cliente acusado de assassinato numa briga de bar em Lebanon, Ohio. Sua tese é de que havia sido um acidente, o revólver da vítima tendo disparado sozinho quando tentou se levantar para entrar na confusão. Para provar, reencenou o momento com um revólver. Que estava carregado e, de fato, disparou. Morreu no dia seguinte. Mas ganhou o caso.


3. Truls Hellevik (1983)

Crédito: Reprodução

O horrendo acidente da plataforma Byford-Dolphin aconteceu no início do processo de descompressão numa câmara hiperbárica, com 9 vezes a pressão atmosférica terrestre. Um operador abriu uma válvula por acidente e a pressão saiu de uma vez. Hellevik, que estava mais próximo da válvula, simplesmente explodiu em vários pedaços e seus restos mataram o operador.


2. Sigurd Eysteinsson (892)

Crédito: Reprodução

 

O conquistador viking da Escócia decidiu tripudiar do corpo de seu adversário, Máel Brigte, o rei celta de Moray. Cortou sua cabeça, prendeu-a na sela e saiu para desfilar com seu cavalo. Batendo de cima para baixo, o crânio de Brigte raspou sua perna com os dentes e a ferida se infeccionaria letalmente. O mais próximo de uma morte por zumbi a acontecer na História.


1. João Maria de Souza (2013)

Crédito: Reprodução

Ele dormia tranquilamente com a esposa, em sua casa na zona rural de Caratinga, Minas Gerais. Então uma vaca caiu através do telhado, em cima da cama. Levado ao hospital ainda vivo, padeceu por hemorragia interna. A casa ficava de costas para um barranco e o animal havia saltado sobre o teto, que imediatamente cedeu. A vaca sobreviveria sem complicações.