Curiosidades » Mundo

Barricadas de Paris: confira 6 curiosidades sobre o impactante episódio

Em 10 de maio de 1968, o contido movimento de estudantes que protestavam contra a Guerra do Vietnã acabou se tornando uma das manifestações mais violentas daquele ano

Tarso Araújo Publicado em 15/05/2021, às 09h00

Trabalhadores franceses durante a ocupação de sua fábrica em 1968
Trabalhadores franceses durante a ocupação de sua fábrica em 1968 - George Louis/Creative Commons/ Wikimedia Commons

Fazia uma semana que grupos de estudantes secundaristas e universitários se reuniam no Quartier Latin, bairro tradicional de Paris onde fica a Universidade de Sorbonne. Eles protestavam contra a Guerra do Vietnã, o autoritarismo do governo conservador de Charles de Gaulle e a prisão de estudantes em manifestações pela paz.

Até que, no dia 10 de maio de 1968, quando um grupo se reunia com o reitor para negociar a libertação de colegas presos, a minoria revolucionária de estudantes tornou-se, sem aviso ou plano, uma maioria revoltada. Doze mil jovens cercaram a universidade, recusando-se a “circular”, como ordenava a polícia.

Eles levantaram carros, atiraram pedras e coquetéis molotov, cercando os policiais. Ao fim da resistência, não conseguiram vitórias concretas. Mas detonaram uma série de eventos que abalariam o governo De Gaulle. E inspiraram revoltas em todo o mundo, que fariam de 1968 um dos anos mais agitados do século 20.

Confira seis curiosidades sobre a expressiva manifestação.

1. Defesa improvisada

Pichações na Universidade de Lyon durante a revolta de 1968 / Créidito: George Louis/ Creative Commons/ Wikimedia Commons

 

Para se proteger das bombas de gás lacrimogênio e dos cacetetes da polícia, os estudantes usavam capacetes de moto, pano sobre o nariz e a boca e óculos de mergulho para evitar a irritação nos olhos.


2. Armas urbanas

A principal arma dos estudantes foi o calçamento das ruas. As mulheres ajudavam a arrancar paralelepípedos com picaretas e os homens lançavam uma chuva de pedras sobre a cabeça dos guardas. Foram 247 policiais feridos. Um mês depois, os paralelepípedos foram trocados por asfalto.


3. Palavras de ordem

Pichações na Faculdade de Direito da Universidade de Lyon / Crédito: George Louis/ Creative Commons/ Wikimedia Commons

 

Outra arma dos jovens foi a palavra. Eles pichavam, nos muros e monumentos do bairro, lemas como “A imaginação no poder”, “Corra, camarada, o velho mundo está atrás
de você”, “Eleição, armadilha para trouxas”, “Somos realistas, queremos tudo” e o clássico “É proibido proibir”, entoado no mesmo ano no Brasil.


4. PM de primeiro mundo

Uma tropa de 6,2 mil policiais foi proteger a universidade. Exatamente às 2h, chegou por rádio o comando para atacar: “Primeiro, uma ordem verbal para a dispersão; segundo, intimações; terceiro, pôr em marcha os batalhões. Dispersem todo mundo”. Nenhum estudante morreu no conflito.


5. As barricadas

Sessenta carros, árvores, grades, pedaços de pau e paralelepípedos formaram as montanhas de até 3 metros de altura. Bandeiras pretas e vermelhas foram fincadas sobre as barricadas, representando o anarquismo e o comunismo. Foram cerca de 21 barricadas grandes e outras 40 em 15 ruas do Quartier.


6. Força operária

Embora os operários não costumassem se misturar aos universitários, alguns deles foram fundamentais no dia 10 de maio. Eles providenciaram motosserras para derrubar os plátanos centenários das calçadas do Quartier. No dia 13, cerca de 8 milhões de operários entraram em greve geral por maiores salários e redução da carga horária.


+Saiba mais sobre o tema através de grandes obra disponíveis na Amazon:

1968: O ano que não terminou, de Zuenir Ventura (2018) - https://amzn.to/33M1ghs

Maio de 1968: luta de classes e projeto autogestionário, compilado por Lisandro Braga e Nildo Viana (2020) - https://amzn.to/3w4X34H

1968: Quando a Terra tremeu, de Roberto Sander (2018) - https://amzn.to/2RRDPkb

Maio de 68 e suas repercussões, de Kristin Ross (2018) - https://amzn.to/3uPBNzA

1968, de maio a dezembro: Jornalismo, imaginário e memória, de Álvaro Nunes Larangeira, Christina Ferraz Musse e Juremir Machado Da Silva - https://amzn.to/2QgOF2I

1968: eles só queriam mudar o mundo, de Regina Zappa e Soto Ernesto (2018) - https://amzn.to/3ooYd8E

Vale lembrar que os preços e a quantidade disponível dos produtos condizem com os da data da publicação deste post. Além disso, a Aventuras na História pode ganhar uma parcela das vendas ou outro tipo de compensação pelos links nesta página.

Aproveite Frete GRÁTIS, rápido e ilimitado com Amazon Prime: https://amzn.to/2w5nJJp 

Amazon Music Unlimited – Experimente 30 dias grátis: https://amzn.to/2yiDA7W