Curiosidades » Argentina

Buenos Aires, o cartão postal que preserva sua memória histórica

Uma das principais capitais turísticas da América do Sul, a cidade é repleta de construções centenárias que remetem ao seu passado

Redação Publicado em 08/08/2021, às 10h00 - Atualizado em 09/08/2021, às 12h18

Fotografia da Catedral Metropolitana
Fotografia da Catedral Metropolitana - Alexis González Molina, via Wikimedia Commons

Em contraste com outras metrópoles latino-americanas, a capital argentina não sofreu tanto com o rolo compressor do modernismo. Ela conserva grande parte de sua memória histórica — inclusive o metrô e seus murais nas estações, datados de 1919, o mais antigo sistema da América Latina.

Combinado ao tango, à gastronomia e à vida moderna e cosmopolita, o conjunto compõe o apelo de uma das capitais turísticas do continente, recebendo mais de 2,5 milhões de visitantes por ano — quase o mesmo que a campeã, o Rio de Janeiro.

Para quem não quer se perder nas atrações históricas de Buenos Aires, a primeira coisa a entender é o que há de tão importante com mayo. Explicamos: em 18 de maio de 1810, os argentinos receberam a notícia que a Suprema Junta do governo espanhol havia sido dissolvida pelos franceses.

A junta era o governo de resistência à invasão francesa, formada em 1808, quando Napoleão colocou o próprio irmão, José Bonaparte, no trono da Espanha. O cabildo — o conselho da cidade — decidiu então que os argentinos formariam sua própria junta e governariam a si mesmos. A junta pôs-se em guerra com os vizinhos monarquistas.

Com o herói de guerra José de San Martin, a revolução levaria à independência não só da Argentina, como do Paraguai, Peru e Chile. Com Simon Bolívar, que atuou ao norte, San Martin é o grande libertador da América do Sul. A revolução argentina, assim, vai muito além do patriotismo local.

1. Museo Nacional del Cabildo y la Revolución de Mayo

A primeira foto do Museo Nacional del Cabildo, de 1852 / Crédito: Domínio Público/ Creative Commons/ Wikimedia Commons

 

A sede do conselho administrativo colonial — o cabildo — da cidade surgiu em 1612 como um prédio de adobe (barro). Foi lá que, em 22 de maio de 1810, os argentinos decidiram pela revolução. E também onde, em 1821, consideraram-na concluída, voltando à normalidade. O museu aborda tudo sobre o movimento, mas o prédio é a atração principal.


2. Catedral Metropolitana

A igreja data de 1580, mas a versão atual começou a surgir em 1752. A construção neoclássica foi inspirada no Palais Bourbon de Paris. O altar é dominado pela escultura do Cristo de Buenos Aires, obra do português Manuel do Coyto, de 1671. Dentro da igreja também fica o mausoléu do herói continental José de San Martin.


3. Cemitério la Recoleta

Entrada do Cemitério la Recoleta / Crédito: Sking/ Creative Commons/ Wikimedia Commons

 

 

Espécie de Père Lachaise portenho, abriga os ricamente decorados mausoléus de presidentes e outras grandes figuras argentinas, notavelmente Evita Perón — cujo corpo, confiscado pela junta militar dos anos 1950, passou anos perdido pela Europa antes de encontrar seu repouso final.


4. Parque Centenario

Construído em 1910 para celebrar a independência, o parque acabou abrigando diversas instituições científicas do país, como os institutos Louis Pasteur e Marie Curie. E o ainda existente Museu Bernardino Rivadavia de História Natural, com diversos fósseis da rica fauna pré-histórica do país.


5. Palacio de Aguas Corrientes

Fotografia do exterior do Palacio de Aguas Corrientes / Crédito: Beatrice Murch/ Creative Commons/ Wikimedia Commons

 

No final do século 19, quando sucessivas epidemias levaram à reformulação do abastecimento de água da capital, os argentinos decidiram fazer isso com estilo. Ninguém imagina vendo de fora, mas o palácio é provavelmente a estação de águas mais bonita do planeta. E continua operando.


6. El Zanjón

Considerado o sítio arqueológico mais importante de Buenos Aires, as galerias subterrâneas foram descobertas em 1985, sob uma mansão arruinada do século 19. O museu permite ver não só as galerias, como objetos acumulados por quatro séculos de História argentina.


7. Teatro Colón e Mausoléu de Juan Perón

Fotografia do Teatro Colón / Crédito: Andrzej Otrębski/ Creative Commons/ Wikimedia Commons

 

Considerado pela National Geographic como a terceira melhor casa de ópera do mundo, o prédio atual é de 1908. A dois quarteirões dali, no meio da Avenida 9 de Julio, fica o mausoléu do presidente Juan Perón, figura central da História do país no século 20.


+Saiba mais sobre arquitetura através das obras abaixo, disponíveis na Amazon:

Manual do Arquiteto Descalço, de Johan van Lengen (2020) - https://amzn.to/3fFeItP

História global da arquitetura, de Francis D. K. Ching (2016) - https://amzn.to/2VoKyo5

Fundamentos de Projeto de Edificações Sustentáveis, de Marian Keeler e P (2018) - https://amzn.to/3juIYZM

Tudo sobre arquitetura, de Denna Jones (2015) - https://amzn.to/3CjtpN7

Dicionário visual de arquitetura, de Francis D. K. Ching (2010) - https://amzn.to/3yw5ckk

Vale lembrar que os preços e a quantidade disponível dos produtos condizem com os da data da publicação deste post. Além disso, a Aventuras na História pode ganhar uma parcela das vendas ou outro tipo de compensação pelos links nesta página.

Aproveite Frete GRÁTIS, rápido e ilimitado com Amazon Prime: https://amzn.to/2w5nJJp

Amazon Music Unlimited – Experimente 30 dias grátis: https://amzn.to/2yiDA7W