Curiosidades » Brasil

Censura e dados incertos: 5 curiosidades sobre a epidemia de meningite no Brasil durante a ditadura

Durante a década de 1970, o Brasil passou por uma grave epidemia de meningite que deixou milhares de mortos

Redação Publicado em 19/01/2021, às 15h51

Ernesto Geisel, presidente do Brasil entre 1974 e 1979
Ernesto Geisel, presidente do Brasil entre 1974 e 1979 - Wikimedia Commons

Na década de 1970, uma grave epidemia de meningite ocorreu no Brasil. Era época da ditadura e os militares se prontificaram a ocultar dados e perseguir a quem tentava alertar a população acerca da doença.

Assim como o presente momento, no qual o país vive uma pandemia de covid-19, houve na época uma superlotação dos hospitais, além de que inúmeras pessoas perderam a vida. 

Pensando nisso, separamos algumas curiosidades sobre o episódio que marcou a história do país.

1. Gravidade 

De acordo com o UOL, em matéria de 2020, um documento de 1974 encontrado no Arquivo Nacional revela que o governo tinha total conhecimento de que havia uma epidemia de meningite no Brasil.

Nele, o SNI (Serviço Nacional de Informações), dirigindo-se ao general Ernesto Geisel, presidente do país à época, comunica que um surto de meningite teria ocorrido em Osasco e, posteriormente, atingido outras regiões.

Ernesto Geisel / Crédito: Wikimedia Commons

 

"Sabe-se de sobejo que o alastramento do mal encontra campo propício nos aglomerados populacionais, nos ambientes de pouca higiene e na estação invernal. Nessas condições a cidade de São Paulo é um meio ambiente ideal, sabendo-se que a cidade não é servida de esgotos em dois terços de sua área e 50% da população não é servida por rede de água," diz o texto.

"Acresce dizer que o clima de São Paulo, frio e úmido, no inverno, concorre, juntamente com e enorme população, de forma decisiva para o desenvolvimento epidêmico", continua.

2. Campanha eleitoral

O mesmo informe afirma que sem as devidas medidas preventivas em São Paulo, "pode-se prever que anualmente a cidade será atormentada pela incidência dessa doença".

Contudo, havia algo que preocupava ainda mais os militares: o impacto da epidemia nas eleições. Assim, como o próprio autor do documento diz, caso a população tivesse acesso à informação, haveria "reflexos negativos no curso da campanha eleitoral".

O governo demonstrava preocupações com as eleições em meio à epidemia / Crédito: Divulgação/Arquivo Nacional

 

Por fim, o texto afirma que o momento político do país, que passava pelo chamado "milagre econômico" poderia ser desestabilizado pela oposição, o que causaria problemas.

3. Censura

A ditadura censurou veículos de comunicação, impedindo que dados fossem divulgados, e perseguiu até mesmo aqueles que tentassem alertar a população. Um documento que confirma a existência de censura na época é um radiograma do dia 30 de julho 1974.

Foi neste episódio que Moacyr Coelho, que na época atuava como diretor da Polícia Federal, tomou uma decisão quanto a divulgação de dados sobre o episódio. Para ele, tudo deveria ser proibido. 

O governo censurava pessoas e veículos que tentassem informar a população: Crédito: Divulgação/Arquivo Nacional

 

Em outro episódio, ocorrido no mesmo ano, Coelho passa a permitir a divulgação de notícias sobre a doença, mas chama atenção para "dados e notícias tendenciosas que alarmem a população".

4. O período 

O UOL também entrevistou a médica, professora e pesquisadora aposentada Lia Giraldo da Silva Augusto. Segundo ela, a epidemia se mostrava grave desde 1971 e teve seu pico em 1974.

Na época, ela havia acabado de se formar na Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto, da Universidade de São Paulo, e em 1974 concluiu o curso atuando no Hospital Emílio Ribas. Ela afirma que em setembro daquele ano, 1.200 pessoas foram internadas, sendo que a capacidade máxima era de 300.

5. Dados incertos

Não se sabe ao certo quantas pessoas tiveram contato com a doença, nem quantas vidas foram perdidas. Conforme informou a BBC Brasil, o estudo "A Doença Meningocócica em São Paulo no Século XX: Características Epidemiológicas", de José Cássio de Moraes e Rita Barradas Barata, divulgou que, entre os anos de 1971 e 1976, foram registrados 19,9 mil casos de meningite e 1.600 óbitos pela doença.

A censura dificultou a obtenção de dados sobre a epidemia / Crédito: Divulgação/Arquivo Nacional

 

Já o jornal O Globo informou em sua edição do dia 30 de dezembro de 1974 que, somente naquele ano, 111 pessoas haviam morrido no Rio Grande do Sul, 304 no Rio de Janeiro e 2.500 mil em São Paulo. Certamente, o número real seria muito maior devido à censura e subnotificação dos casos.


+Saiba mais sobre a ditadura militar brasileira através das obras abaixo

A Casa da Vovó: Uma biografia do DOI-Codi (1969-1991), o centro de sequestro, tortura e morte da ditadura militar, Marcelo Godoy (2015) - https://amzn.to/36RcrWL

Tortura e sintoma social, Maria Rita Kehl (2019) - https://amzn.to/2CpAFci

Dossiê Herzog: Prisão, tortura e morte no Brasil, Fernando Pacheco Jordão (2015) - https://amzn.to/2CwH5GB

Setenta, Henrique Schneider (2017) - https://amzn.to/36OM1EI

A ditadura envergonhada (Coleção Ditadura Livro 1), Elio Gaspari (2014) - https://amzn.to/2Q2xaAK

Vale lembrar que os preços e a quantidade disponível dos produtos condizem com os da data da publicação deste post. Além disso, a Aventuras na História pode ganhar uma parcela das vendas ou outro tipo de compensação pelos links nesta página.

Aproveite Frete GRÁTIS, rápido e ilimitado com Amazon Prime: https://amzn.to/2w5nJJp

Amazon Music Unlimited – Experimente 30 dias grátis: https://amzn.to/2yiDA7W