Curiosidades » Personagem

O insano apetite de Charles Domery, o soldado que comia gatos, cachorros e até carne humana

Seguindo um cardápio bizarro, o combatente polonês de tudo devorava para sanar seu alucinante apetite

André Nogueira Publicado em 09/11/2019, às 08h00 - Atualizado às 09h00

Charles Domery, o homem que comia de tudo
Charles Domery, o homem que comia de tudo - Reprodução

Charles Domery foi um soldado polonês que andou por diversos pontos da Europa e que possuía um voraz e bizarro apetite para comer qualquer coisa. Membro do exército prussiano, ele teve seu paladar atiçado para a estranheza desde os 13 anos, quando ele entrou nas Forças Armadas e teve de lidar com aquelas insatisfatórias doses de ração, cuja qualidade era bastante rasa.

Domery começou, então, a tentar contemplar sua fome, que não era morta pelo pouco alimento oferecido, se alimentando de grama (mais de dois quilos por dia). Porém, grama também não era um alimento muito substancial. Foi então que o alucinado militar passou a procurar por animais.

Segundo o Dr. Thomas Cochrane, que trabalhava na ala médica da prisão de Liverpool na época em que Domery esteve preso, "Em um ano, ele devorou ​​174 gatos, (não a pele deles) vivos ou mortos. Ele teve vários conflitos graves no ato de destruí-los, sentindo os efeitos dos tormentos deles no rosto e nas mãos. Cães e ratos também sofriam com suas mandíbulas impiedosas.", nas palavras enviadas ao London Medical and Physical Journal.

Crédito: Wikimedia Commons

 

Facilmente, do ponto de se alimentar de animais não-convencionais logo se tornou um consumo desorientado de carne humana, em momento em que faltavam os outros alimentos. Os relatos de Cochrane sobre a passagem do polonês na cadeia são surpreendentes: “Como sempre, com fome, e nada mais a seu modo, a não ser a perna de um homem, que foi disparada, deitada diante dele, ele a atacou avidamente e estava se alimentando com entusiasmo, quando um marinheiro a pegou e a jogou. ao mar. "

“Desde que chegou a esta prisão, ele comeu um gato morto e cerca de vinte ratos. Mas o que mais gosta é carne crua, carne de carneiro ou carne de carneiro, da qual, embora seja abundantemente suprido pela ingestão diária de dez homens, ele reclama que não tem a mesma quantidade nem se entrega a comer tanto quanto costumava fazer”.

“Ele muitas vezes devora um fígado de boi cru, três quilos de velas e alguns quilos de carne crua, em um dia, sem provar pão ou legumes, lavando-o com água, se a sua dose de cerveja for gasta. Seu estômago nunca rejeitou nada, como ele nunca vomita, seja qual for o conteúdo, ou por maior que seja."

O mais bizarro é que, mesmo com tamanha voracidade, Domery sempre foi um homem esbelto e elegante, de humor conveniente e personalidade temperada. Estranhamente, não se sabe ao certo como foi o final de sua vida, após a experiência dos cuidados médicos e a prisão.


Saiba mais sobre canibalismo através das obras abaixo

Charles Domery, de Jesse Russel e Ronald Cohn - https://amzn.to/2rlxYpX

Devorando o vizinho – Uma História do Canibalismo, de Daniel Diehl - https://amzn.to/2PUQIae

Os Canibais de Garanhuns: A história de três serial killers brasileiros que comiam e vendiam salgados com carne humana, de Raphael Guerra - https://amzn.to/36LCVZz

Vale lembrar que os preços e a quantidade disponível dos produtos condizem com os da data da publicação deste post. Além disso, assinantes Amazon Prime recebem os produtos com mais rapidez e frete grátis, e a revista Aventuras na História pode ganhar uma parcela das vendas ou outro tipo de compensação pelos links nesta página.