Como fazíamos sem... Xampu?

Valia até banha de urso para domar a juba

Marcus Lopes Publicado em 02/03/2017, às 00h00 - Atualizado em 23/10/2017, às 16h35

A falta de xampu não devia incomodar muito a Medusa
Caravaggio/Google Art Project

A limpeza e a saúde dos cabelos são uma preocupação que vem da Antiguidade. Plantas e essências de rosas e jasmim eram usadas pelos povos antigos do Oriente para limpar os cabelos, controlar a oleosidade e amaciar os fios. Durante a Idade Média, as técnicas foram trazidas para o Ocidente pelas cruzadas. Nesse período, as receitas ganharam ingredientes mais comuns para poções mágicas do que produtos de limpeza, tais como raiz de couve, banha de urso e rãs.

Com o tempo, as fórmulas caseiras foram substituídas por sabão e sabonetes para manter os cabelos limpos. A origem do xampu remonta ao ano de 1759, quando um homem de negócios chamado Sake Dean Mahomed criou os primeiros banhos de xampu na Inglaterra, nos moldes dos banhos turcos. O nome vem do hindi champo, que quer dizer "massagear". Nos anos seguintes, o produto começou a ser incorporado pelos cabeleireiros ingleses, que adicionaram ervas aromáticas aos sabões para obter fragrâncias especiais.

A primeira fórmula para o xampu como conhecemos surgiu em um laboratório na Alemanha em 1890, mas começou a se popularizar apenas no século 20, após a Primeira Guerra Mundial. No começo era um produto caro e para poucos. Com o tempo e o crescimento da indústria da beleza, o xampu foi aprimorado e tornou-se um produto indispensável na hora do banho.

Entre as maiores curiosidades sobre a história do xampu está a versão de que, no século 16, o produto era utilizado como bebida energética pelos guerreiros na Europa. Ao ingeri-lo, acreditava-se que o soldado ganharia forças contra os inimigos. Teria surgido daí a expressão "tônico capilar".


Quando surgiu o...

Secador
Após o xampu, surgiram outros produtos para auxiliar a manter a beleza dos cabelos. O secador surgiu em 1920 e foi desenvolvido pela empresa americana Racine Universal Motor. O projeto foi inspirado no mecanismo do aspirador de pó, surgido alguns anos antes.

Permanente
O permanente de cabelo nasceu em 1906, após o cabeleireiro alemão Karl Nessler desenvolver uma técnica para encaracolar os fios utilizando produtos químicos e tubos metálicos aquecidos no fogo. Até aperfeiçoar seu projeto, ele havia feito muitas tentativas, que renderam muitas dores às clientes.

Tintura
As primeiras tinturas modernas para cabelos começaram a ser vendidas em 1909 pelo químico francês Eugène Schueller. Ele desenvolveu um produto que era vendido para cabeleireiros parisienses. As tinturas foram a base para a construção de um império que se tornaria sinônimo de produtos para beleza e cosméticos: a L'Oréal.