Curiosidades » Estados Unidos

Como o massacre de Colubine inspirou uma música do Foster the People

Pensando na violência que tomava conta das escolas norte-americanas, o vocalista da banda criou a fatídica Pumped Up Kicks

Pamela Malva Publicado em 05/11/2020, às 17h00

Fotografia da banda Foster the People em show
Fotografia da banda Foster the People em show - Wikimedia Commons

Entre as típicas aulas de matemática, história e inglês, alunos em todos os Estados Unidos também recebem um treinamento diferenciado. Focadas em momentos de puro pânico, as simulações tentam conscientizar os jovens sobre terríveis ataques armados.

Enquanto escolas ao redor do mundo se preocupam com equações, os planos de evacuação são uma prioridade dos EUA. Isso porque o país já sofreu com diversos casos de tiroteios que aterrorizaram pessoas de todas as idades.

Desde o Massacre de Columbine até o ataque no colégio Santa Fe, os tiroteios são um assunto delicado em todo o país. Foi pensando nisso, inclusive, que a banda Foster the People criou um de seus singles mais famosos — e sofreu diversas críticas por isso.

A banda Foster the People no clipe de Pumped Up Kicks / Crédito: Divulgação/Youtube

 

O começo de tudo

Em meados de 2009, o compositor e vocalista Mark Foster se surpreendeu com o aumento no índice de doenças mentais entre os jovens nos Estados Unidos. “Eu queria entender a psicologia disso”, explicou ele, posteriormente, em entrevista à CNN.

“Eu queria entrar na cabeça de um jovem psicopata e trazer consciência para o problema da violência com armas, que se tornou epidêmica”, pontuou o artista. E assim, após 5 horas de composição, nasceu a canção “Pumped Up Kicks”.

Lançada como single em 2010, a música narra o ponto de vista de um jovem problemático, que tem constantes pensamentos homicidas. Na letra, tudo começa quando o menino encontra um revólver “no armário do pai, na caixa de coisas legais”.

O vocalista Mark Foster no clipe de Pumped Up Kicks / Crédito: Divulgação/Youtube

 

Fora da linha

Com uma melodia animada, o refrão da música logo ficou gravado na cabeça dos fãs, já que muitos sequer prestavam atenção na canção. O sucesso foi tamanho que a faixa ganhou o prêmio de Música de Rock do Ano no Billboard Music Awards em 2012.

O problema, no entanto, é que a letra chiclete, na verdade, alerta aos jovens sobre os perigos de um ataque. “Todas as outras crianças com tênis caros/É melhor vocês correrem, melhor correrem mais rápido que minha arma”, narra o refrão.

Não demorou, então, até que amantes da banda ao redor do mundo percebessem a enorme carga emocional que “Pumped Up Kicks” trazia em sua letra. E tudo piorou quando a música passou a ser citada em outros casos de tiroteios em escolas.

A banda Foster the People em evento de gala / Crédito: Wikimedia Commons

 

Fora de contexto

De repente, a música de Mark Foster, que problematizava os ataques e a saúde mental, passou a ser usada por grupos pró-armamento dos Estados Unidos. Mais tarde, ela se tornou o símbolo daqueles que praticavam os massacres.

Quando o Brasil recebeu a notícia do tiroteio na Escola Estadual Professor Raul Brasil, em Suzano, por exemplo, a música foi amplamente citada pelos jornais. Só que a ideia de Mark nunca foi essa, ele nunca quis romantizar ou glorificar os atentados.

"A canção não é sobre perdoar a violência”, explicou o cantor, ainda à CNN. “Pelo contrário. Ela é um meio para se conversar com as crianças sobre algo que não pode ser ignorado, para que seja abordado de uma forma amorosa.”

Fografias sobre o Massacre de Columbine, ocorrido em 1999 / Crédito: Divulgação

 

Diante das críticas

Para o baixista Cubbie Fink, no entanto, a música é absolutamente necessária, apesar das críticas. Primo de uma sobrevivente do Massacre de Columbine, o artista encorajou Mike a falar sobre o tema, mas não esperava pela enorme repercussão.

Com o passar dos anos, a letra da música foi retirada do seu contexto e “Pumped Up Kicks” ganhou uma nova leitura. As palavras escritas pelo compositor tornaram-se um incentivo para integrantes de grupos com ideias extremistas.

Eram tantas as problematizações e críticas em torno da canção que o Foster the People deixou de tocá-la em seus shows. Algumas rádios chegaram a banir o single, enquanto a MTV modificou a letra de Mark, a fim de remover as palavras “arma” e “bala”.

Eventualmente, “Pumped Up Kicks” voltou para o setlist da banda norte-americana, mas o cuidado para cantá-la passou a ser dobrado. Isso porque, sempre que algum novo ataque acontece, a letra é novamente citada pela mídia, acendendo todas as polêmicas sobre a canção mais uma vez.


+Saiba mais sobre serial killers por meio de grandes obras disponíveis na Amazon:

Serial Killers - Anatomia do Mal: Entre na mente dos psicopatas, de HaroldSchrechter (2013) - https://amzn.to/37ytKLz

Arquivos Serial Killers. Made in Brazil e Louco ou Cruel, de Ilana Casoy (2017) - https://amzn.to/2QL8gEj

Lady Killers: Assassinas em Série: As mulheres mais letais da história, de Tori Telfer (2019) - https://amzn.to/2sLF3kJ

De frente com o serial killer: Novos casos de MINDHUNTER, Mark Olshaker (2019) - https://amzn.to/2sLF73X

Vale lembrar que os preços e a quantidade disponível dos produtos condizem com os da data da publicação deste post. Além disso, a Aventuras na História pode ganhar uma parcela das vendas ou outro tipo de compensação pelos links nesta página.

Aproveite Frete GRÁTIS, rápido e ilimitado com Amazon Prime: https://amzn.to/2w5nJJp

Amazon Music Unlimited – Experimente 30 dias grátis: https://amzn.to/2yiDA7W