Curiosidades » Japão

Corredor da morte: Seppuku, o ritual de autocídio do Japão feudal

O sacrifício fazia parte de um antigo código de ética e conduta para guerreiros, chamado Bushido

Vanessa Centamori Publicado em 16/04/2020, às 14h19

Reconstituição de uma cena de Seppuku no século 19
Reconstituição de uma cena de Seppuku no século 19 - Wikimedia Commons

Na hierarquia classista do Japão feudal, os samurais estavam no topo. Porém, mesmo com a posição privilegiada, não era fácil pagar o preço da honra, que era exigido para essa classe de guerreiros.

Para um samurai, a bravura e fidelidade ao líder (xogum) era essencial. Tanto que, como forma de demonstrarem lealdade aos senhores, eles seguiam até um código de ética e conduta chamado Bushido, que significa “o modo do guerreiro”.

Representação artística de um guerreiro samurai prestes a realizar o ritual suicida / Crédito: Wikimedia Commons 

 

Como parte desse código, estava um ritual sombrio, chamado Seppuku, que consistia em um suicídio de uma forma muito dolorosa: o esventramento. Em outras palavras - o corajoso samurai abria o seu próprio ventre e extraía os órgãos internos até a morte. E por incrível que pareça, a prática começou a se popularizar na classe guerreira durante o século 12. 

Mas por quê cometiam o Seppuku?

Se um samurai fosse desonrado de alguma forma, ele deveria cometer o Seppuku como forma de protesto. Isto também acontecia com as mulheres que eram guerreiras, mas o ritual delas era chamado jigai e em vez da barriga, era cortada a garganta. Só que os atos mais antigos da prática foram cometidos por homens - os japoneses Minamoto Tametomo e Minamoto Yorimasa. 

Jigai, o ritual do Sepuuku feminino / Crédito: Wikimedia Commons 

 

Muitas vezes, o ritual acontecia após uma derrota em batalhas sangrentas. Sem ter para onde correr, alguns samurais se matavam ritualisticamente para evitar uma inevitável captura por parte de seus inimigos. 

O Seppuku também começou a ser praticado por guerreiros que haviam cometido crimes e se puniam com o ato de autoflagelação. Mesmo assim, o ritual ainda era uma forma honrosa e símbolo de coragem na etiqueta feudal. 

Os combatentes acreditavam que o espírito humano ficava no estômago, logo, abrir o ventre era um modo de morrer muito digno. E não apenas isso, como também era um privilégio: o ritual era reservado apenas para os samurais. 

Pessoas comuns se enforcavam ou se afogavam, enquanto que abrir o ventre era algo que só os guerreiros podiam fazer. Ao mesmo tempo, o sacrifício era modo de se redimir com a sociedade ou manter a reputação para o suicida e para a sua família. 

Preparação 

No caso do guerreiro ser preso em uma batalha, o soldado se suicidava o mais rápido possível, então não havia nenhum preparo anterior. No entanto, se o samurai que pretendia praticar o Seppuku cometesse um roubo ou estupro, primeiro se declarava culpado para o xogum, o senhor de terras feudal. Normalmente, o mestre aceitava o depoimento e o considerava culpado. 

Pintura da cerimónia de Seppuku / Crédito: Wikimedia Commons 

 

Em seguida, o guerreiro escolhia um assistente para o ritual, chamado "kaishakunin". Depois, o suicida se dirigia até um aposento decorado especialmente para a ocasião. Ali, ele passava seus últimos dias se preparando para o fim de sua existência. 

No último dia de sua vida, o guerreiro tomava banho e vestia um quimono branco. Ele tinha o direito de comer sua comida favorita, enquanto sentava sobre uma placa de madeira, chamada "sanbo". Antes de consumir o alimento, tomava ainda duas doses de saquê em goles rápidos. 

O suicida também recebia um papel, uma pena e uma espada curta, chamada "tanto", embrulhada em papel. Escrevia então um poema (jinsei), onde eternizaria seus últimos pensamentos com um padrão fixo de rimas.

Em 1696, inclusive, o samurai Gesshu Soko, que morreu com o Seppuku, escreveu sua poesia, que dizia: “Inale, exale/ Para a frente, para trás/ Vivendo, morrendo/ Agora, volto para minha fonte”.

Espada tanto, usada no ritual / Crédito: Creative Commons 

 

Hora da morte

A morte chegava no fim da tarde, conforme o Sol já caía. O samurai saía de seu aposento especial e passava por um corredor. Ele caminhava lentamente, de cabeça erguida, e era observado por outros colegas guerreiros. 

O suicida chegava até uma tenda no meio de um jardim. Ou, em algumas ocasiões, dirigia-se até um templo budista. Uma vez dentro do local, o suicida se sentava em uma almofada ou tatame, e começava a girar a sua espada no ar. 

Iniciava o sacrifício, propriamente dito, abrindo o abdômen, da esquerda a para a direita, para os intestinos caírem sobre uma almofada. Por último, esticava o pescoço para que o  assistente ritualístico o poupasse de sofrer. Se ainda não estivesse morto, o assistente aplicava um golpe na garganta do suicida para terminar sua agonia. 

Representação de um Seppuku / Crédito: Domínio Público 

 

O último adeus

Após a morte, o poema escrito pelo falecido passava a ser guardado por seu xogum em um acervo. O cadáver normalmente era cremado e suas cinzas eram enterradas com honras militares. A faca do suicídio era jogada fora, pois acreditava-se que ela estaria contaminada pela morte. 

De modo similar, o local onde morrera o guerreiro também não era considerado limpo. Então era lavado para que ficasse pronto para o próximo ritual. Assim várias cerimônias ocorriam repetidamente, com inúmeros samurais.

Até que o Seppuku foi se extinguindo no fim do século 19. Só que, nessa época, vez ou outra, a prática ainda ocorria. Além disso, no século 20, o general japonês Nogi Maresuke se matou por meio do rito para honrar o Imperador Meiji. 

Em 1970, o escritor que concorreu a três  prêmios Nobel de literatura, Yukio Mishima, se matou com o Seppuku. O suicídio ocorreu após ele participar de uma tentativa de golpe de estado no Japão. 

O escritor foi com vários seguidores a um edifício militar em Tóquio e rendeu o comandante do quartel general das Forças de Autodefesa japonesas. Lá, de uma sacada, fez um breve discurso para cerca de mil militares reunidos, no qual pediu que derrubassem a constituição. Os soldados não concordaram e como forma de protesto, Mishima se entregou ao sacrifício ritualístico.


+Saiba mais sobre o Japão através das obras abaixo

Cultura japonesa 7: A Era Meiji: os samurais assumiram o papel central na revolução que sacudiu o Japão feudal, de Masayuki Fukasawa, Masaomi Ise e Yoshiyasu Irimajiri (2018) - https://amzn.to/32s42WR

O fogo entre a névoa, de Renée Ahdieh (2018) - https://amzn.to/2oKEgPj

Secrets of the Samurai: The Martial Arts of Feudal Japan, de Oscar Ratti e Adele Westbrook (2019) - https://amzn.to/2MrDkIy

História Concisa do Japão, de Brett L. Walker (2017) - https://amzn.to/2Mve2cC

Vale lembrar que os preços e a quantidade disponível dos produtos condizem com os da data da publicação deste post. Além disso, a Aventuras na História pode ganhar uma parcela das vendas ou outro tipo de compensação pelos links nesta página.

Aproveite Frete GRÁTIS, rápido e ilimitado com Amazon Prime: https://amzn.to/2w5nJJp 

Amazon Music Unlimited – Experimente 30 dias grátis: https://amzn.to/3b6Kk7du