Curiosidades » Brasil

Neste dia, em 1822, dom Pedro I era coroado Imperador do Brasil

Conheça 5 curiosidades sobre a coroação e o período em que de D. Pedro I governou o Brasil

Giovanna Gomes Publicado em 01/12/2020, às 09h33

Coroação de D. Pedro I do Brasil, por Jean-Baptiste Debret
Coroação de D. Pedro I do Brasil, por Jean-Baptiste Debret - Getty Images

Desde o célebre 7 de setembro, a formação de um governo separado de Portugal já era prevista. A nomeação do príncipe regente como o novo imperador era muito esperada pela população brasileira.

Assim, no dia 1° de dezembro de 1822, há exatos 198 anos, Pedro I era coroado Imperador Constitucional e Defensor Perpétuo do Brasil.

Pensando nisso, o site Aventuras na História separou cinco curiosidades sobre esse período da história do país.

1. Ordens imperiais  

No dia de sua coroação, Pedro I mandou que fosse criada a Ordem Imperial do Cruzeiro do Sul, a qual foi inspirada pelos símbolos franceses. A ordem concedeu condecorações a brasileiros e estrangeiros que tinham relevância política no país, até então.

Pedro I do Brasil, por Simplício Rodrigues de Sá / Crédito: Wikimedia Commons

 

Mais tarde, também a Ordem Imperial da Rosa foi criada. Desse modo, o Imperador entregou 189 insígnias a seus aliados. Seu filho D. Pedro II, no entanto, superou esse número ao conceder mais de 14 mil condecorações.

2. Poder centralizador

Insatisfeito com a Constituição de 1823, D. Pedro acabou dissolvendo a Assembleia Constituinte e outorgando uma nova em 1824. Com essa nova Constituição, estava determinado que o Executivo, o Judiciário e o Legislativo estariam subordinados a um quarto poder, o Moderador, o qual seria exercido por Pedro. Basicamente, o Imperador poderia anular qualquer decisão dos outros poderes.

Além disso, o país passava por problemas econômicos e várias revoltas regionais surgiram. Com a instabilidade, o imperador determinou que tanto a Câmara quanto o Senado seriam vitalícios, o que acabou por gerar um conflito ainda maior entre ele e as elites que defenderam sua chegada ao poder. 

3. Herdeiro de Portugal

Com a morte de D. João VI, sua indecisão entre o trono do Brasil e de Portugal acabaria minando a popularidade que ele tinha, pois o governante decidiu autoproclamar-se herdeiro do trono português, o que contrariava Constituição.

Como ele não podia assumir dois tronos ao mesmo tempo, deixou sua filha, Maria da Glória, que tinha apenas sete anos de idade na época, como herdeira de Portugal e nomeou seu irmão D. Miguel como regente.

Maria II, filha de D. Pedro I/ Crédito: Wikimedia Commons

 

4. Abdicação

Devido a sua impopularidade no Brasil, D. Pedro I acabaria abdicando do trono no dia sete de abril de 1831 e retornando a Portugal. "Aqui está a minha abdicação; desejo que sejam felizes! Retiro-me para a Europa e deixo um país que amei e que ainda amo", escreveu Dom Pedro I, naquele mesmo dia. Assim, seu filho, Pedro II, tornou-se príncipe regente.

Em Portugal, ele passou a utilizar o título de Duque de Bragança e decidiu a lutar para restituir o trono português para sua filha, uma vez que D. Miguel teria assumido o poder. Após derrotar o irmão, restaurou o absolutismo português. 

Dom Miguel I, irmão de Dom Pedro I/ Crédito: Wikimedia Commons

 

5. A morte 

No dia 10 de setembro de 1834, após meses lutando contra a tuberculose e vivendo em uma cama, o D. Pedro ditou uma carta aberta aos brasileiros. Nela, ele pedia pela abolição da escravidão. “É um mal, e um ataque contra os direitos e dignidade da espécie humana”, explicou, “É um câncer que devora a moralidade”.

Ilustração do momento da morte de Dom Pedro I / Crédito: Wikimedia Commons

 

Dias depois, em 24 de setembro de 1834, ele acabou por falecer. Porém, Pedro não foi enterrado como um Imperador, mas sim como um simples general. Apenas no aniversário de 150 anos da independência do Brasil, seus restos mortais foram levadas para o monumento do Ipiranga, em São Paulo. 


++Saiba mais sobre o Brasil Império através de grandes obras disponíveis na Amazon

Pedro: Imperador do Brasil e rei de Portugal, de Eugénio dos Santos (2015) - https://amzn.to/34ySFO6

Leopoldina: a história não contada: A mulher que arquitetou a independência do Brasil, de Paulo Rezzutti (2017) - https://amzn.to/2DsrmJt

Coleção Princesa Isabel: Fotografia do Século XIX , de Bia Correa do Lago e Pedro Correa do Lago (2013) - https://amzn.to/34ue8aO

Vale lembrar que os preços e a quantidade disponível dos produtos condizem com os da data da publicação deste post. Além disso, a Aventuras na História pode ganhar uma parcela das vendas ou outro tipo de compensação pelos links nesta página.

Aproveite Frete GRÁTIS, rápido e ilimitado com Amazon Prime: https://amzn.to/2w5nJJp

Amazon Music Unlimited – Experimente 30 dias grátis: https://amzn.to/2yiDA7W