Curiosidades » Bizarro

De desgosto e sem ar: a terrível morte de Teresa Cristina, última Imperatriz do Brasil

Depois da Proclamação da República, a Família Imperial voltou à Portugal para recomeçar, mas a decepção do golpe deixou a imperatriz de cama

Pamela Malva Publicado em 09/02/2020, às 12h00

Pintura representando Teresa Cristina
Pintura representando Teresa Cristina - Wikimedia Commons

Pouco antes de marechal Deodoro da Fonseca declarar a Proclamação da República e colocar um fim no Brasil Imperial, a família de Dom Pedro II saiu do país. Chegaram à Portugal derrotados, depostos e com o sentimento de um golpe.

No dia 7 de novembro de 1889, logo que colocaram os pés em Lisboa, a Família Imperial recebeu um recado do governo português: não eram mais bem vindos na capital. Isso porque o rei D. Carlos I já estava assumindo o poder e um imperador deposto não era uma imagem desejada.

Ainda mais humilhados, D. Pedro II e Teresa Cristina, ex-Imperatriz Consorte do Brasil Império, foram para a cidade do Porto. Isabel e seus filhos tomaram rumo para a Espanha.

Retrato de Teresa Cristina em 1876 / Crédito: Wikimedia Commons

 

No dia 15 de novembro, a República Brasileira foi proclamada. Pouco depois, a D. Pedro II recebeu a notícia que ele e Teresa foram banidos do país sul-americano para sempre, no dia 24 de dezembro.

Segundo o próprio Dom Pedro II, a notícia sobre o banimento “aniquilou a vontade de viver de D. Teresa Cristina”. Em seu diário, ele escreveu que a esposa estava se queixando de frio e dor nas costas, mas não apresentava febre.

Leopoldina, Dom Pedro II, Teresa Cristina e Isabel, respectivamente, em 1863 / Crédito: Wikimedia Commons

 

Ele saiu de casa em direção da biblioteca da cidade. Ao mesmo tempo, a saúde de Teresa Cristina piorou consideravelmente. Sua respiração ficou pesada e, de repente, seu sistema respiratório parou de funcionar.

Enquanto seu estado decaía, Teresa, em seu leito de morte, disse à Baronesa de Japurá que não morria de doença. “Morro de dor e de desgosto”, alegou. Suas últimas palavras demonstraram a saudade das filhas, dos netos e do Brasil.

Tumbas de Dom Pedro II e Teresa Cristina / Crédito: Wikimedia Commons

 

A antiga Imperatriz Consorte do Brasil Império morreu naquela mesma tarde, no dia 28 de dezembro de 1889. Ela tinha 67 anos e foi vítima de uma parada cardiorrespiratória. O corpo da dama foi levado até a Igreja de São Vicente de Fora, perto de Lisboa.

Mais tarde, a pedido de Dom Pedro II, ela foi sepultada no Panteão dos Braganças. Quando o antigo Imperador morreu, ambos foram sepultados juntos na Catedral de S. Pedro de Alcântara, em Petrópolis, em 1939. 


+Saiba mais sobre o tema através dos livros abaixo

Teresa Cristina Bourbon, de Aniello Angelo Avella (2014) - https://amzn.to/2UCyPiS

Pedro II – A história não contada, de Paulo Rezzutti (2019) - https://amzn.to/2S9SV2h

História do Brasil Império, de Miriam Dolhnikoff (2017) - https://amzn.to/2SsYU19

O Brasil como império, de Sonia Gaurita do Amaral (2013) - https://amzn.to/3bn5HSv

Vale lembrar que os preços e a quantidade disponível dos produtos condizem com os da data da publicação deste post. Além disso, assinantes Amazon Prime recebem os produtos com mais rapidez e frete grátis, e a revista Aventuras na História pode ganhar uma parcela das vendas ou outro tipo de compensação pelos links nesta página.