Curiosidades » Arqueologia

De placas a pergaminhos de prata: 5 descobertas arqueológicas relacionadas com a Bíblia

Encontradas em diversos períodos da humanidade, algumas das peças narram guerras, enquanto outras se assemelham à episódios do Testamento

Pamela Malva Publicado em 10/02/2020, às 15h50

Placas relacionadas à Bíblia
Placas relacionadas à Bíblia - Divulgação

Diversas descobertas arqueológicas são feitas todos os dias. Em sua grande maioria, elas ajudam a compreender o cotidiano de determinados povos antigos, desde sua alimentação, até suas vestimentas e rituais religiosos.

Algumas dessas descobertas, inclusive, remontam aos tempos narrados nos livros da Bíblia. Métodos de crucificação, bençãos e até outros pontos de vista sobre os episódios do Testamento podem ser identificados em algumas das peças encontradas por arqueolólogos.

Confira 5 descobertas arqueológicas incríveis e relacionadas com a Bíblia:

1. Homem crucificado em Givat Hamivtar

Restos do Homem crucificado de Givat Hamivtar / Crédito: Divulgação

 

Os conhecimentos atuais sobre o método da crucificação romana não vieram apenas dos escritos bíblicos. Muito do que os estudiosos sabem sobre a prática veio dos restos de um homem crucificado encontrados em Givat Hamivtar, um bairro de Jerusalém.

A descoberta mostrou que, além de ser preso à cruz com pregos nas mãos, como a Bíblia conta, os pulsos do homem foram envoltos por mais pregos entortados, já que suas palmas não aguentariam o peso do corpo. Ainda mais, uma estrutura quadrada prendia os pés da vítima na cruz, como um cinto de madeira. 


2. Epopéia de Gilgamesh

Pedra inscrita com a Epopéia de Gilgamesh / Crédito: Divulgação

 

Enquanto vasculhava alguns documentos do Museu Britânico, George Smith fez uma incrível descoberta, em 1872. O arqueólogo descobriu peças de uma escavação feita no século 7 a.C. em Nínive. Entre elas, ele identificou uma placa conhecida como Epopéia de Gilgamesh. Nela, o texto inscrito narrava uma inundação.

Utnapishtim, o herói do dilúvio, conta na tabuleta que o deus Ea o alertou sobre a catástrofe iminente e lhe aconselhou a construir um barco. Durante o texto, muitas das narrativas de Utnapishtim se assemelham à história de Noé — coincidência essa que intriga diversos estudiosos bíblicos desde o século 19.


3. Pergaminhos do Mar Morto

Um dos pergaminhos encontrados perto do Mar Morto / Crédito: Divulgação

 

Em 1947, uma cadeia de cavernas próximas ao Mar Morto foram os palcos da maior descoberta arqueológica do século 20. Dentro delas, mais de 800 documentos em hebraico foram encontrados — alguns gravados em couro, outros em papiro. Entre eles, 190 pergaminhos bíblicos.

Por mais que muitos dos manuscritos encontrados sejam pequenos fragmentos do Testamento, um livro completo de Isaías foi identificado. Através das análises, foi determinado que alguns pergaminhos datam do século 3 a.C., enquanto a grande maioria remonta aos séculos 1 e 2 a.C..


4. Pergaminhos de Ketef Hinnom

Pergaminho de prata encontrado em Ketef Hinnom / Crédito: Divulgação

 

Em meados de 1979, Gabriel Barkay, um arqueólogo israelense estava estudando tumbas funerárias da Idade do Ferro, em Ketef Hinnom, um sítio arqueológico perto de Jerusalém. Durante as escavações, Gabriel e sua equipe encontraram dois rolos de prata junto do corpo enterrado na tumba.

As peças eram pergaminhos de metal e, durante anos, foram desenroladas e traduzidas por estudiosos. O maior dos pergaminhos, que media 7,6 cm, levou três anos para ser desenrolado completamente. Ambos os pergaminhos continham a bênção sacerdotal de Número 6. No fim, as duas peças foram publicadas apenas em 1989 e, hoje, podem ser vistas no Museu de Israel, em Jerusalém.


5. Pedra Moabita

A Pedra Moabita / Crédito: Divulgação

 

Enquanto caminhava por um mercado em Jerusalém, um missionário encontrou uma tábua de pedra à venda, em 1868. Intrigado, ele percebeu que a peça estava dividida em diversos pedaços, cortada para que pudesse ser vendida à mais pessoas. Datada do século 9 a.C., a placa tinha inscritos em moabita.

Na pedra, estava gravada a frase “Eu sou Messa, filho de Quós, rei de Moabe”. O texto seguinte narrava uma guerra travada em Israel em 850 a.C. sob os olhos do rei de Moabe. A Bíblia também fala sobre a batalha, mas de outra perspectiva. Na placa, Messa destaca suas vitórias, enquanto o Testamento enaltece o movimento de contra-ataque bem-sucedido de Israel.


+Saiba mais sobre o tema através dos livros abaixo

Uma breve história da arqueologia, de Brian Fagan (2019) - https://amzn.to/3buoZFx

Lendo a Bíblia de Modo Sobrenatural, de John Piper (2018) - https://amzn.to/2UB7UUy

Arqueologia da Amazônia, de Eduardo Goes Neves (2006) - https://amzn.to/2SfYZWW

Vale lembrar que os preços e a quantidade disponível dos produtos condizem com os da data da publicação deste post. Além disso, assinantes Amazon Prime recebem os produtos com mais rapidez e frete grátis, e a revista Aventuras na História pode ganhar uma parcela das vendas ou outro tipo de compensação pelos links nesta página.