Curiosidades » Literatura

'A destruição dos judeus europeus': conheça o clássico de Raul Hilberg

Lançado originalmente em 1960, o livro sofreu resistência de acadêmicos

Redação Publicado em 24/07/2021, às 11h45

Raul Hilberg, historiador do Holocausto
Raul Hilberg, historiador do Holocausto - Divulgação / Youtube / Matthijs Coevert

Considerado por muitos pesquisadores a pedra fundamental dos estudos sobre o
Holocausto, o clássico A Destruição dos Judeus Europeus, de Raul Hilberg, foi publicado
originalmente numa modesta brochura em 1960, após enfrentar resistência de acadêmicos da comunidade judaica. O livro ganhou notoriedade e numerosas atualizações com o passar dos anos.

[Colocar ALT]
A Destruição dos Judeus Europeus, de Raul Hilberg (2016) / Crédito: Divulgação / Editora Amarilys

A edição da Editora Amarilys possui mais de 1600 páginas, divididas em dois volumes reunidos numa caixa, e incorpora todos os acréscimos que Hilberg fez em vida, inclusive os que escreveu especialmente para as edições francesa e espanhola da obra.

O trabalho de uma vida destrincha em minúcias tudo sobre a Solução Final, detalhando sua logística complexa e as particularidades de sua implementação em cada país em que foi adotada.

Hannah Arendt, que teria escrito um parecer contrário à sua publicação, viria a reconhecer a centralidade do trabalho de Hilberg para qualquer um que se debruçasse sobre o assunto, citando-o mais de uma vez em Eichmannem Jerusalém.

O cineasta francês Claude Lanzmann imortalizou a figura de Hilberg, o único historiador a aparecer em Shoah, o mítico documentário com mais de nove horas de duração que retrata as experiências de vítimas e perpetradores do genocídio nazista. 

Um verdadeiro farol, um quebra-mar, um navio de História ancorado a seu tempo e a um aspecto além do tempo, imortal, inesquecível, e ao qual nada na produção histórica comum pode ser comparado”, disse Lanzmann.

Confira um trecho da obra disponível na Amazon: 

Hoje em dia, o assunto deste livro está coberto por tamanha quantidade de literatura que poderia ocupar uma biblioteca. O Holocausto é avidamente pesquisado na América e em outros continentes por homens e mulheres altamente competentes que fazem novas perguntas e exploram novas fontes disponíveis. Por que, então, deveria eu dar sequência a minha própria obra, que comecei mais de cinquenta anos atrás, depois da publicação de uma primeira edição em 1961 e de uma segunda em 1985? Afinal é preciso parar em algum ponto, se por nenhuma outra razão, ao menos pelo cansaço. 


+Saiba mais sobre a obra citada acima por meio da Amazon:

A Destruição dos Judeus Europeus, de Raul Hilberg (2016) - https://amzn.to/3i0hjQE

Vale lembrar que os preços e a quantidade disponível dos produtos condizem com os da data da publicação deste post. Além disso, a Aventuras na História pode ganhar uma parcela das vendas ou outro tipo de compensação pelos links nesta página.

Aproveite Frete GRÁTIS, rápido e ilimitado com Amazon Prime: https://amzn.to/2w5nJJp

Amazon Music Unlimited – Experimente 30 dias grátis: https://amzn.to/2yiDA7W


++Saiba mais sobre outras obras relacionadas ao tema disponíveis na Amazon:

Eichmann em Jerusalém, de Hannah Arendt (1999) - https://amzn.to/3hZduvd

Origens do totalitarismo, de Hannah Arendt (2013) - https://amzn.to/2WhIXQX

A Lebre da Patagônia, de Claude Lanzmann (2011) - https://amzn.to/3ryLtxJ

A história dos judeus, de Simon Schama (2015) - https://amzn.to/2Tz2WJV

Judeus No Brasil, de Anat Falbel, Avraham Milgram e Fabio Koifman (2021) - https://amzn.to/3iLZBzw

Vale lembrar que os preços e a quantidade disponível dos produtos condizem com os da data da publicação deste post. Além disso, a Aventuras na História pode ganhar uma parcela das vendas ou outro tipo de compensação pelos links nesta página.

Aproveite Frete GRÁTIS, rápido e ilimitado com Amazon Prime: https://amzn.to/2w5nJJp

Amazon Music Unlimited – Experimente 30 dias grátis: https://amzn.to/2yiDA7W