Curiosidades » Egito Antigo

Dissecação, desidratação e enfaixamento: 5 curiosidades sobre a mumificação no Egito Antigo

Os antigos seguiam etapas precisas para que o corpo de pessoas importantes da civilização fossem preservados para a vida após a morte

Isabela Barreiros, sob supervisão de Alana Sousa Publicado em 11/03/2021, às 16h30 - Atualizado às 22h57

Múmia de Seqenenre Tao II
Múmia de Seqenenre Tao II - Divulgação/Facebook/Ministério de Antiguidades do Egito

O Egito Antigo é conhecido por suas pirâmides, faraós, riqueza e, principalmente, por suas múmias. As mais importantes pessoas do período histórico, ao morrerem, passavam por um processo que transformava seus corpos em algo que duraria por muitos anos.

O processo da mumificação é estudado até os dias de hoje, envolvendo etapas feitas com precisão para manter o cadáver quase intacto para a vida após a morte do nobre ou faraó. Mais do que um procedimento, o embalsamamento também serve para entender a cultura da civilização.

A Aventuras na História separou 5 curiosidades sobre a mumificação no Egito Antigo. Confira!

1. Após a morte

Quando um faraó ou pessoa importante do Egito Antigo morria, estava claro que seus corpos passariam pelo processo de mumificação, afinal, eles deveriam ser levados para a vida após a morte. Logo após o óbito, o cadáver era levado para a margem oeste do rio Nilo, que continha tendas ao ar livre.

O lugar era conhecido como “Ibu”, o que significa “local de purificação” e já ficava perto de cemitérios antigos. Com o corpo já no local, sacerdotes eram responsáveis por começar a preparação do cadáver para a mumificação.


2. Preparação do corpo

O sacerdote Ut começaria o processo do embalsamamento lavando o corpo com vinho de palma e água do rio Nilo, iniciando a preparação. Depois disso, os órgãos seriam retirados do cadáver por meio de um corte do lado esquerdo do abdômen do indivíduo. Na maioria das vezes, o coração permanecia.

O cérebro, por exemplo, era retirado pelas narinas. Muitos dos órgãos, como pulmões, intestinos, estômago e fígado, seriam guardados, depositados em recipientes especiais para esse tipo de ritual funerário. Mas o restante seria descartado logo no começo da prática, jogados no rio que acompanhava todo o processo.


3. Outros locais de mumificação

O egiptólogo Ramadan Hussein (à esquerda) e a especialista em múmias Salima Ikram examinam um sarcófago de calcário em Sacará / Crédito: Divulgação/Ministério do Turismo e Antiguidades do Egito

 

Embora esses tenham sido os locais mais comuns para a realização do processo de mumificação, eles não eram os únicos. Em 2018, uma equipe de arqueólogos descobriu uma sala funerária especializada em embalsamamento na necrópole de Sacará, localizada no sul do Cairo.

Diferentemente dos sacerdotes que desenvolviam isso nas margens do rio Nilo, nesse caso, o procedimento acontecia no subsolo, que contava com áreas específicas para cada etapa da mumificação. Por exemplo, existiam áreas relacionadas apenas à remoção de órgãos, enquanto outra servia para a preparação para o enterro.


4. Desidratação e aplicação de óleos

Para que o corpo pudesse ser enfaixado para “sobreviver” no futuro, ele deveria passar por um processo de desidratação. Depois de ser lavado e estar livre dos órgãos vitais, o cadáver era preenchido por sal, mais especificamente natrão, que era muito comum no Egito na época.

O corpo ficaria 40 dias envolvido com sal para que a desidratação fosse total. Depois disso, ele era novamente lavado e o sacerdote, então, aplicava substâncias aromáticas e óleos que tinham como intuito aumentar a elasticidade da pele. A próxima etapa era preencher o cadáver com serragem e plantas secas para que ele não ficasse deformado.


5. Embalsamento

Processo de mumificação / Crédito: Divulgação/Luiz Iria

 

A etapa final era envolver o corpo com até 20 camadas de tiras de linho engomado, que seriam enroladas a partir da cabeça do indivíduo, continuando pelas mãos e seguindo até os pés. Essas bandagens eram mantidas firmes por meio da aplicação de uma resina líquida.

Com o corpo enfaixado, já transformado em múmia, ele seria dado à família e, então, enterrado. Dependendo do status social do indivíduo, era sepultado com inúmeros objetos funerários valiosos, que o ajudariam no seu caminho para a vida após a morte, como vasos, máscaras, colares, entre outros.


+Saiba mais sobre o tema através das obras disponíveis na Amazon

Arqueologia, Pedro Paulo Funari (2003) - https://amzn.to/2t9EZeX

Mistérios da arqueologia e da história: Um guia para o lado oculto da ciência, Preston Peet (2015) - https://amzn.to/2QKRqX 

Uma breve história da arqueologia, Brian Fagan (2019) - https://amzn.to/2tLZFcY

Descobrindo a arqueologia: o que os mortos podem nos contar sobre a vida?, Alecsandra Fernandes (2014) - https://amzn.to/3b378FC

Vale lembrar que os preços e a quantidade disponível dos produtos condizem com os da data da publicação deste post. Além disso, a Aventuras na História pode ganhar uma parcela das vendas ou outro tipo de compensação pelos links nesta página.

Aproveite Frete GRÁTIS, rápido e ilimitado com Amazon Prime: https://amzn.to/2w5nJJp

Amazon Music Unlimited – Experimente 30 dias grátis: https://amzn.to/2yiDA7W