Curiosidades » Idade Média

Do fechamento de fronteiras ao isolamento: a quarentena na Idade Média

Para preservar a saúde e também a economia, a cidade de Ragusa, por exemplo, encontrou uma medida curiosa

Alexandre Carvalho Publicado em 12/07/2020, às 08h00

Os rastros da Peste Negra
Os rastros da Peste Negra - Wikimedia Commons

Algumas cidades-estados medievais começaram a fazer o que o mundo está fazendo agora, aqui no século 21: fecharam suas fronteiras. Entenderam que era mais fácil controlar o contágio isolando os doentes locais e impedindo que infectados de outras regiões adentrassem seus territórios.

Mas então outra questão atual, destes nossos tempos de coronavírus, logo se impôs: e a economia? Como manter o comércio vivo sem os produtos que chegavam de outros países – e sem poder vender para eles? É neste ponto da história que precisamos falar de Game of Thrones.

Graças à sua posição estratégica, no alto do Mar Adriático, como uma porta litorânea para a Europa continental, Veneza – que na época era um Estado soberano, a “Sereníssima República de Veneza” – lucrava muito com o comércio entre Ocidente e Oriente. Fechar-se aos navios estrangeiros, por motivos sanitários, era um péssimo negócio para os venezianos.

Por outro lado, ninguém queria morrer de peste. E aí? A economia ou a saúde? Para preservar as duas, algumas cidades viram uma solução no confinamento temporário dos comerciantes. Sim, um tipo de quarentena. Mas que ainda não era “quarentena” porque, de início, durava 30 dias: era a “trintena”.

Essa política começou numa parte da atual Croácia, que na época integrava a República de Veneza. A cidade de Ragusa estabeleceu uma lei, em 1377, que obrigava todos os tripulantes de barcos que chegavam à região, provenientes de áreas infectadas, a se submeter a um isolamento de 30 dias – que seria passado em instalações apropriadas numa ilha próxima.

Eram os lazaretos, nome que também vem da Bíblia, do Lázaro, ressuscitado por Jesus. Esse confinamento de um mês seria o bastante para ver quem estava saudável ou doente entre os comerciantes – até porque os infectados costumavam morrer rápido.

Enquanto o resto de Veneza mantinha suas fronteiras fechadas, Ragusa foi o primeiro porto mediterrâneo a implantar esse período de segurança, que lhe permitia manter a economia funcionando sem colocar a saúde de seu povo em risco.

Para os comerciantes estrangeiros, era melhor aceitar o transtorno do confinamento temporário que perder um negócio lucrativo. Logo a medida seria adotada em outros locais e ficaria mais rígida, quando o Senado veneziano estendeu o período de isolamento para 40 dias – finalmente, a quarentena propriamente dita.

Não há registros que expliquem o porquê da mudança, mas historiadores cogitam dois motivos. O primeiro é de ordem religiosa. Quarenta é um número com forte representação na tradição judaico-cristã.

“Na Bíblia, períodos simbólicos de transformação são de 40 dias”, explica Áureo Lustosa Guérios, doutorando em humanidades médicas pela Universidade de Padova, na Itália, e que promove um curso sobre o tema no Brasil.

“O dilúvio dura 40 dias, os judeus viajam por 40 anos do Egito para a Terra Prometida, Moisés fica 40 dias no Monte Sinai para falar com Deus, Jesus faz jejum no deserto por 40 dias.”

O segundo possível motivo tem a ver, de novo, com o conhecimento empírico. Pela
contínua observação dos múltiplos casos de gente doente, as autoridades chegaram à constatação de que, da data da infecção até o fim da doença entre os pacientes que não morriam, passavam-se 37 dias.

Tá, mas o que Game of Thrones tem a ver com o surgimento da quarentena? É que Ragusa, onde a lei surgiu, hoje se chama Dubrovnik. A cidade foi a principal locação da série da HBO nas cenas passadas em King’s Landing (Porto Real), justamente onde ficaria o cobiçado Trono de Ferro de que fala o título do programa.


++Saiba mais sobre a Peste Negra através de grandes obras disponíveis para compra na Amazon

1348 - A Peste Negra, de José Martino ( 2000) - https://amzn.to/2QekhTl

Epidemias No Brasil, Rodolpho Telarolli Junior (2003)  - https://amzn.to/2SktKdE

Epidemias no Brasil. Uma Abordagem Biológica e Social, Rodolpho Telarolli Junior (2013) - https://amzn.to/2PQHuLJ

HIV: Os 35 anos do boom da epidemia e a comunidade gay masculina, Fábio Germano de Oliveira (e-book) - https://amzn.to/34Om85L

Vale lembrar que os preços e a quantidade disponível dos produtos condizem com os da data da publicação deste post. Além disso, a Aventuras na História pode ganhar uma parcela das vendas ou outro tipo de compensação pelos links nesta página.

Aproveite Frete GRÁTIS, rápido e ilimitado com Amazon Prime: https://amzn.to/2w5nJJp

Amazon Music Unlimited – Experimente 30 dias grátis: https://amzn.to/3b6Kk7du