Curiosidades » Brasil

Do mar de sangue ao número de mortos: O Massacre do Carandiru em 5 fatos chocantes

Em 2 de outubro de 1992, a chacina entrou para a História como a mais brutal carnificina já vista no Brasil

Isabela Barreiros Publicado em 22/03/2020, às 09h00

O Carandiru visto de fora
O Carandiru visto de fora - Wikimedia Commons

1. Número de mortos

No dia 2 de outubro de 1992, o Massacre do Carandiru registrava-se na história como a maior chacina já vista em território brasileiro. Uma ação da Polícia Militar após uma rebelião que acontecia na Casa de Detenção foi a responsável por tal tragédia.

Acredita que que pelo menos 111 detentos foram assassinados por policiais naquele dia. As condições desumanas em que os eles vivam dentro da prisão culminaram no terrível massacre — rebeliões, estupros, extorsões, mortes, agressões e fugas de sucesso marcaram a história do Carandiru. Estima-se ainda que este episódio tenha feito mais vítimas do que as autoridades divulgaram.


2. Relato de sobrevivente

Manifestação em memória das vítimas do Massacre do Carandiru / Crédito: Wikimedia Commons

 

"Foi uma carnificina aquele dia, eu comparo o que aconteceu com Auschwitz, Camboja e outras tragédias que eu via só em filme ou livro”, afirmou o ex-detento Sidney Sales, que tinha 24 anos quando a chacina aconteceu, em entrevista ao El País.

“Da forma como fomos surpreendidos pela tropa, qualquer um entrava em pânico. Um helicóptero da polícia deu um rasante atirando sem dó, aí desistimos e voltamos pra dentro. Não tenho mais pesadelos, mas traz uma revolta lembrar disso tudo né? Quem sobreviveu fica revoltado”, confessou o sobrevivente. “Eu sou desacreditado do Estado até hoje”, conclui.


3. Além de assassinatos, tortura

Muitos dos presos foram mortos de maneira instantânea, com tiros certeiros. Mas outros tiveram que lidar com agressões por com cassetetes e coronhadas vindas dos policiais que adentraram a prisão com a intenção de matar.

O único elevador do Carandiru, localizado no pavilhão, também se tornou instrumento de assassinato para os agentes do Estado. De acordo com Sales, “os policiais abriram as portas, e de cada 10 presos que passavam eles empurravam dois ou três no fosso. Imagina, uma queda de cinco andares”.


4. Ajuda dos próprios detentos

Crédito: Divulgação

 

Alguns dos detentos, depois da chacina, ainda tiveram que ajudar os policiais a coletarem os corpos dos mortos. Eles tiveram de carregar pessoas mortas, algumas ainda sofrendo devido aos ferimentos e outras claramente vivas para o pátio, onde seriam levados por carros do Instituto Médico Legal.

O depoimento do sobrevivente Sidney Sales também ajuda a entender mais sobre isso. “Um preso pegava os braços e outro as pernas. Carreguei uns 25 corpos. Descíamos eles dos andares e amontoávamos no pátio. A gente tentava ignorar esses gritos dos que ainda viviam. Colocávamos presos mortos em cima deles pra ver se paravam de gemer”, lembra.


5. Proliferação de doenças

O massacre, além de causar a o assassinato de ao menos 111 detentos, também foi responsável por proliferar doenças que já eram causa de muitas mortes dentro do local. O derramamento de sangue intensificou essa disseminação.

Com as execuções, muito sangue foi espalhado pelo chão do Carandiru. O vírus da aids, o HIV, era muito comum entre os presos, e, com o líquido vermelho sendo derramado pelo local, muitos o adquiriram com facilidade.


+ Saiba mais sobre o Massacre do Carandiru por meio das obras disponíveis na Amazon:

História de Um Massacre: Casa de Detenção de São Paulo, de Lavenére Machado Marcello e Benedicto de Azevedo Marques João (2017) - https://amzn.to/3aEvDI5

Estação Carandiru, de Drauzio Varella (2005) - https://amzn.to/38ygO8r

Prisioneiras, de Drauzio Varella (2017) - https://amzn.to/2TRcMmw

Carcereiros, de Drauzio Varella (2012) - https://amzn.to/39NvqCg

Carandiru: Inferno ou paraíso?, de Luc Ramos - https://amzn.to/2Tydc2a