Einstein abandonou sua primeira filha

Por medo de um escândalo, cientista nem chegou a conhecê-la

Redação AH Publicado em 09/05/2017, às 10h37 - Atualizado em 23/10/2017, às 16h35

Estátua de cera de Albert Einstein.
Estátua de cera de Albert Einstein. - Shutter Stock

 

VERDADE INCONVENIENTE

 

O jovem casal passeava pela romântica região do lago de Como, no norte da Itália, durante as férias. Quando cada um voltou para sua casa, ela estava grávida. O rapaz enfrentava dois grandes dilemas. Sua família era contra o namoro. E estava prestes a, finalmente, conseguir um bom emprego no escritório de patentes em Berna, Suíça. Na sociedade da época, ele simplesmente não poderia aparecer ao lado de uma grávida, quanto mais viver com ela. A garota, uma esforçada estudante de física, buscou o socorro com os pais, na Sérvia. O rapaz escondeu o fato da família e conseguiu o emprego. Anos depois, Albert Einstein e Mileva Maric se casaram. 

Mas o destino de Lieserl, nascida no começo de 1902, se transformou no maior mistério da biografia do físico. As informações sobre a menina estavam em um pequeno lote de correspondência trocada entre Einstein e Mileva, que permaneceu escondido e só veio a público em 1986, quando John Stachel, do Einstein Papers Project, encontrou 400 cartas familiares em um cofre de banco na Califórnia, entre documentos do filho do físico, Hans Albert. A primeira mulher de Hans achou o pacote no apartamento que Mileva manteve em Zurique até morrer, em 1948.

Einstein estava apaixonado pela namorada e falava sobre a criança - uma de suas recomendações era que ela não mamasse leite de vaca, "pois isso poderá torná-la estúpida". Na carta em que cita o nascimento, pergunta como era a menina, se era careca e com quem se parecia. "Eu a amo tanto, e nem a conheço ainda." Nunca chegou a conhecê-la. Segundo Walter Isaacson, autor de Einstein, Sua Vida, Seu Universo, só existe uma pista, na correspondência dos dois, sobre o destino de Lieserl. "Há uma indicação cifrada de que a responsável pela custódia tenha sido uma amiga íntima de Mileva, Helene Savic", registra Isaacson.

Outra pista sobre o destino de Lieserl, é citada por Michele Zackheim na obra 'Lieserl, Einstein´s Daugther'. No livro, a autora afirma que a criança foi criada pela família da mãe e morreu por escarlatina em setembro de 1903. Robert Schulmann, também do Einstein Papers Project, cita que Lieserl realmente foi adotada por Helene Savic, amiga íntima de Mileva, e criou a menina com o nome de Zorka. A criança era cega desde a infância e morreu ainda na década de 1900.

Três anos depois, Einstein publicou quatro artigos que revolucionaram a Física (o mais célebre deles sobre a Teoria Especial da Relatividade). Ele e e Mileva se casaram em 6 de janeiro de 1903 e tiveram mais dois filhos, Hans Albert e Eduard, até que o casamento acabou, em 1914. Na discussão sobre o divórcio, 

Einstein prometeu a Mileva que, caso ganhasse o Prêmio Nobel, ela ficaria com o dinheiro. Como de fato ficou. Mas teve de ser paciente. Einstein só recebeu o prêmio em 1921, por um dos artigos publicados em 1905. Não ganhou por sua Teoria Especial da Relatividade, mas pela lei do efeito fotoelétrico. A relatividade ainda era controversa, não aceita por muitos cientistas.