Curiosidades » Curiosidades

Entenda a diferença entre hijab, niqab e burca

Mulheres muçulmanas adeptas ao hijab ou niqab ainda sofrem diversos ataques intolerantes

Giovanna de Matteo Publicado em 18/10/2020, às 15h46

Os diferentes véus islâmicos
Os diferentes véus islâmicos - Divulgação

O uso do véu e de roupas que podem cobrir partes específicas do corpo é um mandamento determinado no livro sagrado Alcorão, para todas as mulçumanas, e serve, portanto, para identificação social do grupo religioso. No entanto, sobre as mulheres que usam, recai toda a moralidade islâmica. Mas você sabia que existem diferentes tipos deles?

É comum que as pessoas confundam vestimentas religiosas das mulheres muçulmanas, afinal, cada cultura determinou diferentes concepções para o cobrimento do corpo.  O cobrimento do corpo não é uma obrigação religiosa, mas sim um mandamento passado através do Alcorão.

Mulheres muçulmanas adeptas ao hijab ou niqab vêm sofrendo diversos ataques preconceituosos e intolerantes, quando o uso de suas vestimentas são desmoralizadas e vistas como opressoras, principalmente no Ocidente.

No entanto, elas garantem: isso é um compromisso delas com Alá e uma escolha pessoal de cada uma. Hoje em dia, o hijab ganha visibilidade entre diversos movimentos feministas, representando o empoderamento de mulheres muçulmanas que querem seguir sua fé sem ser alvo de comentários negativos.

Pensando nisso, confira abaixo os significados de cada uma dessas vestimentas e o uso atual.

1. Hijab 

O hijab é a vestimenta majoritária das mulheres muçulmanas ao redor do mundo. Em praticamente todos os países você encontrará uma seguidora do islã usando esse tipo. 

Ele consiste basicamente em um véu que se coloca ao redor da cabeça, cobrindo orelhas, pescoço, e o cabelo, e pode ser enrolado da forma que a mulher preferir.

Crédito: Pixabay

 

Junto ao hijab, elas costumam usar roupas que escondem toda parte do corpo, excluindo o rosto, as mãos e pulsos, e pés. Além disso, não há regras, podendo usar roupas de todos os tipos, como calças, saias, vestidos e blusas de manga comprida.

2. Niqab

Crédito: Pixabay

 

Já o niqab também é um véu, entretanto, seu uso é feito de uma forma diferente, cobrindo além das partes convencionais, e deixando apenas os olhos à mostra. Costuma ser usado com outra vestimenta de corpo inteiro, quase como um pano que fica sobre a roupa de baixo. Para os homens também existem regras: roupas que escondam o joelho, ombros e umbigo, além do uso de um turbante. 

Atualmente, o hijab (citado no tópico anterior) só é obrigatório por lei na Arábia Saudita e na República Islâmica do Irã. O Irã, no entanto, se adapta melhor ao uso do niqab, pois durante a revolução islâmica era de uso obrigatório. Já na Arábia Saudita, a lei existe no papel, todavia, mulheres que decidirem não usar não são punidas de nenhuma forma, desde que estejam vestidas modestamente.

Em outros países que seguem essa religião, ao menos que você esteja em uma mesquita, não há leis a respeito do uso, embora em alguns lugares ele venha acompanhado de um senso comum cultural passado pelos povos durantes milhares de anos e, portanto, o uso é generalizado entre a população, e muito bem visto por eles quando turistas seguem as normas meramente sociais de vestimenta.

3. Burca

Mulher usa burca no Afeganistão / Wikimedia Commons

 

A burca é uma vestimenta específica, que cobre todo o corpo, desde a cabeça até os pés, tendo uma tela entre os olhos para permitir a visão, mas ainda sim escondê-la. Essa veste é muito particular: ela é o símbolo do regime Talibã.

Durante a revolução do Talibã no Afeganistão, ela era de uso obrigatório. Hoje em dia não é mais, mas ainda continua sendo usada pelas mulheres nessa região, e também no Paquistão, principalmente em territórios da etnia pachto.

O uso da burca já foi proibido totalmente na França, e em lugares públicos na Bélgica, Bulgária, Itália, Áustria e Holanda. Recentemente a Dinamarca também proibiu. 

A República dos Camarões e o Sri Lanka também baniu a burca após alguns atentados extremistas serem executados por mulheres que usavam a vestimenta. E em 2016, o próprio Estado Islâmico proibiu a burca e o niqab nos centros de segurança e militares.

Veja abaixo mulheres que usam o hijab e niqab.

 
 
 
 
 
Ver essa foto no Instagram
 
 
 
 
 
 
 
 
 

UMA ROUPA PROBLEMÁTICA Qual a sua primeira impressão ao me ver com niqab? Certamente é a mesma que eu tive ao ver uma mulher cobrindo o rosto pela primeira vez. O ano era 2010, e eu estava na Nova Zelândia. Era meu primeiro ano jejuando e fui participar da oração noturna chamada Taraweh que acontece durante o mês do Ramadan. Assim que entrei no salão, uma moça toda coberta me chamou atenção. Fiquei bem surpresa em vê-la daquela forma, mostrando apenas os olhos! E pra ser sincera isso me causou um certo medo também, afinal de contas era algo diferente. Demorou muito até eu me acostumar a ver mulheres vestidas assim, mas com o tempo fui aprendendo que por trás dessas roupas pretas, que podem ser intimidadoras para muitos, existem pessoas normais: são filhas, irmãs, mães, tias, avós. Então, não! Hoje em dia eu não considero o niqab sinônimo de opressão ou de que seja triste alguém se vestir dessa forma. Na Arábia Saudita o niqab tem todo aquele contexto cultural/religioso que faz com que muitas mulheres o usem. Mas claro que sempre vai haver aquelas mulheres que são forçadas pela família a usarem. Imposições familiares no modo de vida dos filhos para se adequarem ao que consideram correto não é novidade nem pra nós que somos brasileiros, não é? Pois é! E aí está o grande problema! É triste ver uma mulher usando qualquer tipo de vestimenta sem que ela queira. Me diga: você se veste como quer ou acha que há algum fator familiar ou social que te influencie a isso? #arabiasaudita#saudi#saudiarabia#السعودية#مكة#tourism#orientemedio#middleeast#viagem#visitsaudi

Uma publicação compartilhada por Iris • Vida nas Arabias (@vidanasarabias) em

 

 
 
 
 
 
Ver essa foto no Instagram
 
 
 
 
 
 
 
 
 

Fui questionada uns dias atrás sobre o porquê eu romantizo tanto o hijab, já que as pessoas não viam nele nada de bonito além de compulsoriedade, opressão e dominação masculina. Fiquei reflexiva naquele momento e pensei o quão forte é a visão do ocidente em cima das mulheres muçulmanas que decidem usar o véu. Numa ótica ocidental o se cobrir é um ato de aprisionamento da liberdade e a autonomia é sempre subestimada. . Infelizmente, a construção da liberdade da mulher está na roupa que ela veste e não na decisão dela do que vestir de acordo com sua própria vontade. . O hijab é uma escolha unicamente da mulher, é sobre a relação dela com Deus e cumprimento das práticas religiosas, é totalmente espiritual e não tem nada a ver com homem. Não estou falando que é assim para todas as muçulmanas, assumo meu lugar de privilégio porque eu pude escolher usar, mas que essa minha escolha me tira tantos direitos (mas isso é assunto para outro post). Ao contrário daqui existem lugares que há a cultura da obrigatoriedade do véu, assim como também existe a cultura do apagamento da mulher em países principalmente do ocidente, isso se dá por conta de um sistema social que somos inseridas, mas dizer que todas muçulmanas são aprisionadas pelo véu, é anular todas as outras que decidiram usar. . Bom, depois de refletir por alguns minutos conclui que sim o hijab não teria outro nome a não ser romântico pra mim porque ele é uma decisão minha e que me liberta de todas as expectativas que a sociedade coloca em cima de mim enquanto mulher, sobre o corpo que eu deveria apresentar e/ou a roupa que eu deveria seguir. Além disso ele me contempla em vários pontos da minha vida, que de todos o mais belo é a expressão externa da minha relação interior com Allah (swt). . E pra você o que é romântico e te liberta? #hijabmeliberta #corpolivre #muçulmana #hijabi

Uma publicação compartilhada por Fabiola Oliveira (@fabiolaoliver) em


+Saiba mais sobre o islamismo através de grandes obras disponíveis na Amazon:

Islamismo: história e doutrina, de Jacques Jomier (2001) - https://amzn.to/2Iq7d9b

Entenda o Islã, de Christine Schirrmacher (2017) - https://amzn.to/2Tu1O7x

Islão: Passado, Presente e Futuro, de Hans Kung (2017) - https://amzn.to/2VR6PZe

As Cem estações da Alma segundo o Sufismo, de Abdullah Ansari de Herat (2019) - https://amzn.to/38td3Bl

O Corão, edição de bolso (2010) - https://amzn.to/2Is87Ci

Vale lembrar que os preços e a quantidade disponível dos produtos condizem com os da data da publicação deste post. Além disso, assinantes Amazon Prime recebem os produtos com mais rapidez e frete grátis, e a revista Aventuras na História pode ganhar uma parcela das vendas ou outro tipo de compensação pelos links nesta página.

Aproveite Frete GRÁTIS, rápido e ilimitado com Amazon Prime: https://amzn.to/2w5nJJp 

Amazon Music Unlimited – Experimente 30 dias grátis: https://amzn.to/2yiDA7W