Curiosidades » Arqueologia

Esqueleto de Naia: uma das mais impressionantes descobertas arqueológicas da América

Encontrados em 2014, os restos mortais de uma mulher sugerem novos registros sobre a onda migratória no continente americano

Victória Gearini Publicado em 17/12/2020, às 08h42

Esqueleto de Naia, descoberto em 2014
Esqueleto de Naia, descoberto em 2014 - Divulgação / Paul Nicklen / National Geographic

Em 2014, arqueólogos encontraram o esqueleto de uma mulher, datado entre 13 e 12 mil anos atrás. A descoberta foi feita na Península de Yucatán, ao leste do México. Apelidado de Naia, o corpo é um dos mais antigos e completos já encontrados na América. 

A descoberta

Liderado por James Chatters, o estudo da descoberta foi divulgado na revista Science em 2014. A pesquisa revelou que o esqueleto humano tinha uma altura inferior a 1,5 m e acredita-se que a mulher morreu com aproximadamente 15 anos de idade.

Os restos foram localizados num sistema de cavernas, dentro de uma fossa chamada Hoyo Negro e que está localizada a mais de 40 metros abaixo do nível do mar. Além disso, os pesquisadores encontraram ossadas de vários animais que já foram extintos, entre eles os dentes-de-sabre e os mastodontes.

Esqueleto de Naia em caverna / Crédito: Divulgação / Paul Nicklen / National Geographic

 

De acordo com o estudo, a jovem teria morrido após cair no local: encontraram fraturas nos ossos da pelve, que foram adquiridas antes do óbito. Com traços africanos e aborígines australianos — característicos dos paleoamericanos — o esqueleto de Naia pode mudar alguns estudos existentes sobre os primeiros habitantes da América e os ameríndios.

Estudos 

No entanto, por meio dos estudos, os pesquisadores identificaram dados de DNA mitocondrial extraídos dos dentes sisos do cadáver. Tal fato revelou parentesco com os indígenas modernos. Para Chatters, essa descoberta sugere que toda a população nativa da América teria sido originada a partir de uma única onda migratória.

Originado na Sibéria, o DNA de Naia engloba o haplogrupo D1, que pode ser identificado em torno de 10% dos ameríndios. Tal fato mostra que um paleoamericano, com ancestrais siberianos, demonstra ligações genéticas com ameríndios. Uma novidade realmente impressionante.

Mergulhadores segurando o Esqueleto de Naia / Crédito: Divulgação / Paul Nicklen / National Geographic

 

O trabalho de James Chatters, sugere, ainda, que as primeiras pessoas chegaram ao continente americano por meio do Estreito de Bering. Para os autores da tese, às diferenças morfológicas entre ameríndios e paleoamericanos são explicadas pela seleção natural, portanto, a América teria sido povoada por uma única onda de migração.

No entanto, esta nova teoria, confronta outra aceita por vários especialistas há anos. Para a comunidade arqueológica e científica que não aceita a tese, os nativos americanos seriam descendentes de pessoas que migraram de vários territórios e não somente da Sibéria.

Em geral, os estudiosos não chegaram a um consenso sobre o tema levantado a partir da descoberta do esqueleto de Naia. Por outro lado, o trabalho que pode ser encontrado na revista Science, é considerado por muitos, a peça essencial que faltava para compreender a relação ancestral.


+Saiba mais sobre arqueologia por meio de grandes obras disponíveis na Amazon:

Arqueologia, de Pedro Paulo Funari (2003) - https://amzn.to/36N44tI

Uma breve história da arqueologia, de Brian Fagan (2019) - https://amzn.to/2GHGaWg

Descobrindo a arqueologia: o que os mortos podem nos contar sobre a vida?, de Alecsandra Fernandes (2014) - https://amzn.to/36QkWjD

Manual de Arqueologia Pré-histórica, de Nuno Ferreira Bicho (2011) - https://amzn.to/2S58oPL

História do Pensamento Arqueológico, de Bruce G. Trigger (2011) - https://amzn.to/34tKEeb

Vale lembrar que os preços e a quantidade disponível dos produtos condizem com os da data da publicação deste post. Além disso, a Aventuras na História pode ganhar uma parcela das vendas ou outro tipo de compensação pelos links nesta página.

Aproveite Frete GRÁTIS, rápido e ilimitado com Amazon Prime: https://amzn.to/2w5nJJp 

Amazon Music Unlimited – Experimente 30 dias grátis: https://amzn.to/2yiDA7W