Curiosidades » Personagem

Executada pela própria prima: os trágicos e solidários dias finais de Maria da Escócia

Em meados de 1587, a ex-monarca foi julgada e condenada por conspirar contra a imponente Elizabeth I, Rainha da Inglaterra

Pamela Malva Publicado em 05/07/2020, às 17h00

Retrato de Maria I da Escócia
Retrato de Maria I da Escócia - Wikimedia Commons

Quando tinha apenas 6 anos de idade, Maria Stuart foi coroada como a Rainha da Escócia. Com uma monarca jovem demais para tomar decisões, no entanto, o país foi governado por outros nobres, até que a menina pudesse tomar as rédeas do trono.

Aos 18 anos, já apta para o cargo de regência, Maria foi prometida ao herdeiro do rei francês, como parte de uma aliança política. Um ano mais tarde, com a morte do jovem nobre, a rainha escocesa voltou para casa e reinou sozinha por um breve período.

Forçada a abdicar do poder, contudo, Maria procurou refúgio na Inglaterra, onde foi recebida pela prima poderosa, Elizabeth I, em 1568. Foi sob os cuidados questionáveis da rainha britânica que Maria passou seus últimos e amargos dias.

Maria, rainha da Escócia / Crédito: Getty Images

 

Recém-chegada

Logo que colocou seus pés na corte de Elizabeth I, a ex-monarca escocesa deixou de ser tratada como uma convidada de elite. Entre as paredes geladas do palácio inglês, então, ela passou a viver como uma prisioneira.

Tudo piorou quando a Conspiração de Ridolfi foi descoberta, em 1571. Na época, com a ajuda de tropas espanholas, um grupo de traidores planejava derrubar Elizabeth I do trono da Inglaterra e instaurar Maria em seu lugar.

A antiga rainha da Escócia, é claro, foi considerada culpada pela traição. Assim, Maria foi presa e levada até o Palácio de Tixall, para esperar por seu julgamento, em 11 de agosto de 1586. Se a vida da nobre já estava complicada antes, ela iria piorar.

Maria I, rainha da Escócia e da França / Crédito: Wikimedia Commons

 

Planos frustrados

Logo depois que Maria foi capturada e seus aposentos ficaram vazios, diversos documentos foram encontrados por agentes de Elizabeth I. Entre eles, cartas escritas a próprio punho deixavam clara uma tentativa de assassinato contra a rainha britânica.

Em outubro, o parlamento da Inglaterra, formado por 36 homens, se reuniu em um grande salão do Castelo de Fotheringhay, a fim de decidir o destino da nobre traidora. Posta de frente para o júri, Maria negou todas as acusações.

Nenhuma de suas falas ou pedidos, no entanto, surtiu efeito e a antiga herdeira do trono escocês foi condenada pela conspiração. Em 25 de outubro, sua sentença foi declarada: nada mais, nada menos do que a morte.

Retrato de Elizabeth I, por Marcus Gheeraerts / Crédito: Getty Images

 

Laços de família

Assim que soube a decisão do parlamento, Elizabeth I relutou em ordenar a execução da prima. A monarca temia que a sentença gerasse consequências enormes, como uma união entre a Escócia e potências católicas que pudessem invadir a Inglaterra.

Sob pressão dos membros da nobreza, no entanto, a rainha acabou assinando o mandato de morte da própria prima, em 1 de fevereiro de 1587. Uma semana mais tarde, em sua prisão, Maria soube que seria executada.

A ex-monarca escocesa passou toda a noite do dia 7 de fevereiro rezando e distribuindo seus poucos pertences entre a criadagem. Antes de dormir, escreveu seu testamento, junto de uma carta, que deveria ser entregue ao Rei da França.

Ilustração da execução de Maria da Escócia  / Crédito: Wikimedia Commons

 

O alto de um palanque

Na manhã do dia 8 de fevereiro de 1587, um cadafalso foi erguido em um dos enormes salões do palácio britânico. Bem ao centro, um bloco de execução foi acompanhado por uma almofada — onde Maria se ajoelharia — e banquinhos para as testemunhas.

A multidão logo preencheu a sala para assistir aos últimos momentos da escocesa e, na frente de todos, Maria foi obrigada a ficar apenas de roupas íntimas. Já sobre a almofada, teve seus olhos vendados por uma de suas damas de companhia e concedeu perdão aos carrascos, que se ajoelharam diante dela.

Foram dois golpes na cabeça até que o carrasco finalmente conseguisse decapitar Maria, na terceira machadada. Para suas últimas palavras neste mundo, a monarca escolheu dizer: "Em tuas mãos, ó Senhor, entrego meu espírito".


+Saiba mais sobre o tema através das obras abaixo, disponíveis na Amazon:

Intrigas da corte: O jogo de poder e traição de duas irmãs na corte Tudor, de Elizabeth Fremantle - https://amzn.to/2EnzkEc

Maria Stuart, de Stefan Zweig - https://amzn.to/34nQVX6

Elizabeth I: Uma biografia, de Lisa Hilton - https://amzn.to/38N7eAe

Maria Stuart: A Biografia, de Edições LeBooks - https://amzn.to/2YRv49c

Elizabeth I - O Anoitecer de um Reinado, de Margaret George - https://amzn.to/38LJgoD

Vale lembrar que os preços e a quantidade disponível dos produtos condizem com os da data da publicação deste post. Além disso, a Aventuras na História pode ganhar uma parcela das vendas ou outro tipo de compensação pelos links nesta página.

Aproveite Frete GRÁTIS, rápido e ilimitado com Amazon Prime: https://amzn.to/2w5nJJp

Amazon Music Unlimited – Experimente 30 dias grátis: https://amzn.to/2yiDA7W