Curiosidades » Esportes

Duas vencedoras: a história volta olímpica de Elana Meyer e Derartu Tulu nas Olimpíadas de 1992

A prova ficou marcada na História esportiva e mostrou a solidariedade das competidoras

Redação Publicado em 04/12/2018, às 14h00 - Atualizado em 23/07/2021, às 07h00

Derartu Tulu e Elana Meyer durante corridas nas Olimpíadas de 1992
Derartu Tulu e Elana Meyer durante corridas nas Olimpíadas de 1992 - Getty Images

Últimos segundos da prova feminina de atletismo dos 10 mil metros das Olimpíadas de Barcelona, 1992. Quem estava prestes a vencer a prova era a sul-africana Elana Meyer, branca. Seu país, boicotado, não participava das Olimpíadas havia quase três décadas, e o motivo era o apartheid, regime cuja política dividiu a África do Sul entre brancos e negros durante quase 50 anos.

O país de Elana estava em transição para a democracia e a atleta representava o retorno sul-africano aos Jogos. Mas a mudança definitiva aconteceu primeiro na pista. Ela teria tentado forçar Derartu Tulu, uma negra vinda da Etiópia, país marcado pela miséria, a ultrapassá-la. Mas a etíope recusou.

Foi nos últimos 30 metros que a ultrapassagem aconteceu, sob aplausos e assovios do público. Derartu venceu e fez história. Tornou-se a primeira africana negra a conquistar uma medalha olímpica de ouro. E não parou por aí. Envolta na bandeira etíope, Derartu esperou a segunda colocada, Elana. Deram a volta olímpica de mãos dadas.

Derartu Tulu e Elana Meyer / Crédito: Divulgação/Pascal Pavani

 

Elana antecipava a queda de uma política segregacionista. Derartu, sétima filha de uma família da etnia oromo, que acredita-se ter sua origem há milênios, convertia-se numa heroína da Etiópia. Voltou aos Jogos na cidade de Atlanta, em 1996, quando terminou a corrida em quarto lugar.

Quatro anos depois, em Sydney, ultrapassaria a conterrânea Gete Wami, tornando-se a primeira mulher a conquistar dois ouros olímpicos em uma corrida como aquela. E continuou: foi bronze na capital grega, em 2004, ficando atrás da chinesa Huina Xing (ouro) e de outra etíope, Ejegayehu Dibaba, que ganhou a prata.


+Saiba mais sobre a história do esporte por meio de obras disponíveis na Amazon: 

O algoritmo da vitória: Lições dos melhores técnicos esportivos do mundo para você aplicar em seu time, sua carreira e sua vida, de José Salibi Neto (2020 ) - https://amzn.to/2CqpUtJ

Psicologia do esporte, de Dietmar Samulski (2008) - https://amzn.to/2AVENUi

Fisiologia do Esporte e do Exercício, de W. Larry Kenney, David L. Costill e Jack H. Wilmore (2020) - https://amzn.to/315r0Wd

Esportes, de Daniel Tatarsky (2017) - https://amzn.to/3hMqrqb

História dos esportes, de Orlando Duarte Figueiredo (2004) - https://amzn.to/2YVFKnC

Vale lembrar que os preços e a quantidade disponível dos produtos condizem com os da data da publicação deste post. Além disso, a Aventuras na História pode ganhar uma parcela das vendas ou outro tipo de compensação pelos links nesta página.

Aproveite Frete GRÁTIS, rápido e ilimitado com Amazon Prime: https://amzn.to/2w5nJJp 

Amazon Music Unlimited – Experimente 30 dias grátis: https://amzn.to/2yiDA7W