Curiosidades » Crimes

Frio como um cadáver: o que aconteceu com o serial killer Jeffrey Dhamer?

Condenado pelo homicídio de 17 homens entre 1989 e 1991, o assassino teve um fim muito mais cruel do que imaginava

Pamela Malva Publicado em 06/10/2020, às 19h00

Fotografia de Jeffrey Dahmer em seu julgamento
Fotografia de Jeffrey Dahmer em seu julgamento - Divulgação

Durante dois anos de sua vida, Jeffrey Dahmercriou o sádico costume de se esgueirar pelas ruas de Milwaukee, nos Estados Unidos. Nascido em maio de 1960, ele sempre foi uma criança conturbada, que sequer se comparava ao adulto cruel em que se tornou.

Alcoólatra desde os 14 anos, o menino não se encaixava entre os colegas da escola. Ao invés de carrinhos ou bonecas, ele gostava de colecionar cadáveres de animais mortos, que dissecava e mantinha em um cemitério particular no jardim de casa.

Jeffrey era, com certeza, um menino incomum. Extremamente introvertido, ele largou a faculdade com menos de três meses de curso e, sob os comandos do pai, alistou-se no exército — mas foi dispensado em menos de 2 anos por seu vício em álcool.

Aquele, no entanto, era apenas o início da história de um homem impiedoso, que chegou a matar, estuprar e dissecar 17 jovens. Sentenciado a mais de 950 anos de prisão, ele descrevia seus assassinatos como “uma compulsão”.

Jeffrey Dahmer durante a infância / Crédito: Divulgação

 

Dentro de casa

Entre 1989 e 1991, Jeffrey Dahmer pouco variou o modus operandi que usava a fim de arrancar a vida de suas vítimas. Para começar, em noites frias, ele encontrava jovens homossexuais em bares, os abordava e dava um jeito de chamar sua atenção.

Sob o pretexto de assistir a filmes pornôs, fazer fotografias eróticas ou ver sua coleção de borboletas, ele os convidava para seu apartamento. Uma vez na residência, o criminoso drogava, despia e matava suas vítimas, os estrangulando ou esfaqueando.

Todo o ritual era fotografado e as imagens eram guardadas em uma espécie de altar. Depois, insaciável, Jeffrey estuprava os cadáveres e os dissecava. Ossos eram dissolvidos com ácido, enquanto crânios e partes íntimas eram limpos e guardados.

Jeffrey Dahmer ainda adolescente / Crédito: Wikimedia Commons

 

Algemas abertas

Todo o esquema sádico de Jeffrey foi descoberto quando uma de suas vítimas conseguiu fugir, no dia em 22 de julho de 1991. Naquela noite, Tracy Edwards encontrou dois policiais e os levou até o apartamento do assassino, que logo foi preso.

O julgamento durou duas semanas e, ao final, Dahmer foi condenado pela morte de 16 dos 17 homens que ele mesmo afirmou ter assassinado. “Era apenas uma ânsia, uma fome. Não sei como descrever, era uma compulsão”, confessou no tribunal. 

Pelos homicídios, Jeffrey recebeu a pena de 957 anos de prisão. Seu tempo na cadeia, contudo, foi muito pior do que ele imaginava. Ao invés de passar a vida toda em uma cela gelada, o destino do serial killer foi muito mais ingrato.

Restos mortais que eram armazenados na geladeira do serial killer / Crédito: Wikimedia Commons

 

Cama e grades frias

Uma vez condenado, o criminoso foi levado até a prisão de segurança máxima em Portage, Wisconsin. Lá, ele foi diretamente encaminhado para a solitária, onde ficou por quase um ano, já que sua vida estaria em risco caso ficasse entre outros presos.

Em 1993, Jeffrey foi transferido para uma sessão menos segura da prisão e passou a trabalhar na limpeza os banheiros compartilhados. Nesse meio tempo, voltou-se para suas raízes católicas e foi batizado, em meados de 1994.

Toda a fé, contudo, não mudava o que o serial killer sentia por dentro. Apesar das confissões, a família de Dahmer afirmava que ele foi para a prisão pronto para morrer: ele sabia que seus últimos dias seriam entre as barras de metal fortificado.

Mugshots de Jeffrey Dahmer / Crédito: Getty Images

 

Metal solto

Considerado um alvo pelos outros detentos, Jeffrey chegou a ser atacado por Osvaldo Durruthy. Na ocasião, Dahmer quase teve sua garganta cortada pelo companheiro de cadeia, mas acabou sofrendo apenas alguns arranhões.

Na manhã do dia 28 de novembro de 1994, todavia, a história do assassino tomaria um rumo completamente diferente do que ele esperava. Durante uma jornada de trabalho limpando banheiros, Jeffrey encontraria alguém tão frio e cruel quanto ele próprio.

Cansado das insolências do serial killer, que andava com seguranças pela cadeia, Christopher Scarver decidiu tomar providências. Com uma barra de ferro em mãos, o preso, que acreditava ser a reencarnação de Jesus Cristo, matou Jeffrey Dahmer.

Em seu testamento, o serial killer de Milwaukee afirmou que queria ser cremado. Ainda que cientistas quisessem analisar seu cérebro sádico, a justiça decidiu pelo contrário e, morto aos 34 anos de idade, Jeffrey teve suas cinzas divididas entre seus pais. 


+Saiba mais sobre outros crimes macabros através de grandes obras

Famigerado!: a História de Luz Vermelha, o Bandido que Aterrorizou São Paulo nos Anos de 1960, de Gonçalo Junior (2019) - https://amzn.to/2JLfeGQ

Arquivos Serial Killers. Made in Brazil e Louco ou Cruel, de Ilana Casoy (2017)  - https://amzn.to/2IUCmST

Casos de Família: Arquivos Richthofen e Arquivos Nardoni: Abra os arquivos policiais, de Ilana Casoy (2016)  - https://amzn.to/2ppHCXA

O pior dos crimes: A história do assassinato de Isabella Nardoni, de Rogério Pagnan (2018) - https://amzn.to/35CT56O

Vale lembrar que os preços e a quantidade disponível dos produtos condizem com os da data da publicação deste post. Além disso, a Aventuras na História pode ganhar uma parcela das vendas ou outro tipo de compensação pelos links nesta página.

Aproveite Frete GRÁTIS, rápido e ilimitado com Amazon Prime: https://amzn.to/2w5nJJp

Amazon Music Unlimited – Experimente 30 dias grátis: https://amzn.to/2yiDA7W