Curiosidades » Personagem

5 fatos sobre a mente perturbada de Charles Manson

Registrado sem nome, ele criou uma legião de brutais seguidores que o fizeram ser lembrado até depois de sua morte

Fabio Previdelli Publicado em 21/02/2020, às 13h00

Charles Manson
Charles Manson - Getty Imagens

Há mais de meio século, em 9 de agosto de 1969, os assassinatos da atriz Sharon Tate e do casal LaBianca pelos seguidores de Charles Manson chocaram Hollywood e o mundo. A Família Manson, como eles se autodenominavam, era uma comunidade hippie, influenciada pelas ideias apocalípticas de guerra racial de seu líder.

O ex-guru hippie foi tão influente que convenceu dezenas de pessoas a cometerem assassinatos com o máximo de crueldade possível. Condenado a prisão perpétua em 1971, Manson morreu de causas naturais às 20h13, do horário local, no dia 19 de novembro de 2017.

Um dos principais criminosos do século passado, Manson voltou a ganhar notoriedade sendo referenciado em filmes e séries atuais, como Mindhunter e Era Uma Vez em... Hollywood. Mas apesar dessa volta aos holfotes, poucas pessoas conhecem, ou se lembram, da insana trajetória do assassino.

Confira 5 curiosidades sobre Charles Manson:

1. Ele nunca matou ninguém

Para muitos, a figura de Charles Manson personifica o que de mais cruel pudesse existir no século 20. Entretanto, por incrível que pareça, um dos presos mais infames e desumanos jamais chegou a matar alguém e todo o sangue derramado ficou manchado na mão de seus devotos. 

Mugshot Charles Manson / Crédito: Getty Images

 

Porém, isso não impediu que ele fosse condenado por prisão perpétua. Sob o estatuto da Califórnia, Manson foi culpado por responsabilidade indireta  e também se tornou pioneiro nos casos de assassinatos premeditados.


2. Manson tinha planos para matar diversas celebridades

Em 1969, o assassinato de Sharon Tate fez com que as autoridades passassem a investigar a Família Manson com mais afinco, que acabou atrás das grades menos de dois meses depois após o crime — ao todo, 24 membros dos culto foram presos, incluindo o próprio Manson.

No cárcere, Susan Atkins, conhecida como a mais assustadora do bando, chegou a revelar para companheiros de cela que os Manson planejavam matar uma lista de celebridades que incluíam: Elizabeth Taylor, Richard Burton, Tom Jones e até mesmo Frank Sinatra.


3. Ele foi registrado como “No Name Maddox”

Manson nasceu em um hospital de Cincinnati em 12 de novembro de 1934. Filho de Kathleen Maddox, mãe solteira de apenas 16 anos, Manson não possuía em seu registro nem o nome de seu pai e muito menos um nome próprio, sendo identificado apenas como No Name Maddox (ou, Sem Nome Maddox).

Charles Manson sendo conduzido por um policial / Crédito: Getty Images

 

Semanas depois, ele recebeu o nome de Charles Milles Maddox. O sobrenome Manson veio após um breve casamento que sua mãe teve com um homem chamado William Manson. Ele nunca conheceu seu pai biológico.


4. O hambúrguer envenenado

Barbara Hoyt, com apenas 17 anos na época do crimes Tate-LaBianca, chegou a fazer parte da macabra Família Manson e se tornou uma peça chave no testemunho do assassinato de Sharon Tate.

Amedrontada de encarar o tribunal, Hoyt foi levada por outra seguidora, Ruth Ann Moorehouse, para uma viagem ao Havaí, em dezembro de 1970. Lá, Moorehouse a fez comer um hambúrguer, que estava encharcado com altas doses de LSD.

Barbara foi ajudada antes de perder a consciência e encaminhada rapidamente para uma clínica de Honolulu. Recuperada, depois de ser atendida na emergência do hospital, testemunhou duramente contra os Manson.


5. Noivo aos 79 anos

Mesmo após ser condenado, Charles Manson continuou tendo grande influência dentro — e fora — da prisão. Seguido por uma infinidade de fãs, ele chegava a receber cerca de 60 mil cartas por dia.

Foto de Charles Manson na parte final de sua vida / Crédito: Getty Images

 

Em uma delas, ele passou a se corresponder com a jovem Afton Elaine Burton. Em novembro de 2013. A diferença de idade, de 53 anos, não impediu que eles se tornassem noivos. Entretanto, a união durou pouco tempo. Logo descobriu-se que Burton queria se casar com o criminoso para explorar seu corpo financeiramente assim que ele morresse, o expondo em uma redoma de vidro.


+Para enteder mais a mente dos psicopatas: 

Manson: A Biografia, de Jeff Guinn (2014) - https://amzn.to/34u09ln

Killer Clown Profile: Retrato de um Assassino, de Terry Sullivan (2019) - https://amzn.to/2OQeBNO

Meu Amigo Dahmer: Estudando com um serial killer, de Derf Backderf (2017)  - https://amzn.to/37LYxW5

O Diário de Jack, O Estripador, de Shirley Harrison (2019) - https://amzn.to/34zeXze

Arquivos Serial Killers. Made in Brazil e Louco ou Cruel, de Ilana Casoy (2017) - https://amzn.to/35LVsU7

Vale lembrar que os preços e a quantidade disponível dos produtos condizem com os da data da publicação deste post. Além disso, assinantes Amazon Prime recebem os produtos com mais rapidez e frete grátis, e a revista Aventuras na História pode ganhar uma parcela das vendas ou outro tipo de compensação pelos links nesta página.