Curiosidades » Bizarro

A bizarra saga das gaiolas ao ar livre para bebês

Alguns pais adotaram o método de pendurar seus filhos em gaiolas feitas de ferro pela janela de seus apartamentos nos anos 1930 nos Estados Unidos. Entenda o motivo

Isabela Barreiros Publicado em 10/02/2020, às 08h00

Uma das crianças nas insólitas gaiolas
Uma das crianças nas insólitas gaiolas - Divulgação

No livro “The Care and Feeding of Children”, o médico Luther Emmett Holt usou, pela primeira vez, o conceito de “arejar”. Em 1894, ele dizia que era importante para o bebê entrar em contato com temperaturas mais frias. O pensamento era de que, com isso, ele poderia suportar melhor doenças e resfriados comuns quando fosse mais velho, ou seja, aumentaria sua imunidade.

"É necessário ar fresco para renovar e purificar o sangue, e isso é tão necessário para a saúde e crescimento quanto a alimentação adequada. O apetite é melhorado, a digestão é melhor, as bochechas ficam vermelhas e todos os sinais de saúde são vistos”, escreveu o doutor. O que ele não esperava era como os pais seguiriam esse conselho.

Alguns pais, não possuindo nenhum tipo de jardim ou espaço ao ar livre, improvisaram um tipo de suporte para manter seus filhos em contato com as tais temperaturas mais frias citadas por Holt.

Crédito: Reprodução

 

Em 1906, Eleanor Roosevelt comprou uma gaiola de arame e a pendurou na janela do seu apartamento na East 36th Street, em Nova York, nos Estados Unidos. Sem opções à venda, a mãe usou esse “método” para deixar sua filha Anna dormindo ao ar livre.

Por conta dessa demanda, em 1920, começaram a aparecer produtos com esse mesmo intuito. No livro “The Health-Care of the Baby”, Louis Fischer descreve o “Berço de Janela dos Boggins” como “um conveniente compartimento para dormir ao ar livre prontamente preso a qualquer janela”. O berço possuía dimensões de 36 x 24 x 27 cm, e foi analisado pelo autor como um produto "admiravelmente adaptado para apartamentos da cidade".

Crédito: Reprodução

 

Assim, inúmeros pais passam a adotar as gaiolas para bebês, principalmente nos Estados Unidos e na Inglaterra. O ápice do método foi nos anos de 1930.

Crédito: Reprodução

 

No século 20, no entanto, a segurança infantil começou a ser um tema muito discutido pela sociedade, e o uso das gaiolas passou a diminuir. Aparentemente, pendurar seus filhos em janelas de apartamento não era um recurso muito seguro para “arejá-los”.