Curiosidades » Brasil

O projeto da bomba atômica criado pelo Brasil no regime militar

O Exército começou nos anos 70, acreditando que só seríamos respeitados com isso. Hoje o Brasil domina o ciclo de produção do combustível nuclear

Redação Publicado em 30/01/2020, às 14h00

Imagem meramente ilustrativa da explosão da bomba de hidrogênio Ivy Mike
Imagem meramente ilustrativa da explosão da bomba de hidrogênio Ivy Mike - Getty Images

Em 1990, o presidente Fernando Collor jogou uma simbólica pá de cal num poço de 320 metros para testes nucleares na serra do Cachimbo, no Pará. "A suspeita é que ele teria sido construído com recursos do Iraque de Saddam Hussein para abrigar testes do programa iraquiano. E os dados seriam cedidos ao Brasil", diz o jornalista Roberto Godoy, especialista em assuntos de defesa.

O poço é só um pedaço de uma série de operações clandestinas, iniciadas no governo Ernesto Geisel, para garantir ao Brasil a tecnologia necessária para fabricar a bomba atômica (e ogivas para mísseis nucleares).

Na prática, sobretudo a partir do início da década seguinte, o governo manteve dois programas nucleares: o oficial, com fins pacíficos, e o paralelo e sigiloso. Sempre houve facções do regime que defendiam que a única maneira de o Brasil ser respeitado no mundo seria ter a bomba.

O Iraque virou uma peça curiosa nesse enredo, que sobreviveu ao fim da ditadura. Entre 1979 e 1990, o Brasil exportou toneladas de urânio (a matéria-prima do combustível das bombas) para Saddam. O roteiro nebuloso inclui espionagem e suborno de técnicos e autoridades estrangeiras, entre outras manobras, que até alimentaram uma CPI sobre o tema.

A Constituição de 1988 havia proibido o país de usar a tecnologia nuclear para fins bélicos, mas o "esforço paralelo" dos militares sobreviveu até 1990, segundo confirmou mais tarde José Carlos Santana, ex-presidente da Comissão Nacional de Energia Nuclear no governo Collor. Quando o CNEM do B deixou de funcionar, o país estaria prestes a fazer o primeiro teste.

"Em dezembro de 1996, a PF prendeu um alemão que vendera conhecimentos ao Brasil depois de tentativas frustradas junto ao Iraque", diz Tânia Malheiros, autora de Brasil: A Bomba Oculta - O Programa Nuclear Brasileiro. Para ela, é só uma amostra de que "há muita coisa a ser explicada".

Hoje o Brasil domina o ciclo de produção do combustível nuclear e está (aos trancos e barrancos) construindo seu primeiro submarino com propulsão atômica. A revelação de detalhes estratégicos sobre essa tecnologia e os bastidores espúrios do programa nuclear estariam no topo das preocupações de quem, até pouco tempo atrás, insistia em manter o sigilo eterno.


+Saiba mais sobre bombas atômicas através das obras abaixo

Hiroshima John Hersey (2002) - https://amzn.to/2C5eUPb

A Última Mensagem de Hiroshima. O que Vi e Como Sobrevivi à Bomba Atômica, de Takashi Morita (2017) - https://amzn.to/2JymHsL

O Último Trem de Hiroshima, de Charles Pellegrino (2010) - https://amzn.to/2pnIBbi

Hiroshima e Nagasaki: Tudo Sobre o Maior Bombardeio Atômico da História, de Mundo dos Curiosos - https://amzn.to/2Jz8ATZ

Hiroshima: The Autobiography of Barefoot Gen (English Edition), de Nakazawa Keiji (2010) - https://amzn.to/2PvPa6e

Vale lembrar que os preços e a quantidade disponível dos produtos condizem com os da data da publicação deste post. Além disso, assinantes Amazon Prime recebem os produtos com mais rapidez e frete grátis, e a revista Aventuras na História pode ganhar uma parcela das vendas ou outro tipo de compensação pelos links nesta página.