Curiosidades » Carnaval

Carnaval: Uma construção caótica do Estado Novo

Entenda como Vargas implantou tons patrióticos a uma festa popular

Simone bitar Publicado em 24/02/2020, às 09h00

Carro alegórico no Carnaval da Era Vargas
Carro alegórico no Carnaval da Era Vargas - Domínio Público

Com o fim da monarquia, o Brasil entrou em crise de identidade. A fidelidade ao imperador dava um traço de união a um país com realidades regionais completamente diferentes. Em 1930, Getúlio Vargas assumiu o poder numa revolução que prometia renovação nacional e assumiu cunhos fascistas em 1937. Nesse tempo, tratou de tentar construir uma identidade nacional para um país marcado pelo federalismo e pelas disparidades (quando não antagonismos) regionais.

O samba era um estilo da Bahia que havia se implantado com sucesso no Rio de Janeiro e começava a ficar conhecido no restante do país por meio do rádio, que chegou aqui em 1922 - originalmente, uma música irreverente, que satirizava os poderosos e exaltava a malandragem. Era também pouco nacionalista.

Os grupos de samba costumavam ter sessões de sopro inspiradas no jazz norte-americano. Quando o samba se tornou a música mais popular da capital da República, o governo tratou de enquadrá-lo: sambas com apologia ao crime e à malandragem foram censurados.

Carnaval no Estado Novo / Crédito: Wikimedia Commons

 

Quanto ao Carnaval, era uma festa caótica onde uma das maiores diversões era atirar água (ou outros líquidos) uns nos outros. O samba não era o ritmo favorito: nos bailes, predominavam as polcas, valsas e tangos. Nos cordões, ranchos e sociedades carnavalescas e marchinhas dividiam o espaço com modas e maxixes.

A primeira escola de samba, a Deixa Falar, foi fundada em agosto de 1928, no bairro de Estácio de Sá, no Rio de Janeiro. Em 1932, os desfiles se tornaram oficiais e, no ano seguinte, já recebiam auxílio financeiro da prefeitura.

O regulamento tornava obrigatória a ala das baianas e proibia instrumentos de sopro, considerados influência estrangeira. Em 1937, com a ditadura do Estado Novo, o tema foi restrito a edificantes celebrações da história e cultura do Brasil. A tradição carnavalesca do Rio de Janeiro surgiu à base da canetada.


+Saiba mais sobre o Carnaval por meio de grandes obras:

Escolas de samba do Rio de Janeiro, de Sérgio Cabral (2016) - https://amzn.to/2OOFTVM

Desde que o samba é samba, de Paulo Lins (2012) - https://amzn.to/3bAD3NK

Almanaque do carnaval: A história do carnaval, o que ouvir, o que ler, onde curtir, de por André Diniz (2008) - https://amzn.to/2SlWxON

O país do carnaval, de Jorge Amado (2011) - https://amzn.to/2HkXtfP

Carnaval e cultura: Poética e técnica no fazer escola de samba, de Milton Cunha (Autor) (2014) - https://amzn.to/37mMRYk

Vale lembrar que os preços e a quantidade disponível dos produtos condizem com os da data da publicação deste post. Além disso, assinantes Amazon Prime recebem os produtos com mais rapidez e frete grátis, e a revista Aventuras na História pode ganhar uma parcela das vendas ou outro tipo de compensação pelos links nesta página.