Curiosidades » Bizarro

Kherima: a rara múmia egípcia que pertenceu a Dom Pedro I

Enigmático, o cadáver chegou ao Brasil em 1826 — e foi adquirido pelo primeiro monarca logo depois

Nicoli Raveli Publicado em 22/03/2020, às 07h30

Múmia Kherima
Múmia Kherima - Wikimedia Commons

Intitulada Kherima, Princesa Kherima ou Princesa do Sol, a múmia egípcia datada dos séculos um a três, é de uma mulher pertencente a região de Tebas, localizada na Grécia, durante o Período Romano. Em 1826, ela foi transportada até o Brasil e passou a pertencer ao primeiro monarca do país.

Não há informações sobre a sua morte ou seu nome, mas sabe-se que ela foi mumificada quando tinha entre 18 a 20 anos de idade. Dessa maneira, diversas informações sobre sua vida são desconhecidas e seu processo de mumificação tornou-se um enigma.

Em oposição a todos os métodos egípcios utilizados para envelopar as múmias, como os tecidos de linho, Kherima teve seus membros enfaixados individualmente com bandagens.

Múmia Kherima no Museu Nacional do Rio de Janeiro / Crédito: Wikimedia Commons

 

Além disso, superando todas as expectativas egípcias, a mulher estava com vestimentas que detalhavam sua forma humana, fazendo com que seus contornos fossem destacados com faixas decoradas e com pinturas místicas que não foram completamente decifradas.

Apenas oito múmias seguem o mesmo estilo da princesa, e todas são datadas da mesma época. Elas também pertencem ao mesmo sítio arqueológico, o que reforça a teoria de que possam ser provenientes do mesmo ateliê de mumificação.

Em 1826, a múmia foi transferida para o Brasil pelo italiano Nicolau Fiengo que era, até então, comerciante. Além dela, foram trazidas outras antiguidades, como uma coleção egípcia do explorador Giovanni Battista, responsável pelas escavações da Necrópole de Tebas e do Templo de Carnaque.

Ao chegar ao nosso país, toda coleção fez parte de um leilão no Rio de Janeiro e foi adquirida por Dom Pedro I. No mesmo ano, o monarca fez uma doação ao Museu Nacional, localizado na região central da cidade, fundado em 1818.

Desde então, Kherima e os outros artefatos chamaram a atenção da população e os atraíram ao acervo por representar uma raridade histórica. De acordo com os visitantes do museu, a múmia causava um mal súbito em quem a encostava, fazendo com que a pessoa entrasse em transe. Em 2018, o local foi completamente danificado pelo fogo. Entre os artefatos perdidos, encontra-se a múmia da princesa.

Museu Nacional em chamas / Crédito: Wikimedia Commons

 

O museu contava com diversos itens dos monarcas que se reduziram a cinzas, como também foi o caso da múmia Sha-amun-em-su, um presente que Dom Pedro II recebeu e decidiu expor no museu.


+Saiba mais sobre o tema por meio das obras disponíveis na Amazon

O Enigma das Múmias. Segredos Históricos da Arte da Mumificação nas Civilizações Antigas,  David E. Sentinella (2008) - https://amzn.to/2Wt7h0d

Egípcios, John Guy (2002) - https://amzn.to/3ajUUYc

Archivos Do Museu Nacional Do Rio de Janeiro,  Museu Nacional do Brasil - https://amzn.to/3dkyW9q 

Memória Compartilhada : Retratos Na Coleção Do Museu Histórico Nacional, Museu Nacional do Brasil (2004) - https://amzn.to/2U7DkkI

Vale lembrar que os preços e a quantidade disponível dos produtos condizem com os da data da publicação deste post. Além disso, a Aventuras na História pode ganhar uma parcela das vendas ou outro tipo de compensação pelos links nesta página.

Aproveite Frete GRÁTIS, rápido e ilimitado com Amazon Prime: https://amzn.to/2w5nJJp

Amazon Music Unlimited – Experimente 30 dias grátis: https://amzn.to/3b6Kk7du