Curiosidades » Segunda Guerra

Os Fornos de Hitler: os horrores de Auschwitz a partir dos relatos de uma sobrevivente

Escritora Olga Lengyel revela as atrocidades a qual foi submetida e como perdeu seus familiares durante o Terceiro Reich

Thiago Lincolins Publicado em 27/04/2020, às 20h00

Fornos da morte de Hitler
Fornos da morte de Hitler - Divulgação

Arbeit machr frei (O trabalho liberta, em tradução livre). Era essa a inscrição na entrada do maior campo de concentração nazista. Erguido em 1940 nos subúrbios da cidade de Oswiecim, na Polônia, ele tinha três partes: Auschwitz I, a mais antiga; Auschwitz II-Birkenau, que reunia o aparato de extermínio; e Auschwitz III-Buna, com cerca de 40 subcampos de trabalho forçado.

As primeiras vítimas do nazismo foram poloneses, seguidos de soviéticos, ciganos e prisioneiros de guerra. Em 1942, o campo voltou-se para a destruição em massa dos judeus. Lá, cerca de 1,1 milhão de pessoas morreram a maioria em câmaras de gás. Em Auschwitz, os presos eram obrigados a usar insígnias nos uniformes conforme a categoria — “motivo político” era um triângulo vermelho; “homossexual”, um rosa. Muitos foram usados em experimentos médicos.

Entre as vítimas estava Olga Lengyel. Uma judia que vivia com o marido e os seus filhos na cidade de Cluj, capital da Transilvânia. Ao ouvirem relatos sobre as atrocidades cometidas pelos nazistas em terras ocupadas, não acreditaram que isso poderia se tornar um pesadelo real.

Corredor de celas em Auschwitz / Crédito: Wikimedia Commons

 

Em 1944, o seu marido, que era médico, seria deportado para Alemanha. Ela acreditava que o companheiro seria enviado para suprir a falta de médicos, e assim optou por segui-lo com os filhos. Contudo, era uma emboscada. O destino final da família seria Auschwitz. No local, Olga perdeu a sua família. Entretanto, sobreviveu para contar a sua trajetória.

Publicado pela primeira vez no Brasil, em 2018, pela Editora Crítica, Os Fornos de Hitler, apresenta um dos primeiros relatos sobre o horror dos campos de extermínio nazistas. “As pessoas devem se unir em momentos de perigo. Colocar em risco um grupo significa colocar em risco todos nós”, afirma a autora. “Memórias não servem apenas para nos lembrarmos do que aconteceu. Elas guiam nossas ações no futuro.”

Entrada de Auschwitz com a frase Arbeit machr frei (O trabalho liberta, em tradução livre) / Crédito: Wikimedia Commons

 

Com uma narrativa emocionante e crua, Lengyel detalha como era a vida em Auschwitz e o horror cometido pelos nazistas. Confira um trecho:

(...) Os alemães deixavam vivos alguns milhares de deportados de cada vez, mas apenas para facilitar o extermínio de milhões de outros. Faziam tais vítimas executar seu trabalho sujo. Elas faziam parte do sonderkommando. Trezentas ou quatrocentas serviam em cada forno do crematório. Seu dever consistia em empurrar os condenados para dentro das câmaras de gás e, depois que o assassinato em massa tivesse sido cometido, abrir as portas e transportar os cadáveres. 


+AH: 10 grandes empresas que lucraram com o nazismo

 


+Saiba mais sobre o nazismo por meio de grandes obras disponíveis na Amazon:

Os fornos de Hitler, de Olga Lengyel (2018) - https://amzn.to/2S9UFYH

Terceiro Reich na história e na memória, de Richard J. Evans (2018) - https://amzn.to/353Tu2w

As mulheres do nazismo, de Wendy Lower (2014) - https://amzn.to/3bwrlDv

A vida secreta dos nazistas, de Paul Roland (2020) - https://amzn.to/2yy0qso

Filhos de nazistas: Os impressionantes retratos de família da elite do nazismo, de Tania Crasnianski (2018) - https://amzn.to/2wWv5iy

Hitler e o nazismo, de Richard Geary (2012) - https://amzn.to/2xThKIe

Vale lembrar que os preços e a quantidade disponível dos produtos condizem com os da data da publicação deste post. Além disso, a Aventuras na História pode ganhar uma parcela das vendas ou outro tipo de compensação pelos links nesta página.

Aproveite Frete GRÁTIS, rápido e ilimitado com Amazon Prime: https://amzn.to/2w5nJJp 

Amazon Music Unlimited – Experimente 30 dias grátis: https://amzn.to/2yiDA7W