Curiosidades » Guerras

Guerra do Paraguai: Quando as mães seguiam seus filhos ao combate

Elas não eram as únicas a seguir o exército sem lutar. E não tinha nada de esquisito para a época

Vitor Lima Publicado em 12/05/2019, às 07h00

No conflito, era comum mães, mulheres e prostitutas seguirem os soldados
No conflito, era comum mães, mulheres e prostitutas seguirem os soldados - Shutterstock

Aos 51 anos, a baiana Ana Justina Ferreira Nery ficou sabendo que seus três filhos e um irmão seriam enviados para a Guerra do Paraguai (1864-1870). Sem pensar duas vezes, ela arrumou a mala e foi com eles. Ficou cinco anos nos campos de batalha, ganhando uma medalha de prata por serviços prestados e tornando-se a primeira enfermeira militar do Brasil. 

Não foi só Ana Nery quem acompanhou as tropas durante aquela guerra. No conflito, era comum mães, mulheres e prostitutas fazerem o mesmo. 

Ana Nery / Crédito: Wikimedia Commons

 

Algumas chegavam a ir ao campo de batalha, socorrer os feridos e pegar em armas. Diferentemente da baiana, a maioria permaneceu anônima. “Essas infelizes seguem nossos movimentos, se vestem pobremente, se alimentam com o que sobra”, relatou o argentino Francisco Seeber no livro Cartas sobre la Guerra del Paraguay (1865 y 1866). “Seus maridos muitas vezes as tratam mal e elas morrerão no esquecimento.”

Na Retirada de Laguna, a desastrosa marcha brasileira de 2.500 quilômetros para reconquistar parte do atual Mato Grosso do Sul, por exemplo, havia 1.300 mulheres e crianças para os 2.200 soldados. A presença da família entre as tropas mostra que a disciplina militar que se conhece hoje ainda estava se formando no século 19.

“A presença de mulheres na guerra só deixou de ser considerada normal no século 20”, afirma o historiador Francisco Doratioto, autor do livro Maldita Guerra.

A comitiva de civis acompanhando soldados era uma tradição antiga. Na catastrófica invasão da Rússia de 1812, Napoleão também trouxe consigo um exército de carroças com mulheres, não apenas para apoio emocional, como para funções como enfermagem, cozinha, logística. 

A guerra / Crédito: Wikimedia Commons

 


Mais de 300 casamentos 

Enquanto Brasil, Argentina e Uruguai cercavam o Paraguai, muitos participantes da guerra viram no inimigo uma solução para a vida. Segundo um estudo do historiador Fernando Ortolan, da Universidade do Vale dos Sinos, no Rio Grande do Sul, apenas uma igreja de Assunção, capital do país, sacramentou mais de 300 casamentos entre soldados brasileiros e mulheres paraguaias.

O cabo pernambucano José Joaquim da Silva casou com Maria Dorotéia, paraguaia que teve os pais mortos na guerra. O capitão carioca Honório Teixeira se juntou com a paraguaia María Felipe Iralgo. Também aconteceu o contrário: brasileiras que acompanharam as tropas acabaram casando com soldados paraguaios.