Curiosidades » América Latina

Ícones comunistas: as polêmicas tatuagens de Diego Maradona

Estreando na Seleção Argentina há 43 anos, o ex-futebolista ainda possuía uma íntima amizade com Fidel Castro

Isabela Barreiros Publicado em 27/02/2020, às 14h23

A amizade de Diego Maradona e Fidel Castro
A amizade de Diego Maradona e Fidel Castro - Divulgação

Há 43 anos, o argentino Diego Maradona jogava pela primeira vez pela Seleção Argentina. Em 1977, ele participou de um amistoso contra a Hungria, estreando sua participação no time de seu país natal. Polêmico, o futebolista ainda não foge de oportunidades de dar opiniões sobre política.

As tatuagens de personalidades importantes de esquerda são uma marca de Maradona. O guerrilheiro argentino Che Guevara descansa em seu ombro direito e o comandante cubano Fidel Castro está em sua panturrilha esquerda.

Quando questionado sobre a primeira tatuagem, em 2000, apenas disse: “também sou um rebelde neste mundo”. A segunda veio depois, quando foi “salvo” por Castro. “Isto de estar vivo tenho de agradecer ao Barbudo (Deus) e… ao Barbudo (Fidel)”, escreveu em sua autobiografia Eu sou El Diego (2000). “Tudo o que ele fez por mim não tem pagamento”, afirmou.

Maradona e sua tatuagem do Che Guevara / Crédito: Divulgação

 

A gratidão expressada por Maradona diz respeito ao período que passou em Cuba para cuidar de sua saúde. Os vícios, tanto em álcool como em cocaína, fizeram com que seu coração ficasse muito debilitado e funcionasse apenas 38% de sua totalidade. Assim, permaneceu em reabilitação em uma clínica cubana durante muitos meses.

O primeiro encontro de Castro e o argentino foi em 28 de Julho de 1987, quase um ano depois de a Seleção Argentina conquistar o Mundial do México em 1986. Segundo o jogador de futebol, eles beberam e comeram ostras — até mesmo trocaram receitas de cozinha de família. A amizade só iria crescer ainda mais.

Maradona mostrando a Castro tatuagem em sua homenagem / Crédito: Divulgação

 

Em 2016, o líder cubano faleceu, o que causou tristeza ao amigo mesmo a milhares de quilômetros de distância. “Foi como outro pai para mim. O único comandante. Ao fim da Copa, vou à Cuba para me despedir de um amigo. Ele [me] abriu as portas de Cuba quando na Argentina as fecharam”, disse ao canal TyC Sports pouco tempo depois de saber da morte.

“Morreu o meu amigo, o meu confidente, o que me dava conselhos e que me ligava a qualquer hora para falar de política, de futebol, de basebol (…). Como nunca se enganou, para mim Fidel é, foi e será eterno, único, o maior. Dói-me o coração porque o mundo perdeu o mais sábio de todos”, escreveu também em homenagem a Castro em sua página no Facebook.


+ Saiba mais sobre o tema por meio das obras a seguir:

Che Guevara: a vida em vermelho, Jorge G. Castañeda (2006) - https://amzn.to/33eYA9O

Diário de Che Guevara, Che Guevara (2009) - https://amzn.to/30TXqPv

Fidel Castro: biografia a duas vozes, Ignacio Ramonet (2006) - https://amzn.to/388IHnR

Cuba no Século XXI. Dilemas da Revolução, Santos Dos, Fabio Luis Barbosa (2018) - https://amzn.to/2pX1CRW

Vale lembrar que os preços e a quantidade disponível dos produtos condizem com os da data da publicação deste post. Além disso, assinantes Amazon Prime recebem os produtos com mais rapidez e frete grátis, e a revista Aventuras na História pode ganhar uma parcela das vendas ou outro tipo de compensação pelos links nesta página.