Curiosidades » América

O que aconteceu com o corpo fuzilado de Ernesto Che Guevara?

Durante o episódio que ocorreu há exatos 40 anos, o exército boliviano seguiu ordens específicas dos EUA

Isabela Barreiros Publicado em 09/10/2019, às 14h28

None
- Klimbim

Che Guevara foi um revolucionário comunista que lutou para a formação de um novo estado socialista em Cuba, que se encontrava em um regime ditatorial comandado por Fulgêncio Batista.

Oposicionista dos Estados Unidos, participou da Revolução Cubana e outras guerrilhas rebeldes, como as no Congo e na Bolívia, local onde foi assassinado em 1967.

O país latino-americano sofria com a ditadura do general René Barrientos, apoiado pelos estadunidenses que forneceram treinamento e armas para o Exército boliviano.

As mãos amputadas do revolucionário argentino / Crédito: Domínio Público

 

No dia 9 de outubro de 1967, em La Higuera, próximo a Vallegrande, o grupo de Che foi atacado por 2 mil homens e teve seu líder capturado. Após um interrogatório, ele foi assassinado por uma rajada de fuzil, aos seus 39 anos.

Suas mãos foram cortadas e enviadas para os Estados Unidos na intenção de confirmar a identidade do principal revolucionário da América do Sul. Para acreditar e confirmar a morte, a CIA fez teste das impressões digitais nas mãos recebidas.

Os restos foram deixados para apodrecer. Seu corpo foi encontrado apenas 30 anos depois, em uma vala no meio da selva boliviana, juntamente com os demais seis guerrilheiros de seu agrupamento.

Comandante Guevara após o assassinato / Crédito: Wikimedia Commons

 

Mas não acabaria nisso. Em abril de 1971, a revolucionária Monika Ertl, comunista, filha de nazistas e assassina decidiu se vingar do coronel do Exército Roberto Quintanilla Pereira, responsável por amputar as mãos de Che Guevara

Em uma manhã calma, figindo uma visita importante, a moça entrou no gabinete, tirou da bolsa azul, que levava sob o braço esquerdo, um Colt Cobra 38 especial e disparou três tiros no lado direito do tórax do diplomata. Assim morreu Pereira, representante da Bolívia na cidade alemã desde o ano anterior. E assim foi vingado o comandante Ernesto Che Guevara.