Curiosidades » Brasil

Qual a origem da expressão "será o Benedito"?

Para mostrar espanto diante de uma situação inesperada e muito pouco plausível, costumamos recorrer ao tal Benedito

Julia Moioli Publicado em 23/12/2019, às 11h00

Benedito e Vargas
Benedito e Vargas - Wikimedia Commons

A mais provável origem dessa curiosa expressão é digna de um típico causo mineiro e estaria ligada ao ex-governador do estado Benedito Valadares. Que mais tarde viraria nome de cidade.

Após a Revolução de 1930, Getúlio Vargas assumiu o governo provisório do país. Diante da suspensão da Constituição de 1891 e do Congresso Nacional, além das assembleias estaduais fechadas, gozava de plenos poderes. Entre eles, a indicação dos interventores estaduais.

Em setembro de 1933, com a morte de Olegário Maciel, Vargas precisava definir o novo
interventor de Minas Gerais. “Havia, entre seus aliados, dois homens fortes que pressionavam por suas indicações”, afirma o professor de história do Brasil Jorge Ferreira.

“Um era o ministro da Fazenda Osvaldo Aranha, que indicava Virgílio de Melo Franco e que, por sua vez, ainda tinha o apoio do pai, Afrânio de Melo Franco, ministro das Relações Exteriores. O outro era Flores da Cunha, interventor do Rio Grande do Sul, que apoiava Gustavo Capanema.”

Assim, previa-se que um dos dois fosse indicado. Mas, para a surpresa de todos, Vargas escolheu Benedito Valadares, político mineiro de pouco destaque, que havia apoiado sua candidatura em 1930.

Ferreira conta que a surpresa teria sido tão grande que a própria mãe de Valadares teria exclamado: “Será o Benedito?”. Assim, a expressão de perplexidade frente a acontecimentos inusitados teria caído no gosto do povo e no folclore político.

Mas por que o presidente fez isso? O especialista explica: “Primeiro porque, nomeando alguém sem grande expressão na política regional, Vargas teria maior controle sobre o interventor e sobre o quadro político do estado. Segundo porque esse era o seu estilo: arbitrar conflitos, mediar interesses e conciliar disputas”. Não deu outra: Benedito Valadares manteve-se fiel.

Em 1935, foi eleito governador constitucional de Minas Gerais e permaneceu no posto até 1945, quando Vargas foi deposto.


+ Saiba mais sobre o tema através das obras abaixo:

1 Diário, de Getúlio Vargas, em 2 volumes - https://amzn.to/2qKdYNK

2 Getúlio (1930-1945): do governo provisório à ditadura do Estado Novo, de Lira Neto - https://amzn.to/36SwTX8

3 Gilberto Freyre e o Estado Novo: Região, Nação e Modernidade, de Gustavo Mesquita - https://amzn.to/2q4XS15

4 1937: o Golpe que mudou o Brasil, de Natonio L. Araújo - https://amzn.to/34QFUy8

Vale lembrar que os preços e a quantidade disponível dos produtos condizem com os da data da publicação deste post. Além disso, assinantes Amazon Prime recebem os produtos com mais rapidez e frete grátis, e a revista Aventuras na História pode ganhar uma parcela das vendas ou outro tipo de compensação pelos links nesta página.