Curiosidades » Alemanha Nazista

Hitler deu apenas duas opções para Erwin Rommel, a 'Raposa do Deserto'

Preso a uma cultura militar de lealdade e disciplina, seu maior erro foi acreditar que política era servir a pátria, não importando quem fosse o chefe de Estado

Rodrigo Trespach, autor de Personagens do Terceiro Reich Publicado em 11/04/2021, às 10h00

Imagem de Erwin
Imagem de Erwin - Domínio Público

Erwin Rommel (1891-1944) foi o mais popular e prestigiado marechal de campo do Terceiro Reich. O ministro da Propaganda de Hitler imaginava fazer dele o modelo ideal de chefe militar da Alemanha e o próprio militar emprestou seu carisma e sua história à ideologia do ditador.

Ele não fazia parte da aristocracia que ditava as normas do Exército no antigo Império Alemão, uma força conservadora e nacionalista por natureza, mas tinha olhos azuis, era loiro, ambicioso e destemido, tudo o que os nazistas imaginavam para um herói “ariano”.

Nascido em uma cidadezinha próximo a Ulm, Rommel era filho de um professor secundário, que impôs ao filho uma carreira militar, então bem mais prestigiada. Aos 19 anos, ele entrou para um regimento de infantaria.

Quando a Primeira Guerra começou, o jovem tenente foi enviado para a Bélgica. Em menos de seis meses tinha recebido duas condecorações e uma promoção. Em meio ao conflito, Rommel ainda achou tempo para se casar. Lucie-Maria Mollin (1894-1971) lhe daria um único filho, Manfred (1928-2013).

Em 1917, após a batalha de Caporetto, na frente italiana, recebeu a prestigiosa Pour le Mérite. Promovido a capitão, Rommel tinha criado uma reputação que seria ampliada na guerra seguinte: obstinação, habilidade tática, iniciativa e autoconfiança.

Continuou os estudos sobre a “guerra móvel” mesmo com a derrota alemã, mas manteve-se longe das discussões políticas da década de 1920. Era comandante de um regimento quando conheceu Hitler, já no poder, em 1934.

Em 1937, ele publicou A Infantaria Ataca, um sucesso de vendas com mais de meio milhão de exemplares vendidos. Hitler leu e apreciou a obra. No ano seguinte, quando a Alemanha anexou a Áustria e depois ocupou os Sudetos, Rommel foi chamado para a guarda do ditador.

O então coronel estava extasiado com seu chefe, o “enviado por Deus ou pela Providência para levar o mundo alemão à luz”, alguém que “irradia um poder magnético, quase hipnótico”.

Em 1939, quando a Segunda Guerra teve início, Rommel foi nomeado general de brigada e comandante do quartel-general de Hitler. Em cartas à esposa, escreveu sobre a admiração pelo “gênio” do líder nazista. Sua personalidade, no entanto, não o manteve muito tempo longe da linha de frente de batalha.

Quando da invasão da França, Rommel foi nomeado comandante da Sétima Divisão Panzer, que ele liderou diretamente de cima de um blindado. Devido à rapidez com que sua unidade avançava, ela ficou conhecida como “Divisão Fantasma”.

Em 1941, Rommel foi enviado para a África do Norte, onde liderou o Afrikakorps, combatendo em terreno difícil, com material bélico limitado e um número muito inferior de soldados.

Carismático, obstinado, ousado e ardiloso, respeitado e temido pelos
ingleses, apelidado de “Raposa do Deserto”, consolidou sua posição de brilhante
estrategista e general de linha de frente tomando Bengasi e Tobruk, na Líbia, e chegando a El Alamein, a menos de 300 quilômetros da capital egípcia.

Quando Tobruk caiu, Hitler o nomeou marechal de campo, o mais jovem do Exército alemão – tinha então 49 anos. Em menos de um ano, porém, a superioridade numérica e de material fizeram com que os Aliados conseguissem expulsar o Exército alemão da África.

Rommel, no entanto, fora chamado de volta à Alemanha. Era preciso salvar sua reputação e a de Hitler. A propaganda nazista, porém, produziu uma série de reportagens para o cinejornal semanal, em que Rommel era representado no papel de “Conquistador” e “Herói da África do Norte”.

O general Gerd von Rundstedt o chamou de “palhaço do circo nazista”. A proximidade de Rommel com Hitler não era bem-vista entre os militares alemães, que o tinham como um oficial politizado e leal seguidor do Führer.

Rommel, no entanto, nunca entrou para o Partido Nazista ou qualquer outra de suas ramificações. Mas estava preso a uma cultura militar, de lealdade e disciplina, honra e cavalheirismo. Seu maior erro foi acreditar que política era servir a pátria, não importando quem fosse o chefe de Estado.

Descobriu tarde que dedicara a carreira a um homem sem escrúpulos. Nomeado comandante em chefe dos Exércitos alemães na França, ele organizou a “Muralha do Atlântico”, que tinha como objetivo impedir a invasão Aliada.

Rommel não deteve o desembarque Aliado e estava envolvido com a resistência alemã ao regime nazista quando foi ferido em julho de 1944, a poucos dias de um atentado contra Hitler.

Quando o ditador descobriu seu envolvimento com os conspiradores, lhe deu duas opções: enfrentar um tribunal e a vergonha pública ou cometer suicídio, salvar a família e receber um funeral com honras militares. Rommel optou pela segunda.


Personagens do Terceiro Reich

Rodrigo Trespach é autor de Personagens do Terceiro Reich ― A história dos principais nomes do nazismo e da Alemanha na Segunda Guerra Mundial.

Em uma nova abordagem, o autor revela detalhes de um dos tempos mais sombrios da História, a partir da biografia de diversas pessoas cujas trajetórias se cruzaram neste período.

Da ascensão do regime nazista até a vitória dos Aliados, Trespach revela os principais nomes que possuíam relação ― direta ou indiretamente ― com o Terceiro Reich. 

Dentre os personagens citados é possível encontrar: Goebbels, a cabeça da propaganda nazista; Himmler, o líder da SS; Mengele, o sádico médico; Keitel, o conselheiro; Bonhoeffer, o teólogo da resistência; e Stauffenberg, o oficial antinazista. 

Trespach explica, ainda, fatos poucos mencionados nos livros de História, como o uso de trabalho escravo por parte de empresas alemãs, durante o regime nazista na Alemanha.


+Saiba mais sobre esta e outras obras de Rodrigo Trespach disponíveis na Amazon 

Personagens do Terceiro Reich, de Rodrigo Trespach (2020) - https://amzn.to/3pikKEb

Histórias não (ou mal) contadas : Primeira Guerra Mundial, de Rodrigo Trespach (2018) - https://amzn.to/38t3RjU

1824: Como os alemães vieram parar no Brasil, criaram as primeiras colônias, participaram do surgimento da igreja protestante e de um plano para assassinar d. Pedro I, de Rodrigo Trespach (2019) - https://amzn.to/32wHwhC

Histórias não (ou mal) contadas ; Escravidão, do ano mil ao Século XXI, de Rodrigo Trespach (2018) - https://amzn.to/35eSABV

O Lavrador E O Sapateiro. Memória, Tradição Oral E Literatura, de Rodrigo Trespach (2013) - https://amzn.to/38viCmk

Vale lembrar que os preços e a quantidade disponível dos produtos condizem com os da data da publicação deste post. Além disso, a Aventuras na História pode ganhar uma parcela das vendas ou outro tipo de compensação pelos links nesta página.

Aproveite Frete GRÁTIS, rápido e ilimitado com Amazon Prime: https://amzn.to/2w5nJJp

Amazon Music Unlimited – Experimente 30 dias grátis: https://amzn.to/2yiDA7W