Curiosidades » Bizarro

Imposto da barba: quando Henrique VIII e Pedro I tributaram todos que tinham pelos faciais

O descumprimento da mirabolante tributação poderia causar punição em praça pública

Fabio Previdelli Publicado em 21/12/2019, às 09h00

Imagem ilustrativa de um homem cortando a barba
Imagem ilustrativa de um homem cortando a barba - Getty Images

Motivo de orgulho para uns, sinal exterior de riqueza e vaidade para outros, a barba sempre esteve presente no rosto de muitas personalidades ao longo da história. Como consequência, elas se tornaram alvo perfeito para a criação de um imposto. Essa insólita e maluca ideia ocorreu em 1535, durante o reinado de Henrique VIII.

Assim, as pessoas eram tributadas de acordo com sua posição social, ou seja, quanto maior o status do barbudo, mais ele teria que pagar. O rei argumentava que assim ele poderia redistribuir a riqueza pelos mais necessitados.

Henrique VIII / Crédito: Getty Images

 

O imposto durou alguns anos, mas logo foi engavetado. Entretanto, essa história não acabou nesse capítulo. No reinado de Isabel I, filha de Henrique VIII, o imposto retornou, mas desta vez com um modelo um pouco diferente. No período, todos aqueles que deixavam os pelos faciais crescerem mais de duas semanas sem serem aparados, seriam tributados.

Como se já não bastasse essa ideia mirabolante, o imposto chegou na Rússia, que era governada por Pedro I, ou Pedro o Grande. Fazia parte de seus esforços para modernizar a sociedade russa e seguir os padrões impostos por lá, ele optou por instituir uma tarifa em todos que usavam barba ou bigode.

Os homens barbudos que pagavam impostos deveriam carregar um curioso ‘token de barba’. O níquel era feito, geralmente, de prata ou cobre e tinha uma águia russa gravada em uma das faces. No outro lado, havia o desenho de um nariz, boca, bigodes e uma barba.

"Token de barba" russo de 1705 / Crédito: Wikimedia Commons

 

O token também tinha duas inscrições, numa dizia “o imposto sobre a barba foi cobrado” e no outro “a barba é um fardo supérfluo”. Os rebeldes que ‘resistiam’ ao imposto, poderiam ser punidos com uma tosa à força em praça pública. Para alegria dos barbudos, o imposto foi abolido em 1772.


Saiba mais sobre a vida de Henrique VIII através das seguintes obras:

As seis mulheres de Henrique VIII (edição de bolso), Antonia Fraser (2009)

link: https://amzn.to/35setLP

História da reforma: Um dos acontecimentos mais importantes da história do cristianismo em uma narrativa clara e envolvente, Carter Lindberg (2017)

link: https://amzn.to/34qqFvg

A reforma protestante, Peter Marshall (2017)

link: https://amzn.to/2qWZJ8y

Vale lembrar que os preços e a quantidade disponível dos produtos condizem com os da data da publicação deste post. Além disso, assinantes Amazon Prime recebem os produtos com mais rapidez e frete grátis, e a revista Aventuras na História pode ganhar uma parcela das vendas ou outro tipo de compensação pelos links nesta página.