Curiosidades » Monarquia

Imprevisto mórbido: por que a Família Real britânica sempre leva uma troca de roupa em suas viagens?

O protocolo bizarro virou regra obrigatória depois que a Rainha Elizabeth II passou por uma experiência traumática e inesperada

Pamela Malva Publicado em 24/06/2020, às 18h30

Família real britânica durante o batizado do príncipe Louis
Família real britânica durante o batizado do príncipe Louis - Divulgação/Twitter/Matt Holyoak

Entre as luxuosas paredes do Palácio de Buckingham, a vida da Família Real Britânica não é tão fácil quanto parece ser. Responsáveis pela coroa e por toda a Inglaterra, a Rainha Elizabeth II e seus parentes vivem sob um sistema rígido de regras inusitadas.

Desde a maneira como devem se portar até seus posicionamentos públicos e políticos, os membros da monarquia seguem uma extensa etiqueta há anos. Para muitos, é claro, esse sistema pode parecer sufocante — como para a Princesa Diana e Meghan Markle.

Crescidos nesse contexto, todavia, os herdeiros do trono estão mais do que acostumados com as regras bizarras que devem seguir. Por esse motivo, inclusive, eles sequer questionam quando devem carregar roupas extras em todas as suas viagens.

Príncipe William, Kate Middleton e seu primogênito saindo de avião / Crédito: Divulgação/Youtube

 

Exemplos do trono

Considerados os modelos da sociedade britânica, os membros da Família Real devem estar sempre bem vestidos, em trajes sofisticados e apresentáveis. Nem mesmo em viagens de férias eles podem relaxar e vestir roupas mais casuais.

Era de se esperar, então, que algumas situações exigissem um código de vestimenta ainda mais rígido. Todos os integrantes da coroa, então, devem estar preparados para momentos delicados, como o luto.

Tratado com grande respeito desde a Era Vitoriana, o luto na Inglaterra é coisa séria e, até hoje, os nobres da Família Real são obrigados a levar um conjunto de roupas pretas consigo para todas as suas viagens — independentemente do destino.

Princesa Diana, Príncipe Harry, Príncipe William e Príncipe Charles, respectivamente / Crédito: Divulgação

 

Experiências traumáticas

Em fevereiro de 1952, Elizabeth II estava em uma viagem oficial no Quênia quando recebeu a notificação de que seu pai, o Rei George VI, havia morrido. Devastada, ela rumou para a Inglaterra imediatamente, mas sequer dispunha da vestimenta correta.

Como aparecer no velório do próprio pai com roupas cotidianas estava fora de cogitação, um vestido preto foi providenciado de última hora. A futura Rainha da Inglaterra, então, trocou de roupas ainda no avião e partiu.

Daquele dia em diante, segundo o tabloide britânico The Sun, sempre que deixa o país, a realeza deve “levar uma roupa preta de luto na mala”. A ideia é evitar mais desconfortos e imprevistos que coloquem a rígida etiqueta da coroa em risco.

Ana, Charles, Elizabeth e Philip reunidos em fotografia real / Crédito: Wikimedia Commons

 

Uma lista sem fim

Ainda que possam parecer conservadoras e, por vezes, bizarras, as regras de vestimenta da Família Real são levadas a sério pela nobreza. Até porque, ir contra as obrigações da coroa significa contrariar a própria Rainha Elizabeth II e suas ordens.

Dessa forma, podemos perceber as muitas etiquetas seguidas pelos membros da Família Real sempre que eles saem do palácio. As mulheres, por exemplo, não podem usar chapéu após às 18h, nem tiara antes do pôr-do-sol.

No Reino Unido, nem mesmo os pequenos fogem da longa lista de tarefas e regras a serem cumpridas. Para a coroa, vestir calças compridas em crianças é considerado um hábito suburbano. Assim, meninos devem usar apenas shorts ou bermudas e meninas, vestidos, até os 8 anos de idade.

Rainha Elizabeth II e seus vários netos / Crédito: Divulgação

 

Uma vida na linha

Não pense, no entanto, que os rígidos protocolos da Família Real se resumem às vestimentas dos integrantes da coroa. Entre não fechar a própria porta, não demonstrar carinho em público, nem expressar opiniões políticas, as muitas regras são seguidas à risca por herdeiros e agregados há décadas.

Para muitos, no entanto, viver sob ordens tão expressas e inflexíveis é uma missão impossível. Esse foi o caso das jovens Princesa Diana e Meghan Markle. Mesmo tão distantes uma da outra, ambas sofreram com a rigidez da coroa.

Por vezes, Kate foi pega quebrando o protocolo real e, em ainda mais ocasiões, Diana declarou à qualquer um que quisesse ouvir que as regras do palácio chegavam a ser sufocantes. As duas, é claro, não foram criadas no contexto da nobreza e, muito por isso, tiveram certa dificuldade em se adaptar à mudança radical.


+Saiba mais sobre a família real britânica das obras abaixo, disponíveis na Amazon:

Diana. O Último Amor de Uma Princesa, de Kate Snell (2013) - https://amzn.to/2TgHgPO

The Queen: The Life and Times of Elizabeth II (Edição Inglês), de Catherine Ryan (2018) - https://amzn.to/2RhgNA7

God save the queen - O imaginário da realeza britânica na mídia, de Almeida Vieira e Silva Renato (2015) - https://amzn.to/2xTkiGd

O Amor Da Princesa Diana, de Anna Pasternack (2018) - https://amzn.to/2xOZ8c9

A história do século XX, de Martin Gilbert (2017) - https://amzn.to/2yFZMcv

Vale lembrar que os preços e a quantidade disponível dos produtos condizem com os da data da publicação deste post. Além disso, a Aventuras na História pode ganhar uma parcela das vendas ou outro tipo de compensação pelos links nesta página.

Aproveite Frete GRÁTIS, rápido e ilimitado com Amazon Prime: https://amzn.to/2w5nJJp 

Amazon Music Unlimited – Experimente 30 dias grátis: https://amzn.to/2yiDA7