Curiosidades » Religião

Jesus não estava só: os outros messias, que eram até mais populares que ele

Nos tempos de Jesus, uma multidão de profetas prometia liberdade, saúde, o apocalipse e a queda de Roma

Tiago Cordeiro Publicado em 24/12/2019, às 08h00

Representação dos outros messias
Representação dos outros messias - Arquivo/ Aventuras na História

A certa altura de A Vida de Brian (1979), dirigido por Terry Jones, cujo protagonista nasceu na manjedoura ao lado da de Jesus, uma multidão acorre a uma praça. É uma espécie de feirão de profetas, que esperam em fila para anunciar suas qualidades. O cenário religioso da época na Galileia era algo parecido, tirando, claro, o humor britânico do filme.

A região era um cadinho de seitas e crenças. Os judeus estavam lá, mas também havia a influência do mitraísmo persa e de cultos anímicos (sem contar os egípcios e seus deuses, ali pertinho). A invasão romana catalisou pregadores que anunciavam o apocalipse, que se misturavam a exorcistas e todo tipo de curandeiro.

Conheça alguns dos mais influentes.

1. Apolônio de tiana

Representação de Apolônio / Crédito: Wikimedia Commons

 

Os relatos sobre Apolônio, que datam do século 3, o apresentam como um grande filósofo e um dos profetas mais populares do século 1 - muito mais do que Jesus. Nascido por volta de 2 a.C., foi educado segundo os princípios de Pitágoras. Aos 20 anos de idade, fez um juramento de silêncio por 5 anos.

Depois, teria viajado até a Índia. Na volta, passou por Roma e Grécia, onde foi recebido como mágico e curandeiro, capaz de ressuscitar mortos. Construiu uma escola em Éfeso (Turquia), onde repassou seus ensinamentos, incluindo uma dieta vegetariana, até morrer, em 98. Seus discípulos continuaram ativos por pelo menos 150 anos.

2. Simão, o Mago

No livro bíblico dos Atos dos Apóstolos, Simão tenta comprar dos discípulos de Jesus o poder de fazer milagres. Nos Atos de Pedro, ele levita, até que Pedro reza para que ele caia no chão" sua perna quebra em três lugares e ele morre em consequência dos ferimentos.

Tanta atenção em textos bíblicos indica que o profeta era concorrente dos cristãos. Nascido na Samaria, pregou seus ensinamentos desde o Egito até Roma, incluindo a Palestina, e deixou seguidores, os simonianos, que só desapareceram no século 4. Para Simão, existiam duas encarnações de Deus na Terra. Ele era uma delas e a outra era Helena, uma prostituta com quem se casou.

3. Honi

Chamado traçador de círculos, por ter o hábito de meditar desenhando na areia, Honi Ha-M'agel era considerado por alguns rabinos o filho de Jeová enviado à Terra. Vivia isolado e comia o menos possível. Em uma de suas orações dentro do tal círculo, interrompeu um longo período de seca.

A tumba de Honi / Crédito: Wikimedia Commons

 

Na ocasião, teria discutido com Deus, dizendo que só sairia do lugar se chovesse - e ainda reclamou da qualidade da chuva. O Talmude, o livro sagrado judeu, diz que ele caiu em um longo sono de 70 anos e depois despertou. Também era conhecido como grande estudioso. Como Jesus, atribuía seus milagres à fé de quem os pedia.

4. João Batista

Primo de Jesus, de acordo com o Evangelho de Lucas, foi quem o batizou, no rio Jordão. Como líder religioso, João preparava seus discípulos para o fim do mundo. De acordo com o Novo Testamento, vestia peles, comia mel e gafanhotos e era tratado como uma reencarnação do profeta Elias.

Representação de João Batista / Crédito: Wikimedia Commons

 

Era muito mais popular do que Jesus. Nascido em 2 a.C., em uma aldeia nos arredores de Jerusalém, morreu no ano 27 a mando de Herodes Antipas 1º (10 a.C. 44), governador da Judeia. Seus discípulos eram numerosos e mantiveram uma religião por 3 séculos. A forma como João praticava o batismo foi incorporada pelos discípulos de Jesus.

5. Jesus de Ananias

Jesus era um nome muito comum na Palestina da época, tanto que, no ano 63, o sumo-sacerdote Jesus, filho de Damneu, foi substituído por Jesus, filho de Gamaliel. O Jesus filho de Ananias veio da zona rural e, em 62, circulou pelas ruas de Jerusalém profetizando a destruição do templo (a profecia se cumpriria 8 anos depois).

De acordo com o historiador Flávio Josefo, ele repetia, aos gritos: "Uma voz do oriente, uma voz do ocidente, uma voz dos 4 ventos; uma voz contra Jerusalém e o santuário, uma voz contra o noivo e a noiva, uma voz contra o povo!" Foi levado a julgamento, mas acabou inocentado por ser considerado louco.

6. Banus

Eremita, viveu no deserto da Judeia em meados do século I. Dormia ao ar livre, sem se proteger do frio ou dos animais, a quem tratava com reverência. Vestia folhas e cascas de árvores e se banhava com água gelada o tempo todo, cada banho era cheio de rituais complicados, que tinham o objetivo de purificar corpo e alma na preparação para o fim do mundo.

Tinha um pequeno grupo de seguidores, a quem anunciava que o apocalipse estava próximo e era preciso abandonar qualquer apego por prazeres mundanos. Seus discípulos não eram bem organizados e acabaram se dispersando depois que ele morreu.

7. Eleazar

O exorcista mais famoso da Palestina na 2ª metade do século 1. Chegou a retirar demônios de um grupo inteiro de pessoas na frente do imperador Vespasiano (9-79). O ritual consistia em colocar, debaixo do nariz do possuído, um anel recheado de raízes que teriam sido prescritas pelo rei Salomão.

O cheiro forte levava a pessoa a espirrar várias vezes e o espírito saía pelo nariz. Para dar impacto à cena, Eleazar colocava uma bacia de metal cheia de água - ao ser expulsa, a entidade derrubava o líquido e a bacia com grande estrondo. Seu diálogo com os demônios lembra as frases de Jesus Cristo, um exorcista reconhecido.

8. Hanina ben dosa

Nasceu e viveu em Arava, a 19 km de Nazaré. Devoto da fé judaica, rezava com tanta intensidade que, conta-se, certa vez não percebeu que uma cobra venenosa havia mordido seu pé. Mas ele ficou bem e a cobra morreu. Curiosamente, no Evangelho de Lucas, Jesus diz: "Dei-lhes o poder de pisar em serpentes, e nada poderá lhes causar danos".

Como o texto foi escrito entre o fim do século 1 e o começo do 2, é possível que o autor tenha feito referência ao famoso profeta. Hanina tinha fama de fazer chover, de curar pessoas a distância e de fazer renascer árvores e animais. Viveu e morreu na miséria.

9. Enahem, o Essênio

Respeitado pela capacidade de fazer profecias, encontrou Herodes e o saudou como o futuro rei dos judeus. Quando, de fato, alcançou o cargo, Herodes (73 4 a.C.) transformou Menahem em consultor. Viveu cercado por um pequeno grupo de seguidores, a quem ensinava a arte de realizar profecias. Depois que Herodes morreu, tentou conspirar contra os romanos.

Foi perseguido, julgado e crucificado. Seu corpo foi jogado na rua. Para o historiador Israel Knohl, autor de The Messiah Before Jesus (O Messias Antes de Jesus), Jesus conhecia bem a história de Menahem e queria para si um destino parecido.


+Saiba mais sobre a trajetória de Cristo através de importantes obras 

As parábolas de Jesus comentadas por John Macarthur: Os mistérios do Reino de Deus revelados nas histórias contadas pelo Salvador, John Macarthur, 2016 - https://amzn.to/2OBgJJt
 
Como Jesus se tornou Deus, Bart D. Ehrman (Kindle) - https://amzn.to/2QGQPX9
 
Jesus, o homem mais amado da História: A vida daquele que ensinou a humanidade a amar e dividiu a História em antes e depois, Rodrigo Alvarez, 2018 - https://amzn.to/2DbcNJS
 
JesusCopy: A revolução das cópias de Jesus, Douglas Gonçalves, 2016 - https://amzn.to/33g9Y4N
 

Vale lembrar que os preços e a quantidade disponível dos produtos condizem com os da data da publicação deste post. Além disso, assinantes Amazon Prime recebem os produtos com mais rapidez e frete grátis, e a revista Aventuras na História pode ganhar uma parcela das vendas ou outro tipo de compensação pelos links nesta página.