Curiosidades » Bizarro

Mistério marítimo: Nesse dia, em 1872, o veleiro Mary Celeste era encontrado à deriva

Por que uma embarcação em perfeitas condições para navegar seria abandonado às pressas por sua tripulação? Entenda o enigma que instigou diversas teorias ao longo dos anos

Ingredi Brunato Publicado em 04/12/2020, às 07h00 - Atualizado às 08h00

Pintura imaginando o Mary Celeste, de artista desconhecido
Pintura imaginando o Mary Celeste, de artista desconhecido - Wikimedia Commons

Em 4 de dezembro de 1872, o veleiro norte-americano de dois mastros chamado Mary Celeste foi encontrado à deriva no meio do Atlântico, e esse foi o início de um mistério que permanece sem solução até os dias atuais. A última entrada de um diário de bordo encontrado em uma das cabines havia sido dez dias antes - e esse foi o último registro deixado pelos tripulantes daquele navio. 

Ele foi localizado por uma embarcação canadense, a Dei Gratia. Seu capitão, David Morehouse, estranhou os movimentos erráticos do veleiro, assim como suas velas e cordame em más condições, e logo constatou que o convés de Mary Celeste estava completamente vazio. 

Todavia, a embarcação norte-americana não apenas estava sem tripulação, como também apresentava vários detalhes esquisitos, que não pareciam apontar nenhuma narrativa em especial que pudesse explicar o que havia ocorrido ali. 

Pintura de George McCord do porto de onde o Mary Celeste saiu, em Nova York do século 19 / Crédito: Wikimedia Commons

 

Algumas das peças do quebra-cabeça  

Apesar do veleiro estar em boas condições para navegar, por exemplo, o bote salva-vidas estava ausente, indicando que seus marinheiros haviam abandonado o Mary Celeste. Se a tripulação tivesse feito uma saída calculada do barco, todavia, teria levado algumas das provisões de comida (que eram amplas) e objetos pessoais, porém não foi o que aconteceu — esses foram deixados, na maioria, intocados. 

Apenas os documentos e instrumentos de navegação foram levados, sinal de uma saída às pressas, em meio a uma situação de desespero, e não uma ação planejada. Inclusive, a tampa da caixa de vidro que guardava a bússola estava trincada, mas não havia terminado de ser aberta, como se a pessoa tivesse desistido no meio da ação. 

É aqui que o enigma faz um círculo completo: porque os tripulantes estariam em desespero se o veleiro não corria risco de afundar? 

Até foi encontrada água no porão, mas eram apenas onze pés, o que estava longe de apresentar uma ameaça para um navio daquele porte. Também vale mencionar que não foram encontrados sinais de brigas ou focos de incêndio. 

Especulações 

Mais tarde, quando Morehouse tentou conseguir algum dinheiro pelo resgate da embarcação abandonada, que fora conduzida por ele com muita dificuldade até o porto mais próximo, o relatório do procurador-geral responsável pela audiência mencionou manchas de sangue e arranhões no casco do veleiro que teriam sido causados por um machado. 

A teoria elaborada então seria de que ocorrera um motim dos tripulantes contra o capitão, ou então um encontro com piratas; ignorando a ausência de evidências indicando brigas. Essa especulação foi derrubada definitivamente pela verificação científica de que as manchas não eram de sangue, e os arranhões tinham causas naturais. A carga de álcool desnaturado do Mary Celeste também estaria intacta, o que também não faria sentido dentro dessa explicação. 

Outra hipótese levantada foi de que o capitão da embarcação norte-americana teria entrado em pânico em meio a uma tempestade ou tromba d’água, julgando que a água do porão estava enchendo muito mais rapidamente do que de fato estava. Vale dizer aqui também que o capitão Benjamin Briggs seria um marinheiro experiente, o que coloca em questionamento a ideia de que o mesmo teria sido movido por um medo irracional. 

Fotografia de uma tromba d'água / Crédito: Wikimedia Commons

 

Como o mistério continuou em aberto, o caso do Mary Celeste inevitavelmente ganhou outras interpretações ao longo dos anos, muitas delas sobrenaturais. Lulas gigantes e outros monstros marítimos apareceram em algumas das lendas envolvendo o veleiro. Criaturas assustadoras o suficiente para fazer uma tripulação abandonar um navio em bom estado às pressas.

Na ficção 

Fotografia de Arthur Conan Doyle / Crédito: Wikimedia Commons

 

O mistério da embarcação encontrada à deriva aparentemente sem explicação ainda inspirou uma história do autor britânico Arthur Conan Doyle, todavia, houveram diversas modificações em relação ao que de fato aconteceu, incluindo a troca do nome do navio para "Marie Celeste". 


+Saiba mais sobre expedições marítmas com as obras abaixo:

No coração do mar, Nathaniel Philbrick (2000) - https://amzn.to/2ElJuFb

A expedição Kon-Tiki, Thor Heyerdahl (2013) - https://amzn.to/2syPLuo

Fernão de Magalhães: A magnífica história da primeira circum-navegação da Terra, Gianluca Barbera (2019) - https://amzn.to/35q8Tta

Vale lembrar que os preços e a quantidade disponível dos produtos condizem com os da data da publicação deste post. Além disso, a Aventuras na História pode ganhar uma parcela das vendas ou outro tipo de compensação pelos links nesta página.

Aproveite Frete GRÁTIS, rápido e ilimitado com Amazon Prime: https://amzn.to/2w5nJJp 

Amazon Music Unlimited – Experimente 30 dias grátis: https://amzn.to/3b6Kk7du