Curiosidades » Personagem

Há 325 anos, Zumbi dos Palmares era morto e exposto em praça pública

Em entrevista à AH, a autora Carla Caruso e o historiador Fernando Costa explicam quem foi Francisco, o Zumbi, e qual foi sua importância para a luta por liberdade no sistema colonial da época

Pamela Malva Publicado em 20/11/2020, às 00h00 - Atualizado às 08h00

Ilustração de Zumbi dos Palmares
Ilustração de Zumbi dos Palmares - Divulgação

Neste dia, há exatos 325, morria o homem conhecido como Zumbidos Palmares. Nascido na Capitania de Pernambuco, em pleno Brasil Colonial, ele tornou-se um dos últimos líderes do Quilombo dos Palmares, o maior da época.

Tido como o herói do mocambo — sinônimo moderno utilizado para os quilombos —, ele ainda ganhou o apelido de Zumbi, o senhor da guerra. Filho de negros, o menino, que chamava Francisco, nasceu livre, mas foi escravizado aos seis anos.

Quando adulto, o jovem foi inserido em um acordo com o qual ele não concordava. Indignado com a liderança do Quilombo dos Palmares, que já existia desde a década de 1580, Francisco assumiu o posto, tornando-se o Zumbi, aos 23 anos.

A vida em Palmares / Crédito: Acervo AH

 

Um jovem em constante batalha

"Pouco se sabe sobre sua vida e morte [de Zumbi], pois não existem muitos relatos e algumas fontes sobre sua trafegaria são lacunares ou superficiais", explica o professor de História, Sociologia, Filosofia e Atualidades Fernando Costa, que leciona cursos on-line e oferece conteúdos gratuitos para alunos no Youtube.

Ainda assim, sabe-se que, no total, Zumbi liderou o mocambo durante 17 anos. Dessa posição, o jovem ganhou tanta influência que, hoje em dia, é considerado um símbolo da resistência negra, segundo a Secretaria da Educação do Estado de São Paulo.

“O Zumbi representa simbolicamente uma voz, uma força, que se levanta em um sistema escravista e colonial”, explica a ficcionista Carla Caruso, autora do livro Zumbi: O último herói dos Palmares. “Ele lutou para manter esse sistema fora do sistema”.

Na opinião da escritora, que produziu o livro ficcional inspirado na luta de Zumbi, tudo que ele queria era dar continuidade à hegemonia do quilombo. Ainda assim, é importante ressaltar que Francisco “nunca lutou pela libertação dos escravos”, por mais que ele tenha se tornado o símbolo “de uma luta por autonomia, pelo ser livre”.

Representação de Zumbi - Crédito: Wikimedia Commons

 

Polêmicas de um líder

Pai de três filhos, Francisco era casado com Dandara, uma das maiores guerreiras negras do período colonial. Embora fosse, de fato, um símbolo, no entanto, Zumbi não fugiu dos boatos e das conspirações que o perseguiram no futuro.

Como toda figura histórica, então, Zumbi dos Palmares tornou-se um personagem chave do Brasil. Da mesma forma, ele passou a ter seu nome envolvido em algumas polêmicas — fossem elas embasadas em documentos, ou não.

Foi assim que nasceu a ideia, por exemplo, de que Zumbi nunca foi o verdadeiro herói dos Palmares, mas sim Ganga-Zumba. Junto dessa, outra teoria diz que, seguindo as tradições coloniais, Zumbi tinha seus próprios escravos.

Teorias de uma mesma história

"A polêmica sobre Zumbi ter ou não escravos teve início em 2007, com o livro “Divisões Perigosas”, do antropólogo José de Sousa Martins", explica Fernando. "O livro não traz nenhuma fonte historiográfica que certifique a afirmação de escravidão em Palmares, apenas a opinião do autor".

Para Carla, tal teoria é bastante complexa. Mas tudo começa pela ideia de que “o sistema da época era escravista, então muitos escravos libertos começavam a ter seus próprios escravos”. Contudo, não é possível afirmar, a partir de documentos históricos, por exemplo, que Zumbi tinha seus próprios escravos.

"Não há prova arqueológica, antropológica ou documental de que havia escravidão em Palmares", pontua Fernando, lembrando que "nenhum grilhão, corrente ou senzala foi encontrado naquele local". Segundo o professor, "Palmares era uma comunidade de plantio de subsistência que acolhia negros e negras em fuga, mas também indígenas, caborés, cafuzos, mazombos, brancos e outras etnias que desejavam liberdade da amarra colonial" que dominava as demais regiões na época.

Busto de Zumbi, no Rio de Janeiro / Crédito: Wikimedia Commons

 

“É sabido que na Angola, por exemplo, e em muitos outros sistemas africanos, as pessoas pagavam suas dívidas com filhos ou sobrinhos, que iam trabalhar de escravos”, esclarece Carla. “Então o sistema da escravidão, essa troca, essa forma de trabalho, existia em algumas regiões da África.”

Ainda assim, na opinião da autora, é importante ressaltar que existem diferenças entre os sistemas escravistas. “Uma coisa é o sistema escravista, outra foram os brancos, as grandes potências, terem usado essa característica cultural para arrastar um contingente de pessoas e escravizá-las em outro país.”

Dos Palmares para o mundo

Zumbi acabou sofrendo como o líder de qualquer movimento. Perseguido pelos supremacistas da época, foi morto no dia 20 de novembro de 1695 — e Dandara, por sua vez, cometeu suicídio. "Sabe-se que ela suicidou-se depois de presa, em 6 de fevereiro de 1694, durante sua fuga para não voltar na condição de escravizada", contou Fernando.

Era o fim de um movimento, de uma voz pulsante e de um homem que lutava por seus ideais. Como o representante que era, Zumbi também morreu nas mãos de homens que colocaram seus restos em exposição, como se sua morte fosse um aviso.

Séculos mais tarde, a Lei 12.519, instaurada em 2011, declarou que o dia da morte de Francisco seria o Dia Nacional de Zumbi e da Consciência Negra. Foi assim que uma voz se tornou movimento, se tornou punhos erguidos na esperança por igualdade.


++ Conheça o trabalho de Fernando Costa no Youtube:


++ Conheça a obra de Carla Caruso através da Amazon Brasil:

Zumbi: O último herói dos Palmares (A luta de cada um), Carla Caruso, 2011 - https://amzn.to/3nDD7Sf

Vale lembrar que os preços e a quantidade disponível dos produtos condizem com os da data da publicação deste post. Além disso, a Aventuras na História pode ganhar uma parcela das vendas ou outro tipo de compensação pelos links nesta página.

Aproveite Frete GRÁTIS, rápido e ilimitado com Amazon Prime: https://amzn.to/2w5nJJp

Amazon Music Unlimited – Experimente 30 dias grátis: https://amzn.to/2yiDA7W