Curiosidades » Múmias

A múmia que revelou os avanços da Idade Média

Tendo pertencido ao século 13, o corpo dissecado revelou informações surpreendentes a respeito do acesso a informação presente na Idade das Trevas

Caio Tortamano Publicado em 02/06/2020, às 07h00

Cabeça e ombros dissecados pertencentes a Idade Média
Cabeça e ombros dissecados pertencentes a Idade Média - Divulgação

O busto de uma pessoa, datando de 1200 a 1280 chamou a atenção da comunidade científica em 2013, pelo seu estado de conservação e por mostrar traços fundamentais da sociedade européia da Idade das Trevas. Novas análises foram feitas no que é considerado a mais antiga dissecação humana na Europa revelam que médicos da época não eram tão pouco curiosos como a denominação da época sugere.

Considerada como uma parte anti-científica da história europeia, a Idade das Trevas na realidade não ficou no ostracismo quanto a descobertas médicas, como foi constatado pela pesquisa da equipe de Philippe Charlier, pesquisador forense do Hospital Universitário R. Poincare, na França. O item estudado consiste de uma cabeça e ombros em ótimo estado de conservação, com apenas o topo do crânio aberto e o cérebro retirado.

De acordo com as descobertas de Charlier “eu imagino que o responsável pela operação não realizou ela apenas uma vez, bem como outras várias com outros pacientes para ser tão bom com isso”, afirmou o pesquisador. As artérias da cabeça estudada estavam entupidas de uma cera vermelha, responsável por manter o bom estado de conservação do corpo.

A equipe não esperava que o corpo encontrado fizesse parte do século 13, muito por conta do pouco conhecimento científico que se tem a respeito de estudos anatômicos da Idade das Trevas. Datação por meio de radiocarbono confirmou a idade do cadáver dissecado, tornando ele o mais antigo de toda Europa a se ter registro.

Cabeça e ombros dissecados pertencentes a Idade Média / Crédito: Divulgação

 

O corpo masculino não foi simplesmente aberto sem nenhuma referência, ele foi colocado em conserva, possivelmente para estudos póstumos. A identidade que esse homem teria, porém, é meramente especulativa, provavelmente tendo três origens distintas: um prisioneiro falecido, uma pessoa internada em algum centro médico, ou mesmo apenas um indigente, do qual o corpo ninguém reivindicou.

Pertencente a uma coleção particular, o homem dissecado fará parte do acervo do Museu da História da Medicina, em Paris, e estará em exposição para os seus visitantes.

Idade das Trevas

O período denominado como tal compreende o final do domínio do Império Romano sob a Europa até o Renascentismo. O nome foi concedido por históriadores do século 19, que acreditavam que era um momento de barbárie e ignorância, especialmente por conta da altíssima taxa de analfabetismo nos reinos.

Os pesquisadores medievais contemporâneos, entretanto, vem trabalhando para desmistificar a visão de que foi um período de conhecimento intelectual perdido, o que se demonstra uma grande falácia. Essa narrativa mentirosa, por assim dizer, foi muito motivada pelos historiadores britânicos protestantes, que incitavam um movimento anti católico depois do rompimento com a Igreja nas Reformas de Lutero.

Líder religioso Martinho Lutero / Crédito: Wikimedia Commons

 

Por exemplo, o matemático renascentista Copérnico, que desenvolveu teorias corretas a respeito do movimento de rotação e translação da Terra — afirmando o heliocentrismo — creditou suas pesquisas ao poeta romano Virgílio. Na realidade, sua pesquisa se baseou em um padre francês que viveu entre 1300 e 1358 (portanto, na Idade das Trevas) chamado Jean Buridan.

Contra-cristianismo

Por toda essa situação, foi amplamente difundido que a Igreja Católica não permitia que a Igreja medieval permitisse autópsias e dissecações humanas, e que isso teria atrasado os avanços médicos na época. Isso, na realidade, aconteceu em diferentes sociedades ao longo das eras, como a Grécia Antiga e Roma (louvadas por historiadores e pesquisadores protestantes). 

Na realidade, a Igreja Católica solicitou a realização de algumas dissecações ao longo da Idade Média, o primeiro exemplo conhecido foi realizado em 1308, quando freiras abriram o corpo de Chiara de Montefalco, uma abadessa que seria canonizada em 1881.

Seja como for, a importância dos estudos desse corpo humano dissecado são inegáveis. Graças a pesquisadores, hoje é possível se ter maior conhecimento e entendimento das práticas médicas que, por eras, acreditávamos não terem sido praticadas.


+Saiba mais sobre arqueologia por meio de grandes obras disponíveis na Amazon:

Arqueologia, de Pedro Paulo Funari (2003) - https://amzn.to/36N44tI

Uma breve história da arqueologia, de Brian Fagan (2019) - https://amzn.to/2GHGaWg

Descobrindo a arqueologia: o que os mortos podem nos contar sobre a vida?, de Alecsandra Fernandes (2014) - https://amzn.to/36QkWjD

Manual de Arqueologia Pré-histórica, de Nuno Ferreira Bicho (2011) - https://amzn.to/2S58oPL

História do Pensamento Arqueológico, de Bruce G. Trigger (2011) - https://amzn.to/34tKEeb

Vale lembrar que os preços e a quantidade disponível dos produtos condizem com os da data da publicação deste post. Além disso, a Aventuras na História pode ganhar uma parcela das vendas ou outro tipo de compensação pelos links nesta página.

Aproveite Frete GRÁTIS, rápido e ilimitado com Amazon Prime: https://amzn.to/2w5nJJp 

Amazon Music Unlimited – Experimente 30 dias grátis: https://amzn.to/2yiDA7W