Curiosidades » Monarquia

Jantar real: As curiosas regras de etiqueta da monarquia inglesa

Existem algumas normas obrigatórias em cada uma das refeições da coroa que, apesar dos séculos, permanecem até hoje

Izabel Duva Rapoport Publicado em 21/11/2021, às 11h00

Rainha Elizabeth II em jantar em Londres, em 2018
Rainha Elizabeth II em jantar em Londres, em 2018 - Getty Images

Uma das etiquetas mais tradicionais da família real britânica à mesa envolve todos os membros e convidados, que devem se guiar pelo comportamento do rei ou da rainha: assim que o monarca dá a última garfada no seu prato, as pessoas devem terminar a refeição, estejam elas satisfeitas ou não.

Dizem que comer com a rainha Vitória, por exemplo, não era uma tarefa tão simples, pois ela costumava devorar a comida com muita rapidez. Hoje, os convidados de um jantar na Casa Real, além de ficar de olho no fim da refeição de Elizabeth II, devem observar também a posição da bolsa ou carteira da soberana: se ela trocar o objeto de lugar, é sinal de que o assunto daquele momento deve ser encerrado.

Aliás, em recepções oficiais, as conversas costumam ser bem planejadas. Primeiro, a rainha deve falar com quem está à sua direita e, após o segundo prato, com quem está à esquerda. Uma empresa trabalha especialmente na organização da mesa, nesses casos.

Outra regra já bem antiga entre os membros do palácio britânico é não consumir frutos do mar, carne crua e água não engarrafada. Essa restrição se vale ao alto potencial desses itens à intoxicação alimentar e é seguida à risca pela atual rainha. Mas, com o passar dos anos e com os avanços sanitários no setor da alimentação, essa proibição vem perdendo força entre as novas gerações da realeza.

Também faz parte da etiqueta da família não negar presente algum — porém, se algum membro real receber qualquer quitute como lembrança, não poderá provar. O motivo? Evitar riscos, protegendo a vida e o poder da monarquia.