Curiosidades » Nazismo

O plano insano de Hitler: Reviver animais primitivos da Alemanha e caçá-los

Além de acreditar na superioridade da "raça" ariana, o líder nazista também já quis controlar o mundo animal

Isabela Barreiros Publicado em 11/10/2019, às 08h00

Auroque, um bovino selvagem extinto no século 17
Auroque, um bovino selvagem extinto no século 17 - Pixabay

Não muito distante da ideia dos filmes da franquia Jurassic Park, Hitler e os nazistas tinham um plano, no mínimo, insano que envolvia animais — e não humanos como normalmente faziam os obcecados com a “raça” ariana.

A ideia era recriar florestas antigas que estavam no imaginário popular da Alemanha e continham inúmeras espécies de animais também primitivos. Mas isso não era o mais estranho. Eles planejavam, depois de todo o processo, fazer últimas sessões de caça, matando todos os animais assim que eles fossem reconstituídos. 

O projeto não começou com Hitler. De maneira, ainda, privada, os irmãos zoólogos Lutz e Heinz Heck foram os primeiros a pensarem o plano. No entanto, pouco tempo depois, um deles, Lutz, começou a abraçar o regime, tornando-se muito próximo de Hermann Göring, um dos mais importantes militares do nazismo e segundo em comando de Hitler.

Os irmãos se propuseram a recriar espécies bem específicas. Eles focaram nos auroques, grandes bovinos selvagens que viviam na Europa e na Ásia extintos no século 17, e nos tarpãs cavalos nativos da Mongólia também extintos. O lugar escolhido pelos cientistas para “voltar ao tempo” foi a floresta de Bialowieza, na Polônia

Um tarpã / Crédito: Wikimedia Commons

 

Entretanto, o plano não para frente. Os Hecks conseguiram reproduzir o que imaginavam que teria sido um auroque, mas apenas 14 anos depois do início da ideia. 

Ainda que pudesse parecer fisicamente com o animal, outros especialistas que analisaram a pesquisa disseram que, geneticamente, o bovino primitivo estava muito distante do que foi feito pelos nazistas. Lutz ainda soltou a criatura na floresta depois dos experimentos, e Bialowieza cresce hoje como uma vasta reserva natural, localizada entre a Polônia e a Bielorrússia.