Curiosidades » Índia

Templos de Khajuraho: as figuras curiosas nos templos indianos

O significado por trás dos monumentos ainda são motivo de debate entre os especialistas, mas existe uma hipótese principal

Vanessa Centamori Publicado em 09/10/2020, às 11h00

Conjunto de Templos de Khajuraho
Conjunto de Templos de Khajuraho - Wikimedia Commons

O ambiente sagrado, sobretudo devido à influência cristã, costuma ser visto como espaço onde não cabe nenhum exagero sexual. A libertinagem, entretanto, ganha destaque em 10% das esculturas do complexo de templos de Khajuraho, em Madhya Pradesh, na Índia Central. 

Conjunto de Templos de Khajuraho / Crédito: Wikimedia Commons 

 

Os monumentos eróticos são da dinastia Chandella e datam entre 950 d.C. e 1130 d.C. Apesar de hoje serem considerados de grande importância — são Patrimônio da Humanidade pela UNESCO — eles já foram alvo de perseguição no século 13, durante políticas intolerantes do sultanato muçulmano de Delhi. Por isso, apenas 22 torres ainda resistem. Mas afinal, por que elas retratam temas sexuais?

Esculturas do conjunto de Templos de Khajuraho / Crédito: Divulgação/Khan Academy 

 

Principal hipótese 

Embora não haja uma explicação consensual por trás de Khajuraho, a principal teoria diz que o complexo, referente às religiões do Hinduismo e Jainismo, celebrava a vida humana e seus muitos aspectos, entre os quais, o sexo. A combinação de dois deuses principais, Shakti e Shiva, desse modo, representa um encontro entre a Feminilidade e Masculinidade que as duas entidades simbolizam. 

Escultura erótica do Conjunto de Templos de Khajuraho / Crédito: Wikimedia Commons 

 

Mas também há diferentes figuras entrelaçadas em posição de Mithunas, termo que, em sânscrito, descreve a união sexual em contexto ritualístico. Em outras palavras, essas imagens também estariam representando o lado masculino e feminino em combinação carnal — um equilíbrio importante no Tantrismo (movimento que influenciou tanto os hindus quanto os jainistas). 

Conjunto de Templos de Khajuraho / Crédito: Wikimedia Commons 

 

No jainismo, o centro são os seres humanos e suas preocupações, que não dependem de um deus criador. Embora os jainistas admitam a existência de deuses, em um sistema que está acima do mundo humano, as divindades, segundo a crença, não têm influências sobre os assuntos dos seres mortais. Já no hinduísmo, há um pluralismo de deuses que afetam a vida cotidiana, mas também não há um fundador único. 

Entre os anos 900 e 1300 d.C, vários templos hindus e jainistas possuíam artes eróticas, mas, essas esculturas ficavam abaixo do nível dos olhos e raramente eram notadas. Khajuraho é especial por ter figuras mais proeminentes na parede principal dos templos.


+Saiba mais sobre a sexualidade através dos anos com os livros abaixo

Prazeres e pecados do sexo na história do Brasil, Paulo Sérgio do Carmo (2019) - https://amzn.to/33yq2mh

O Livro do Amor, Regina Navarro Lins (2012) - https://amzn.to/3fAufIz

História da sexualidade, Michel Foucault (2014) - https://amzn.to/3gNj1Cd

Vale lembrar que os preços e a quantidade disponível dos produtos condizem com os da data da publicação deste post. Além disso, a Aventuras na História pode ganhar uma parcela das vendas ou outro tipo de compensação pelos links nesta página.

Aproveite Frete GRÁTIS, rápido e ilimitado com Amazon Prime: https://amzn.to/2w5nJJp 

Amazon Music Unlimited – Experimente 30 dias grátis: https://amzn.to/2yiDA7W