Busca
Facebook Aventuras na HistóriaTwitter Aventuras na HistóriaInstagram Aventuras na HistóriaYoutube Aventuras na HistóriaTiktok Aventuras na HistóriaSpotify Aventuras na História
Curiosidades / Oscar

Oscar: O dia em que Fernanda Montenegro representou o Brasil

Na edição do Oscar de 1999, Central do Brasil colocou o Brasil na disputa de duas categorias, mas não venceu nenhum dos dois

Fabio Previdelli

por Fabio Previdelli

fprevidelli_colab@caras.com.br

Publicado em 10/03/2024, às 09h00

WhatsAppFacebookTwitterFlipboardGmail
Fernanda Montenegro no Oscar e cena de 'Central do Brasil' - Reprodução/Vídeo e Divulgação / Europa Filmes
Fernanda Montenegro no Oscar e cena de 'Central do Brasil' - Reprodução/Vídeo e Divulgação / Europa Filmes

Neste domingo, 10, a partir das 20 horas, acontece a Cerimônia do Oscar 2024. O grande destaque desta edição fica por conta de Oppenheimer — o longa que conta a história do pai da bomba atômica concorre a 13 estatuetas: como Melhor Filme, Melhor Diretor (Christopher Nolan) e Melhor Ator (Cillian Murphy).

Enquanto isso, a cinebiografia de Julius Robert Oppenheimer é seguida por 'Assassinos da Lua das Flores', que recebeu dez indicações. Quem será o grande vencedor? 

Uma das principais categorias da premiação, a estatueta de Melhor Atriz, este ano, será disputada por Lily Gladstone (Assassinos da Lua das Flores); Sandra Hüller (Anatomia de uma Queda); Carey Mulligan (Maestro); Emma Stone (Pobres Criaturas); e Annette Bening (Nyad). 

Entretanto, há exatos 25 anos, o Brasil teve uma representante na categoria: Fernanda Montenegro, que concorreu ao prêmio por seu icônico papel em Central do Brasil; relembre!

Central do Brasil

Dirigido por Walter Salles, 'Central do Brasil' concorreu ao Oscar de 1999 em duas categorias: Melhor Filme Estrangeiro e Melhor Atriz (prêmio pelo qual Fernanda Montenegro foi indicada). 

O longa conta a história de Josué (Vinícius de Oliveira), um garoto de nove anos que perdeu sua mãe e é acolhido por Dora, uma mulher solitária interpretada por Fernanda Montenegro, que trata de ajudar pessoas analfabetas transcrevendo cartas na Central do Brasil — uma estação de trens metropolitanos que realmente existe, no Rio de Janeiro.

+ Central do Brasil: A história real que inspirou o filme

A partir do encontro, os dois personagens embarcam em uma jornada pelo interior do Brasil em busca do pai de Josué. Embora não tenha vencido nenhuma das disputas no Oscar de 1999, Central do Brasil foi o vencedor do Globo de Ouro e do BAFTA como Melhor Filme Estrangeiro

Cena do filme 'Central do Brasil' - Divulgação / Europa Filmes

No maior prêmio da história do cinema, porém, acabou desbancado pelo italiano 'A Vida é Bela' — que se passa durante a Segunda Guerra Mundial e acompanha a trajetória de um simples ítalo-judeu que acaba capturado e enviado com seu filho e a esposa para um campo de concentração nazista.

Melhor Atriz

Já na categoria Melhor Atriz, Fernanda Montenegro acabou disputando com outras grandes atrizes, como Meryl Streep, Cate Blanchett e Gwyneth Paltrow — está última, inclusive, saiu vencedora naquele ano por seu papel em 'Shakespeare Apaixonado'.

Josué (Vinícius de Oliveira) e Dora (Fernanda Montenegro) / Crédito: Divulgação

Fernanda Montenegro foi a primeira atriz latino-americana a disputar a categoria — igualada no ano passado, quando a cubana Ana de Armas concorreu por seu papel em Blonde.

Durante entrevista ao programa Good Morning America, a atriz Glenn Close relembrou a vitória de Gwyneth Paltrow. Na visão da atriz, Fernanda Montenegro deveria ter sido a grande vitoriosa da noite.

Durante entrevista ao Programa do Bial, em 2020, Fernanda agradeceu o elogio, entretanto, discordou do ponto de vista de Close

"É uma avaliação dela. Eu teria dado o prêmio para [Cate] Blanchett. Ela tinha feito duas Rainhas Elisabeth naquele ano extraordinárias", disse ela ao apresentador.

Já em entrevista à Veja, em 2021, Fernanda recordou a indicação: 

Prêmios, às vezes, vêm. Às vezes, não. O momento daquele Oscar foi inesperado. E daí? O filme de Walter Salles continua sendo um 'não Oscar' maravilhoso. A vida continuou. A vida continua", disse.