Curiosidades » Ciência

Por qual razão lulas bebês foram levadas ao espaço?

No início de junho, a Nasa enviou os pequenos moluscos em uma importantíssima missão espacial

Giovanna Gomes, sob supervisão de Thiago Lincolins Publicado em 26/06/2021, às 10h00

Lulas bebês
Lulas bebês - Divulgação/Jamie S. Foster/University of Florida/NASA

O lançamento de um foguete ao espaço é sempre um grande e surpreendente evento, mas no dia 3 deste mês, a SpaceX deu início a uma missão mais do que curiosa.

A 22ª missão de reabastecimento para a Estação Espacial Internacional chamou atenção em razão de seus tripulantes um tanto incomuns.

A bordo do Falcon 9 estão: 128 lulas bebês e 5 mil tardígrados, microorganismos também chamados de ursos d'água.

De acordo com um comunicado da Nasa, publicado em seu site oficial, o intuito é realizar um experimento para estudar os efeitos dos voos espaciais na interação entre micróbios benéficos e seus hospedeiros animais.

Foguete Falcon 9 durante lançamento em 2020 / Crédito: Getty Images

 

"Os micróbios desempenham um papel significativo no desenvolvimento normal dos tecidos animais e na manutenção da saúde humana", afirma o texto da agência.

O Laboratório Marinho de Kewalo, que disponibilizou as lulas para a missão, cria esses animais para a realização de pesquisas em toda parte do mundo. No caso da missão da SpaceX, os moluscos deverão retornar à Terra no próximo mês.

Mas por que lulas?

As lulas pussuem um sistema imunológico muito parecido com os nossos e, por isso, são boas alternativas para estudos. Já a escolha dos tardígrados se deu pelo fato de serem animais muito resistentes, que conseguem sobreviver a situações extremas como congelamentos ou até mesmo uma fogueira.

Uma lula adulta / Crédito: Wikimedia Commons/Hans Hillewaert

 

A Nasa explicou que a análise da interação dos tardígrados com as lulas poderá "ajudar a identificar maneiras de proteger e aprimorar essas relações, para melhorar a saúde e o bem-estar humanos também na Terra". 

As viagens espaciais e o sistema imunológico

De acordo com o The Guardian, em entrevista ao Honolulu Star-Advertiser, a pesquisadora Jamie Foster explicou que “à medida que os astronautas passam mais e mais tempo no espaço, seu sistema imunológico se torna desregulado. Não funciona tão bem.”

Ela acrescenta que o sistema passa a não reconhecer bactérias com tanta facilidade, de modo que os profissionais às vezes chegam a ficar doentes.

Foguete da SpaceX durante lançamento / Crédito: Getty Images

 

“Existem aspectos do sistema imunológico que simplesmente não funcionam adequadamente em voos espaciais de longa duração”, declarou a pesquisadora, que também atua como professora no estado da Flórida.

“Se os humanos querem passar um tempo na Lua ou em Marte, temos que resolver problemas de saúde para levá-los lá com segurança”, finalizou Foster.


+Saiba mais sobre o reino animal por meio de grandes obras disponíveis na Amazon:

Ocean: A Visual Encyclopedia, de DK Publishing (2015) - https://amzn.to/31L941I

Animals: A Visual Encyclopedia, de DK Publishing (2012) - https://amzn.to/33TNk6r

Life Lessons from the Heart of Horses: How Horses Teach Us About Relationships and Healing, de Kathy Pike (2021) - https://amzn.to/31JdYMA

Animal Kingdom: A Collection of Portraits, de Randal Ford (2018) - https://amzn.to/33QdKWN

Vale lembrar que os preços e a quantidade disponível dos produtos condizem com os da data da publicação deste post. Além disso, a Aventuras na História pode ganhar uma parcela das vendas ou outro tipo de compensação pelos links nesta página.

Aproveite Frete GRÁTIS, rápido e ilimitado com Amazon Prime: https://amzn.to/2w5nJJp

Amazon Music Unlimited – Experimente 30 dias grátis: https://amzn.to/2yiDA7W