Por que Las Vegas se tornou a Cidade do Pecado?

A meca do jogo começou a se transformar na década de 1930

Felipe Lavignatti Publicado em 14/05/2018, às 14h43 - Atualizado às 14h43

Cataratas
Cataratas - Reprodução

Até o comecinho do século 20, a cidade hoje conhecida pelos iluminados cassinos não passava de uma vila ferroviária com cerca de 30 pessoas. A mudança começou na década de 1930, quando o jogo foi legalizado e milhares de trabalhadores afetados pela Grande Depressão chegaram para erguer a represa Hoover. Essas novidades atraíram mais dinheiro do crime organizado, principalmente de Los Angeles, fizeram a prostituição crescer e despertaram os turistas. Las Vegas virou a Cidade do Pecado. Após altos e baixos nos anos 1970 e 80, ela se consolidou como um dos grandes destinos do mundo, sempre rodeada de superlativos.

As décadas da mudança

Até 1931 o jogo era praticado ilegalmente

1910 - A década da fundação

Reconhecida como cidade em 1911, Las Vegas já tinha certa movimentação desde 1905 devido à sua estação de trem, na rota entre Los Angeles e Salt Lake City. Proibido em 1910, o jogo continua. Em 1911, umalei deixa o divórcio mais fácil, o que, junto com o casamento rápido, atrairia turistas.

1920 - A década da transição

A atuação clandestina de pequenos cassinos leva políticos do estado de Nevada à discussão da legalização do jogo. Eles queriam inibir a corrupção e o avanço da prostituição. Em 1925, uma lei é vetada pelos legisladores estaduais. Em 1927, um novo projeto é barrado no Senado.

1930 - A década da transformção

Em 1930, começa a ser construída nas proximidades de Las Vegas a represa Hoover, que atrairia milhares de trabalhadores atingidos pela Grande Depressão e forneceria água e energia suficientes para a cidade. O número de apostadores cresce, e o jogo finalmente é liberado no ano seguinte.

1940 - A deécada dos gângsteres

Com a Segunda Guerra, bases militares são erguidas na região para treinamento. O número de moradores triplica. De olho nisso e na legalização do jogo, criminosos como Benjamin "Bugsy" Siegel trocam Los Angeles por Vegas. Em 1945, Bugsy compra o Flamingo, então o maior hotel da cidade.

1950 - A década da expansão

O sucesso do Flamingo faz surgir na rua conhecida como Strip outros luxuosos cassinos, que investem em atrações como Frank Sinatra e Elvis Presley. A população mais que dobra. No fim dos anos 50, as autoridades estaduais começam o cerco aos gângsteres que lucravam com o jogo.

1960 - A década da recuperação

A cidade perde mais turistas depois de dois incêndios em seus hotéis. Em 1980, mais de 80 morrem no MGM e, no ano seguinte, outros oito são vítimas no Hilton. A máfia volta a assombrar. Em 1989, no entanto, é aberto o Mirage, que dá início a uma era de mega-resorts na rua Strip.

1970 - A década da concorrência

A cidade começa a ser abalada pela liberação, em 1976, do jogo em Atlantic City, que passa a atrair turistas da costa leste americana. Las Vegas tenta reagir com empreendimentos megalomaníacos como o hotel MGM, inaugurado em 1973 como o maior do mundo.

1980 - A década da recuperação

A cidade perde mais turistas depois de dois incêndios em seus hotéis. Em 1980, mais de 80 morrem no MGM e, no ano seguinte, outros oito são vítimas no Hilton. A máfia volta a assombrar. Em 1989, no entanto, é aberto o Mirage, que dá início a uma era de mega-resorts na rua Strip.

1990 - A década do exagero

Depois do Mirage, outros complexos hoteleiros são inaugurados com atrações estonteantes. Os enormes edifícios passam a exibir vulcões artificiais, tigres siberianos, florestas, réplicas da Torre Eiffel, belezas egípcias e venezianas e espetáculos de água e luz.

2000 - A década do recorde

O número de visitantes bate recorde atrás de recorde. Em 2007, foram mais de 39 milhões de turistas nacionais e internacionais, a maior marca até hoje. A crise econômica fez o volume cair, mas ele se mantém alto, com mais de 35 milhões. Muitos vão à cidade participar de convenções e congressos.