Curiosidades » Arte

'A Distribuição das Cruzes': Conheça a obra que 'condenou' o artista ao Brasil

Conhecido por representar o reino de dom João VI em suas obras, Jean-Baptiste Debret chegou ao país tropical, em resumo, por ser um grande apoiador do regime de Napoleão Bonaparte

Redação Publicado em 25/07/2021, às 10h00 - Atualizado em 26/07/2021, às 09h24

Pintura de Jean-Baptiste Debret
Pintura de Jean-Baptiste Debret - Domínio Público/ Creative Commons/ Wikimedia Commons

O Brasil se lembra de Jean-Baptiste Debret como o artista das pitorescas cenas de rua do reino de dom João VI, com escravos, índios e paisanos em imagens tropicais. O que não se fala muito é como ele veio parar aqui: Debret, como outros artistas da Missão Francesa de 1816, era um apoiador do regime de Napoleão Bonaparte, que caiu duas vezes — primeiro com a abdicação em 1814, após revezes militares, depois, em 1815, com o retorno dos Cem Dias e a derrota final em Waterloo.

Dom João VI aproveitou a situação para trazer bonapartistas ao Brasil, o que não deixa de ser irônico, já que ele próprio era um inimigo de Napoleão que veio parar aqui em 1808 sob a ameaça da invasão de Lisboa. O mais famoso quadro da fase francesa de Debret, A Distribuição das Cruzes, retrata uma inovação do Império Francês.

A Revolução Francesa havia abolido os títulos honoríficos da monarquia. Napoleão, que assumiu o poder num golpe de Estado em 1799 e foi confirmado imperador em 1804, decidiu restaurá-las nos moldes do novo regime, de forma secular e não aristocrática.

Assim foi criada a Legião de Honra da França, que persiste ainda hoje — o líder atual é o presidente François Hollande. A cena, como o nome deixa evidente, é a primeira cerimônia dessa nova organização.

1. Clero de escanteio

Detalhe da obra de Jean-Baptiste Debret / Crédito: Domínio Público/ Creative Commons/ Wikimedia Commons

 

A Revolução Francesa, da qual o Império de Napoleão nasceu, era fortemente anticlerical. O próprio Napoleão, por exemplo, tomaria a coroa do papa Pio VII. Talvez por isso a decisão de Debret de jogar para o fundo os religiosos presentes numa cerimônia dentro da igreja. Ou talvez nem tanto: a figura sentada melancolicamente é o cardeal Joseph Fesch, tio de Napoleão.


2. O local

O nome pode parecer estranho para um local tão central na História militar francesa: Les Invalides. O complexo foi criado pelo rei Luís XIV para abrigar veteranos e feridos de guerra, os inválidos. O domo, onde foi celebrada a cerimônia, foi inspirado no da Catedral de São Pedro, em Roma. Hoje, o corpo de Napoleão está sob ele.


3. O juiz

Detalhe da obra de Jean-Baptiste Debret / Crédito: Domínio Público/ Creative Commons/ Wikimedia Commons

 

Honoré Muraire, um advogado e político interiorano que entrou em evidência na Revolução Francesa, era o presidente da Corte de Cassação, responsável por rever procedimentos judiciais. Quando Napoleão voltou ao poder em 1815, nos Cem Dias, seria ele a proclamar sua restauração como imperador.


4. O guarda-costas

A exótica figura em roupas orientais é Roustam Raza, um armênio escravizado pelos egípcios, treinado como mameluco (soldado escravo) e dado de presente a Napoleão pelo xeique do Cairo em 1798. Como um homem livre, Raza serviria como guarda-costas do imperador até o fim, se casaria com uma francesa e morreria no país adotado.


5. A medalha

Detalhe da obra de Jean-Baptiste Debret / Crédito: Domínio Público/ Creative Commons/ Wikimedia Commons

 

Apesar do título do quadro, a “cruz” da legião de honra não é uma cruz, mas uma estrela. Isso tem um significado importante: a ordem era uma recriação das honrarias do antigo regime, mas tinha um caráter secular. Também podia ser dada a qualquer pessoa, independentemente de ser nobre ou plebeia, diferente das medalhas monárquicas.


6. O terceiro conspirador

Admirador das ideias radicais de Jean-Jacques Rosseau, foi por pouco que o duque Charles-François Lebrun não perdeu a cabeça durante o Período do Terror na Revolução Francesa. Salvo por uma manobra burocrática, seria um dos três conspiradores do golpe de 1799, atuando como terceiro cônsul.


7. O general desprezado

Detalhe da obra de Jean-Baptiste Debret / Crédito: Domínio Público/ Creative Commons/ Wikimedia Commons

 

Começando sua carreira na guarda do Palácio de Versalhes durante a revolução, Louis-Alexandre Berthier era um dos generais mais próximos de Napoleão, ganhando os títulos de marechal e vice-condestável — abaixo apenas do imperador. Ainda assim, Napoleão fazia pouco caso dele, chamando-o de “balconista-chefe”.


8. O jurista

Jean Jacques Régis de Cambacérès foi o autor do Código Napoleônico, o primeiro código civil — isto é, conjunto de leis regendo partes da vida privada, como negócios e contratos. No período do consulado, a ditadura militar entre 1799 e 1804, ele foi o segundo cônsul, autoridade abaixo apenas de Napoleão.


+Saiba mais sobre a arte por meio de grandes obras disponíveis na Amazon:

Tudo sobre arte, de Stephen Farthing e Richard Cork (2018) - https://amzn.to/3fEy6FY

A História da Arte, de Gombrich (2000) - https://amzn.to/2A1SsIG

O livro da arte, de Vários Autores (2019) - https://amzn.to/3cdUjIR

História Ilustrada da Arte, de Ian Chilvers (2014) - https://amzn.to/2WDgHEF

Breve história da Arte: Um guia de bolso para os principais gêneros, obras, temas e técnicas, de Susie Hodge (2018) - https://amzn.to/3fEykwO

Vale lembrar que os preços e a quantidade disponível dos produtos condizem com os da data da publicação deste post. Além disso, a Aventuras na História pode ganhar uma parcela das vendas ou outro tipo de compensação pelos links nesta página.

Aproveite Frete GRÁTIS, rápido e ilimitado com Amazon Prime: https://amzn.to/2w5nJJp 

Amazon Music Unlimited — Experimente 30 dias grátis: https://amzn.to/2yiDA7W