Curiosidades » Culinária

Começou como linguiça – a bizarra história do pudim

O doce que conhecemos e adoramos tem uma história bem complicada

Lucas Vasconcellos Publicado em 24/01/2019, às 14h00

Entenda
Wikimedia Commons

Muito antes de se tornar  sobremesa quase obrigatória em balcões de atendimentos de padarias brasileiras e ostentar alimentos-bases que vão de pão a leite condensado ou tapioca - ou mesmo ser citado como uma recompensa na música Another Brick in the Wall, do Pink Floyd -, o podim era, e ainda é em alguns locais, usado para se referir a embutidos de carnes.

O termo português "pudim" deriva do inglês pudding,que, por sua vez, vem do francês boudin, do latim botellus, "linguiça/salsicha". Ainda hoje, black pudding e boudin noir querem dizer chouriço, a linguiça de sangue.

O pudim mudou de salsicha para doce na Grã-Bretanha. Vários pratos eram preparados em banho-maria, envolvidos por uma capa de tripas, tecido ou qualquer outro material. O haggis, o prato nacional da Escócia, é descrito como um pudding de vísceras de carneiro e farinha de aveia, cozidas num bucho de carneiro. Com o tempo, os britânicos começaram a chamar qualquer coisa feita de banho-maria, sem contato com água, de pudding. E aí entram coisas como chrismas pudding, um bolo úmido cozido num saco de tecido. 

A palavra chegou a Portugal pelas inúmeras trocas entre marinheiros de países aliados, e passou a designar só pratos doces. As receitas originais, na melhor tradição portuguesa, se baseiam em ovos e surgiram em conventos. Aqui, com o leite condensado em lata caindo no gosto do público, a partir dos anos 1930, surgiu a versão mais típica hoje.