Curiosidades » Coluna

Quando Manuel Luís Osório provocou dom Pedro II

Militar de grande prestígio, Osório atuou por 42 anos em defesa do Império e, em 1878, assumiu a pasta do Ministério da Guerra

M.R. Terci Publicado em 09/05/2019, às 05h00

None
Reprodução

Ao alvorecer da Guerra da Tríplice Aliança, em 1864, Manuel Luís Osório era o militar de maior prestígio no Prata, tendo atuado ininterruptamente por 42 anos em campanhas sucessivas em defesa do Império.

Tal era a tempera do herói que nas fronteiras do Rio Grande do Sul, em toda sua extensão, seu nome era conhecido e acatado, sendo tão forte o seu prestígio que sua simples assinatura era passaporte respeitado para qualquer transeunte.

Antes do findar da guerra, em 1870, recebeu o título de Marquês do Herval e, em agosto de 1871, em uma cerimônia solene em Porto Alegre, Deodoro da Fonseca entregou-lhe uma obra prima de ourivesaria, uma espada de honra, cinzelada em ouro e ornada de brilhantes, com todas as batalhas e combates que Osório participara gravadas na lâmina, custeada pelos oficiais comandados por ele durante o longo conflito.

Conta-se que em 1878, quando Osório assumiu a pasta do Ministério da Guerra, em um dos despachos coletivos no Paço, o Imperador Dom Pedro II, minado pela velhice, começou a cochilar durante a leitura da longa ata e logo adormeceu na presença de todos os ministros.

Estes entreolharam-se, numa consulta silenciosa. O que fazer diante de semelhante ocorrência?  Deixar a sala? Seria uma desconsideração. Chamá-lo? Um desrespeito. O imperador, por seu turno, roncava cerimoniosamente.

Osório que sorria diante da indecisão de seus pares, caminhou até diante do trono, desafivelou o cinturão e deixou cair, estrondosamente, sua custosa espada sobre o gracioso piso de mármore do salão de conferências. O Imperador levou um susto dos diabos. Subitamente despertado, o demandou severamente:

“Acredito que o senhor não deixava cair suas armas quando estava no Paraguai, marechal”.

Ao que Osório respondeu:

“Não, majestade. Mesmo porque lá nós não cochilávamos em serviço. ”

Na guerra e na paz, o legendário Osório foi um dos personagens mais interessantes da história do Brasil. Um homem de ação, simples e honesto, que jamais hesitou em fazer uso da espada.


M.R. Terci é escritor e esteve na legião estrangeira, expoente no gênero fantasia sombria e horror, seus livros mesclam história e o grande cabedal do folclore nacional às tramas autênticas e repletas de criatividade.