Curiosidades » Brasil

Quando a viúva de Noel Rosa teve a bolsa furtada no velório do músico

O sambista faleceu no ano de 1937 em decorrência de uma tuberculose

Redação Publicado em 26/09/2021, às 09h00

Noel Rosa
Noel Rosa - Domínio Público / Desconhecido

Em 6 de maio de 1937 ocorreu o velório do prestigiado sambista carioca Noel Rosa, que falecera dois dias antes, aos 26 anos de idade, em razão de uma tuberculose. Na ocasião, inúmeras pessoas seguiram o cortejo que, partindo da casa do músico, localizada na rua Theodoro da Silva, Vila Isabel, levaria o corpo ao cemitério.

Contudo, apesar da tristeza e da enorme comoção pela perda do artista, alguém acabou se aproveitando da situação e se infiltrou, em meio ao público, para furtar a bolsa da viúva Lindaura Martins.

Repercussão do caso

"Alguém, aproveitando-se da confusão reinante na casa, naquele momento de dor e desespero, introduziu-se no quarto da viúva do musicista e apanhou uma bolsa de senhora que se encontrava, de envolta com diversos documentos, a quantia de 620$000 (620 mil réis). Era essa a importância arrecadada em subscrição feita pelos artistas para auxiliar a família de Noel Rosa", dizia o Globo em reportagem publicada na época. 
Escultura de Noel Rosa sendo servido por um garçom, no bairro de Vila Isabel / Crédito: Wikimedia Commons / Junius

 

Pedido de devolução

Diante do episódio, um grupo de amigos do grande artista procurou o veículo para contar o ocorrido e assim comunicar o pedido de devolução de alguns pertences de Laurinda, os quais estavam dentro da bolsa. No entanto, a mulher não exigiu odinheiro de volta.

A reportagem explica que ela pediu apenas que pudessem devolver os documentos e um 'alfinete de gravata, com uma pérola e dois brilhantes'. Contudo, a redação do site Aventuras na História não encontrou informações quanto aos desdobramentos do anúncio. 

Poucos sabem, mas Noel quase foi médico, tendo se matriculado na faculdade de Medicina no ano de 1931.

No entanto, não demorou muito para que decidisse largar os estudos e seguir com o que, de fato, desejava: a música. Jovem e aventureiro, desde cedo o carioca levava uma vida boêmia repleta de samba, cigarro e bebidas nos animados bares da Lapa.

Casa do sambista na Vila Isabel / Crédito: Wikimedia Commons / Arquivo Nacional

 

O artista ainda foi compositor de grandes sucessos, como "Com que roupa?", escrita em 1930, além de "Feitiço da Vila" e "Palpite Infeliz", a qual fez em um momento de rixa com o músico Wilson Batista.