Curiosidades » Bizarro

Racismo escrachado: 5 vezes que o blackface chegou aos cinemas

Considerada uma prática preconceituosa, ela se resume em modificar as características de uma pessoa branca para que a mesma se pareça com um personagem negro

Pamela Malva Publicado em 02/12/2020, às 08h00

Uma das cenas mais emblemáticas do filme O Cantor de Jazz, de 1927
Uma das cenas mais emblemáticas do filme O Cantor de Jazz, de 1927 - Divulgação

Durante anos, a indústria cinematográfica manteve-se conservadora, seguindo diversos padrões da sociedade de sua época. Assim, até mesmo Hollywood chegou a seguir tendências racistas e bastante preconceituosas no passado.

Um desses recursos mais problemáticos é conhecido como blackface. Nessa prática, o ator escolhido — na grande maioria das vezes, branco — tem suas características modificadas para se parecer com um personagem negro. Usando maquiagem, tinta marrom ou lentes de contato escuras, todo o rosto pode ser modificado. 

O problema dessa abordagem, hoje considerada racista, é que ela cria uma espécie de paródia da pele negra. Além disso, ela mostra a preferência equivocada de atores brancos, até mesmo quando o personagem é de outra etnia — impedindo, inclusive, que atores destas mesmas origens conquistem o papel.

Confira 5 vezes nas quais o blackface foi usado no cinema:

1. O Nascimento de uma Nação, de 1915

Uma das cenas mais marcantes do longa O Nascimento de uma Nação / Crédito: Divulgação

 

Quando o assunto é o racismo no cinema, o filme O Nascimento de uma Nação é um reflexo desse movimento. Criado em 1915, a produção usou apenas atores brancos para representar os papéis negros, todos maquiados de forma escrachada.

No longa, inclusive, os negros foram retratados como vilões, enquanto o fundador da Klu Klux Klan é o herói da trama. Ao mesmo tempo, se passando no final da Guerra Civil dos Estados Unidos, o longa trata o casamento inter-racial como um “absurdo”.


2. Al Jolson em O Cantor de Jazz, de 1927

Al Jolson interpretando no longa e foto do ator, respectivamente / Crédito: Divulgação/Wikimedia Commons

 

No longa, o protagonista Jakie Rabinowitz é um homem negro apaixonado por jazz, que se vê impedido de praticar sua música. O problema do filme é que o ator escolhido para representar o personagem foi Al Jolson, um cantor nascido na Lituânia. Durante todo o filme, então, ele teve sua pele pintada de marrom, para que se assemelhasse ao papel.


3. Laurence Olivier em Othello, de 1965

Laurence Olivier interpretando no longa e foto do ator, respectivamente / Crédito: Divulgação/Wikimedia Commons

 

Adaptado da peça de mesmo nome, escrita por William Shakespeare, o filme narra como o casamento do general Othello é destruído por uma suposta infidelidade. O escolhido para fazer o personagem, no entanto, foi o ator britânico Laurence Olivier. No longa, ele representa o protagonista utilizando o recurso do blackface.


4. Angelina Jolie em O Preço da Coragem, de 2007

Angelina Jolie no longa e foto da atriz, respectivamente / Crédito: Divulgação/Wikimedia Commons

 

Por mais que esse tipo de técnica pareça distante de nós, um dos exemplos mais recentes aconteceu com Angelina Jolie. Branca de olhos claros, ela reprentou Mariane Pearl, uma mulher descendente de cubanos no filme de 2007. Embora ela não tenha pintado o rosto como os outros fizeram, a atriz encaracolou seus cabelos e usou lentes de contato castanhas para mudar sua aparência.


5. Robert Downey Jr. em Trovão Tropical, de 2008

Robert Downey Jr. no longa e foto do ator, respectivamente / Crédito: Divulgação/Wikimedia Commons

 

Conhecido por seu papel como Homem de Ferro no Universo Marvel, o ator se envolveu em polêmicas recentes ao lembrar do filme. Na obra, o astro interpreta Kirk Lazarus, um ator branco que realizou uma cirurgia para escurecer a sua pele. Questionado sobre o papel no começo deste ano, ele tentou defender a produção e respondeu que "o filme é sobre o quão errado é fazer blackface".


+Saiba mais sobre o movimento negro nos Estados Unidos através de grandes obras disponíveis na Amazon Brasil:

Martin e Rosa: MartinLutherKing e RosaParks, unidos pela igualdade, de Raphaële Frier (2014) - https://amzn.to/37ZwNxw

I Am RosaParks, de Rosa Parks e James Haskins (1999) - https://amzn.to/2Oyle8U

A autobiografia de Martin Luther King, de Clayborne Carson e Martin Luther King (2014) - https://amzn.to/2Y23w0h

Mamãe & Eu & Mamãe, de Maya Angelou (2018) - https://amzn.to/2rA6yNs

Uma autobiografia, de Angela Davis (2019) - https://amzn.to/2q2uZm4

Vale lembrar que os preços e a quantidade disponível dos produtos condizem com os da data da publicação deste post. Além disso, a Aventuras na História pode ganhar uma parcela das vendas ou outro tipo de compensação pelos links nesta página.

Aproveite Frete GRÁTIS, rápido e ilimitado com Amazon Prime: https://amzn.to/2w5nJJp 

Amazon Music Unlimited – Experimente 30 dias grátis: https://amzn.to/2yiDA7W