Curiosidades » Brasil

Revolta do Quebra-Quilos: a obrigatoriedade do uso do quilo resultou em desavença e conflitos

Começando na Paraíba, a revolta se espalhou por outros estados e só parou com o envio de tropas federais

Coluna - Paulo de Medeiros Publicado em 20/09/2020, às 09h00

Raro registro da grande revolta
Raro registro da grande revolta - Wikimedia Commons

O quilo, o metro, o litro, medidas sem as quais muita gente hoje não saberia como viver,
foram implantadas à custa de muita desavença e conflitos por todo o mundo.

Depois de determinadas por comissões científicas no fim do século 18, as unidades demoraram décadas para serem estabelecidas – ainda hoje ingleses custam a render-se às unidades francesas. Aderir a uma unidade alheia significava deixar a própria cultura de lado – e, quando a mudança se tornou obrigatória, queixas eram quase inevitáveis.

Foi assim em todo o planeta – e pouca gente sabe que no Brasil também. Em 1874, a obrigatoriedade do uso do quilo foi a gota d’água para o “revolta do quebra-quilos”, um movimento que começou na Paraíba, se espalhou por mais três estados do Nordeste e só foi contido pelo envio de tropas federais.

Cartaz da revolta /Crédito: Wikimedia Commons

 

Em 31 de outubro, em Campina Grande, na Paraíba, centenas de pessoas invadiram a feira da cidade protestando contra os novos pesos e medidas. Aos gritos, a massa quebrava os moldes de quilos dos feirantes, que eram fornecidos (vendidos ou alugados) pela administracão municipal.

Os revoltosos invadiram os mercados, coletorias e a Câmara Municipal, destruíram os novos padrões e queimaram os arquivos contábeis do governo. Um panfleto intitulado “Manifesto da Sedição do Quebra-Quilos” apregoava: “É preciso um dilúvio de sangue para que desapareçam eternamente desta terra os ladrões”.

Os cordéis ajudaram a convencer a população com suas rimas. Aos poucos, a revolta se alastrou para outras vilas e cidades paraibanas, além dos estados de Pernambuco, Alagoas e Rio Grande do Norte. Em todos esses lugares, a multidão revoltada tinha a mesma característica: a de buscar nas sedições uma espécie de legitimação para seus costumes, que de repente vinham sendo atacados pelas autoridades.

Uma reação diante da conjuntura da época: para ingressar na via da modernização,
o Brasil estava deixando para trás a tradição em que o que vale é o reconhecimento direto e o “apalavrado”. Mas as autoridades não queriam saber.

Quem não utilizasse os novos padrões poderia ser punido com prisão de cinco a dez dias e pagaria multa. Todavia, o clima esquentou por causa do aumento da cobrança de tributos. O país vinha enfrentando uma crise econômica devido à queda das vendas internacionais de açúcar e de algodão.

A crise abrangia principalmente as províncias nordestinas, tradicionalmente açucareiras e cotonicultoras. Para o governo, o aumento de impostos era a solução. Para o povo, porém, os tributos, assim como as novas medidas, ofendiam os costumes e a tradição do país.

Além disso, em tempos de crise, o povo esperava por ajuda, não por cobranças. Como os tributos eram calculados utilizando as novas medidas (quilos, litros e metros), a obrigatoriedade de utilizá-las foi a gota d’água para a revolta.

Agricultores, criadores de gado e comerciantes, os quebra-quilos eram vistos pelas autoridades como um “bando de matutos armados de facas e cacetes”. Como os arruaceiros gritavam frases como “viva a religião e morra a maçonaria”, as acusações de liderança do movimento logo caíram sobre a Igreja Católica, na época às turras com dom Pedro II.

Dois padres chegaram a receber ordem de prisão junto a outros líderes suspeitos. Esses líderes passaram a ser perseguidos no começo de 1875, com o crescimento da revolta. No Rio Grande do Norte, duas pessoas morreram e cinco se feriram depois de um dia de reação das forças imperiais.

As tropas do governo, armadas de baionetas e espingardas, chegaram por mar, a bordo
do navio Werneck, vindas do Maranhão para o Rio Grande do Norte. Os cabeças do movimento foram processados e, alguns, obrigados a restabelecer os novos pesos e medidas por eles destruídos nos mercados e feiras, e obrigaram-se a indenizar aos particulares o dano causado nos seus estabelecimentos.

O ato mais ferrenho da repressão foi a aplicação dos chamados “coletes de couro”. Segundo o historiador Armando Souto Maior, “amarrados, os prisioneiros eram em seguida metidos em grosseiros coletes de couro cru; ao ser molhado, o couro encolhia-se, comprimindo o tórax das vítimas, quase asfixiando-as”. O método causou a revolta de muitos comerciantes, mas também medo – à custa do qual a medida do quilo foi finalmente implantada no Nordeste.


Paulo de Medeiros é historiador e pós-graduando da Universidade Federal do Rio Grande do Norte 


++ A seção Coluna não representa, necessariamente, a opinião do site Aventuras na História.